Mais de 500 imó­veis nas re­giões Cen­tro, Nor­te e Sul em no­va cam­pa­nha

O “Mês das Opor­tu­ni­da­des” do Mil­len­nium bcp es­tá de vol­ta e abran­ge apar­ta­men­tos, mo­ra­di­as, ter­re­nos, ar­ma­zéns, lo­jas, es­cri­tó­ri­os e até ga­ra­gens. Ini­ci­a­ti­va

Publico - Imobiliario - - Oportunidades -

O “Mês das Opor­tu­ni­da­des”, uma das cam­pa­nhas co­mer­ci­ais do Mil­len­nium bcp com mai­or no­to­ri­e­da­de no mer­ca­do imo­bi­liá­rio, es­tá de re­gres­so. Nes­ta no­va edi­ção, que se ini­ci­ou na se­gun­da-fei­ra e que é a úl­ti­ma do ano, es­tão abran­gi­dos mais de 500 imó­veis nas re­giões Cen­tro, Nor­te e Sul, uma se­le­ção que vol­ta a mar­car pela di­ver­si­da­de em ter­mos de lo­ca­li­za­ções e do ti­po de imo­bi­liá­rio con­tem­pla­do, que in­clui ha­bi­ta­ção, lo­jas, es­cri­tó­ri­os, ar­ma­zéns, ter­re­nos rús­ti­cos e ur­ba­nos, bem co­mo ga­ra­gens. ”Es­tas cam­pa­nhas têm sem­pre uma se­le­ção mui­to alar­ga­da de imó­veis, não só pe­las su­as lo­ca­li­za­ções co­mo pe­las di­men­sões, ti­po­lo­gi­as e seg­men­tos con­tem­pla­dos”, co­men­ta José Araújo, di­re­tor da Di­re­ção de Ne­gó­cio Imo­bi­liá­rio do Ban­co, que ex­pli­ca que es­tes imó­veis es­tão dis­po­ní­veis “a pre­ços mui­to atra­ti­vos” e com “con­di­ções de fi­nan­ci­a­men­to mui­to com­pe­ti­ti­vas” até 30 de novembro e se es­cri­tu­ra­dos até 30 de de­zem­bro.

Na re­gião Cen­tro - a que as­su­me mai­or ex­pres­são nes­ta edi­ção (61% do to­tal na­ci­o­nal) - os cer­ca de 320 imó­veis in­te­gra­dos na cam­pa­nha si­tu­am-se nos dis­tri­tos de Cas­te­lo Bran­co e San­ta­rém, com uma for­te pre­do­mi­nân­cia de pro­du­to re­si­den­ci­al (mais de 140 imó­veis) e de ter­re­nos ur­ba­nos e para cons­tru­ção (mais de 100 ati­vos), em­bo­ra tam­bém exis­tam bas­tan­tes opor­tu­ni­da­des nos seg­men­tos de imo­bi­liá­rio in­dus­tri­al e ar­ma­zéns, lo­jas e es­cri­tó­ri­os. Para Ja­cin­to Can­tar­ri­lha, Ge­ren­te da Re­max Vi­si­on para Al­mei­rim e Co­ru­che, es­ta cam­pa­nha “é uma mais-va­lia para quem pro­cu­ra com­prar imó­veis nes­ta zo­na”, já que “os des­con­tos pra­ti­ca­dos e as con­di­ções de fi­nan­ci­a­men­to” são es­pe­ci­al­men­te atra­ti­vos “num con­tex­to mar­ca­do pela in­te­ri­o­ri­da­de e on­de o ren­di­men­to mé­dio das fa­mí­li­as não é mui­to ele­va­do”. No en­tan­to, “é cla­ro que a pro­cu­ra de imó­veis na re­gião tem su­bi­do e que os pre­ços já in­ver­te­ram o ci­clo de que­da dos úl­ti­mos anos”.

A Nor­te, o “Mês das Opor­tu­ni­da­des” abran­ge vá­ri­os con­ce­lhos dos dis­tri­tos do Porto (Maia, Stº Tir­so, Trofa e Gaia) e Braga (Braga, Pó­voa de La­nho­so, Fa­ma­li­cão e Vi­la Ver­de), bem co­mo to­do o dis­tri­to de Vi­a­na do Cas­te­lo, os quais con­tem­plam mais de 70 imó­veis (14% da car­tei­ra to­tal em cam­pa­nha). Os imó­veis re­si­den­ci­ais e as lo­jas/es­cri­tó­ri­os (entre 30 a 40 imó­veis ca­da) são os mais ex­pres­si­vos nes­ta re­gião, on­de se es­pe­ra que as ven­das se­jam in­ten­sas. “A se­le­ção de pro­du­to na re­gião tem óti­mas opor­tu­ni­da­des de ne­gó­cio”, co­men­ta Pe­dro Fer­nan­des, di­re­tor co­mer­ci­al da Me­dium. E num mo­men­to em que o mer­ca­do local “es­tá mui­to fa­vo­rá­vel, co­mo aliás no res­to do país; es­pe­ra­mos que es­tes imó­veis se­jam ra­pi­da­men­te es­co­a­dos”, até por­que os “pre­ços são mui­to ape­te­cí­veis e is­so é uma mo­ti­va­ção adi­ci­o­nal mui­to im­por­tan­te para o com­pra­dor”.

Mais a Sul, a ofer­ta con­cen­tra-se nos dis­tri­tos alen­te­ja­nos de Por­ta­le­gre, Be­ja e Évo­ra (ofer­ta su­pe­ri­or a 130 imó­veis, equi­va­len­tes a 25% da car­tei­ra to­tal em cam­pa­nha), on­de o mer­ca­do es­tá a “cres­cer de for­ma sus­ten­ta­da. O rit­mo é di­fe­ren­te de Lisboa e Porto, mas é bas­tan­te po­si­ti­vo e cons­tan­te”, re­fe­re José Ne­ves, só­cio–ge­ren­te de ERA Évo­ra. A ha­bi­ta­ção (com mais de 80 ati­vos) e as lo­jas e es­cri­tó­ri­os (mais de 20 imó­veis) con­cen­tram o mai­or nú­me­ro de opor­tu­ni­da­des na atu­al edi­ção da cam­pa­nha a Sul, re­gião “on­de há uma cla­ra re­to­ma da pro­cu­ra por par­te das empresas, que apro­vei­tam mui­to os imó­veis da Ban­ca”, diz es­te pro­fis­si­o­nal.

Bons re­sul­ta­dos

Tam­bém José Araújo es­tá bas­tan­te con­fi­an­te nos bons re­sul­ta­dos des­ta no­va edi­ção, es­pe­ran­do “ter su­ces­so em todas as zonas se­le­ci­o­na­das”, es­pe­ci­al­men­te no mo­men­to atu­al “em que mer­ca­do já ab­sor­ve mais pro­du­to do que aque­le que en­tra em car­tei­ra”. Is­so, a so­mar aos fa­to­res ba­se de atra­ção do “Mês das Opor­tu­ni­da­des”. Uma cam­pa­nha que é “mui­to aguar­da­da pe­lo mer­ca­do e com um su­ces­so mui­to ex­pres­si­vo a ca­da edi­ção, es­ta ini­ci­a­ti­va “per­cor­re tri­mes­tral­men­te to­dos os con­ce­lhos do país, abran­ge to­dos os seg­men­tos de ne­gó­cio, apre­sen­ta pre­ços atra­ti­vos e soluções de fi­nan­ci­a­men­to com­pe­ti­ti­vas, e per­mi­te ní­veis de de­ci­são rá­pi­dos”, su­bli­nha José Araújo, que acre­di­ta que “au­men­te de no­vo a per­cen­ta­gem de imó­veis ven­di­dos”. Para as pers­pec­ti­vas oti­mis­tas con­tam tam­bém os re­sul­ta­dos de ven­das já re­gis­ta­dos es­te ano. Na ha­bi­ta­ção, “a evo­lu­ção tem si­do mui­to po­si­ti­va, com a pro­cu­ra a manter-se em ní­veis bas­tan­te ele­va­dos, pe­lo que, o fac­to de exis­tir uma cam­pa­nha com a abran­gên­cia do Mês das Opor­tu­ni­da­des, tor­na es­ta pro­cu­ra ain­da mais ex­pres­si­va. Por is­so, temos a le­gí­ti­ma ex­pec­ta­ti­va de ven­der a gran­de mai­o­ria dos imó­veis re­si­den­ci­ais em cam­pa­nha”. No seg­men­to não re­si­den­ci­al, as “ven­das têm au­men­ta­do de va­lor es­te ano e es­tão a atin­gir ní­veis aci­ma dos anos an­te­ri­o­res, pe­lo que temos ex­pec­ta­ti­va de ven­der não menos de 40% dos imó­veis abran­gi­dos pela cam­pa­nha nes­te seg­men­to”, an­te­ci­pa José Araújo. Além dis­so, es­ta quar­ta e úl­ti­ma edi­ção de 2017 do “Mês das Opor­tu­ni­da­des”, “tem a par­ti­cu­la­ri­da­de de o pre­ço ter já in­cor­po­ra­do to­do o be­ne­fí­cio, in­cluin­do já no va­lor o des­con­to adi­ci­o­nal que em edições an­te­ri­o­res é atri­buí­do no mo­men­to da es­cri­tu­ra, o que tor­na o pro­ces­so mais sim­ples para o com­pra­dor. No en­tan­to, para po­der be­ne­fi­ci­ar de va­lor pro­mo­ci­o­nal des­ta edi­ção, é ne­ces­sá­rio en­vi­ar pro­pos­ta até 30 de novembro e for­ma­li­zar a es­cri­tu­rar até 30 de de­zem­bro”, ter­mi­na José Araújo. Entre abril e ju­nho deste ano, fo­ram ven­di­das 36.886 ca­sas em Portugal, um no­vo má­xi­mo tri­mes­tral da atu­al sé­rie de dados es­ta­tís­ti­cos pro­du­zi­dos pe­lo Instituto Na­ci­o­nal de Es­ta­tís­ti­ca (INE) para es­te se­tor, ini­ci­a­da em 2009. Es­te é o ter­cei­ro tri­mes­tre con­se­cu­ti­vo em que o nú­me­ro de ven­das de alo­ja­men­tos atin­ge um má­xi­mo, re­gis­tan­do um vo­lu­me de tran­sa­ções su­pe­ri­or a 4,5 mil mi­lhões de eu­ros, igual­men­te o mais ele­va­do des­de 2009 e que apre­sen­ta um cres­ci­men­to e 23,3% em ter­mos ho­mó­lo­gos. Nes­te pe­río­do, o pre­ço das ca­sas au­men­tou cer­ca de 8,0% fa­ce ao mes­mo tri­mes­tre do ano pas­sa­do, revela ain­da o INE.

Nas con­tas se­mes­trais, a ven­da de ca­sas em Portugal nos primeiros seis me­ses de 2017 as­cen­deu a 72.064 uni­da­des, num to­tal pró­xi­mo de 8,9 mil mi­lhões de eu­ros tran­sa­ci­o­na­dos.

No 2º tri­mes­tre de 2017, fo­ram ven­di­das mais 5.118 ca­sas (+16,1%) do que no mes­mo tri­mes­tre do ano pas­sa­do (quan­do fo­ram tran­sa­ci­o­na­das 31.768), que foi o pri­mei­ro tri­mes­tre des­de o fi­nal de 2010 em que se voltou a su­pe­rar a bar­rei­ra das 30.000 ca­sas ven­di­das num tri­mes­tre, mos­tram os dados do INE. As ca­sas usa­das man­têm- se co­mo o pro­du­to mais tran­sa­ci­o­na­do, con­cen­tran­do 31.150 uni­da­des ven­di­das no tri­mes­tre, o que re­pre­sen­ta um au­men­to de 18,3% fa­ce ao mes­mo pe­río­do de 2016. Já os alo­ja­men­tos novos – que pe­sa­ram 15,6% no to­tal dos fo­gos ven­di­dos - qua­se du­pli­ca­ram o rit­mo de cres­ci­men­to das ven­das, evo­luin­do de uma va­ri­a­ção ho­mó­lo­ga de 2,9% no 1º tri­mes­tre de 2017 para uma de 5,5% no 2º tri­mes­tre. Em ter­mos de va­lo­res, as ven­das dos alo­ja­men­tos usa­dos atin­gi­ram os 3,7 mil mi­lhões de eu­ros e os alo­ja­men­tos novos as­cen­de­ram a 920 mi­lhões de eu­ros no tri­mes­tre.

Na aná­li­se re­gi­o­nal, a Área Me­tro­po­li­ta­na de Lisboa, a par da re­gião Nor­te e do Algarve, fo­ram as mais di­nâ­mi­cas, con­cen­tran­do res­pe­ti­va­men­te, 13.111; 10.752 e 3.621 tran­sa­ções. A Área Me­tro­po­li­ta­na de Lisboa ul­tra­pas­sou pela pri­mei­ra vez a marca das 13.000 tran­sa­ções num só tri­mes­tre e a re­gião Nor­te re­gis­tou, pe­lo se­gun­do tri­mes­tre con­se­cu­ti­vo, mais de 10.000 tran­sa­ções.

CÂMARA MU­NI­CI­PAL DE SAN­TA­RÉM

O dis­tri­to de San­ta­rém é um dos abran­gi­dos por es­ta cam­pa­nha

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.