O ca­mi­nho da di­na­mi­za­ção

Publico - Imobiliario - - Opinião - Luís Li­ma

Omer­ca­do de ar­ren­da­men­to em Por­tu­gal so­fre, há dé­ca­das, de um gran­de pro­ble­ma que se pren­de com a to­tal au­sên­cia da sua di­na­mi­za­ção. Se, nou­tros tem­pos, es­ta ques­tão já se re­ve­la­va bem com­ple­xa, ul­ti­ma­men­te, tem-se tor­na­do ca­da vez mais vi­sí­vel, so­bre­tu­do nas prin­ci­pais ci­da­des do País, on­de os pro­ble­mas ha­bi­ta­ci­o­nais es­tão com­ple­ta­men­te des­con­tro­la­dos.

Fe­liz­men­te, pa­re­cem es­tar no ho­ri­zon­te do Or­ça­men­to de Es­ta­do pa­ra 2018 in­cen­ti­vos fis­cais ao pa­ra quem co­lo­que ati­vos no mer­ca­do de ar­ren­da­men­to ha­bi­ta­ci­o­nal a ren­das aces­sí­veis, in­cen­ti­vos es­tes que mais do segurança do mer­ca­do e à pos­si­bi­li­da­de dos in­qui­li­nos não cum­pri­rem com as su­as obri­ga­ções, fez e faz com que mui­tos pro­pri­e­tá­ri­os op­tem por ou­tro ti­po de ne­gó­ci­os mais ren­tá­veis e se­gu­ros, co­mo o alo­ja­men­to lo­cal, por exem­plo. E não há que os jul­gar por is­so. Se es­te é um ne­gó­cio que as­su­mi­da­men­te o país pre­ci­sa pa­ra dar res­pos­ta aos pro­ble­mas ha­bi­ta­ci­o­nais que exis­tem, en­tão tem que se in­cen­ti­var e apoi­ar quem in­ves­te nes­ta ati­vi­da­de.

As pro­pos­tas que têm si­do di­vul­ga­das vão ao en­con­tro dos de­se­jos que têm si­do par­ti­lha­dos pe­los agen­tes do mer­ca­do, não só a ní­vel da fis­ca­li­da­de co­mo tam­bém ao ní­vel da re­du­ção do ris­co do ar­ren­da­men­to, e são um si­nal mui­to po­si­ti­vo, com o qual só nos po­de­mos con­gra­tu­lar. Nes­te sen­ti­do, a no­va Se­cre­tá­ria de Es­ta­do da Ha­bi­ta­ção, Ana Pi­nho, tem re­ve­la­do es­tar aten­ta ao mer­ca­do e às pro­pos­tas, co­mo as da CAMAU, que têm si­do apre­sen­ta­das.

À par­ti­da, o “Pro­gra­ma de Ren­da Aces­sí­vel” acei­ta­rá ati­vos que se­jam ar­ren­da­dos 20% abai­xo dos va­lo­res de re­fe­rên­cia do mer­ca­do. A ques­tão que ago­ra se co­lo­ca é: quais são e quem de­fi­ne es­tes va­lo­res de re­fe­rên­cia?

E a sua res­pos­ta se­rá da mai­or im­por­tân­cia, pois é in­dis­pen­sá­vel que es­tes va­lo­res se­jam dis­po­ni­bi­li­za­dos por en­ti­da­des ab­so­lu­ta­men­te in­de­pen­den­tes, que não te­nham quais­quer sem in­te­res­ses dis­si­mu­la­dos.

A de­fi­ni­ção dos va­lo­res de re­fe­rên­cia por via do Va­lor Pa­tri­mo­ni­al Tri­bu­tá­rio (VPT) se­rá por is­so uma boa al­ter­na­ti­va a ter em con­ta, uma vez que te­rá o va­lor mais fi­de­dig­no e apro­xi­ma­do dos va­lo­res de mer­ca­do pra­ti­ca­dos e po­de­rão ser pos­te­ri­or­men­te ajus­ta­dos, à se­me­lhan­ça do que acon­te­ce atu­al­men­te com a atu­a­li­za­ção anu­al das ren­das.

Nes­te e nou­tros as­pe­tos a APEMIP es­tá, co­mo sem­pre, dis­pos­ta a pres­tar to­do o apoio e in­for­ma­ção que pos­sa ser ne­ces­sá­ria. Na de­fe­sa de um mer­ca­do di­nâ­mi­co, que pos­sa dar, fi­nal­men­te, res­pos­ta às rei­as ne­ces­si­da­des das fa­mí­li­as por­tu­gue­sas.

À par­ti­da, o “Pro­gra­ma de Ren­da Aces­sí­vel” acei­ta­rá ati­vos que se­jam ar­ren­da­dos 20% abai­xo dos va­lo­res de re­fe­rên­cia do mer­ca­do. A ques­tão que ago­ra se co­lo­ca é: quais são e quem de­fi­ne es­tes va­lo­res de re­fe­rên­cia?

Presidente da APEMIP luis­li­ma@apemip.pt

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.