Sus­ten­ta­bi­li­da­de e alar­ga­men­to são de­sa­fi­os da re­a­bi­li­ta­ção

A sus­ten­ta­bi­li­da­de e o alar­ga­men­to ter­ri­to­ri­al da re­a­bi­li­ta­ção es­tão in­cluí­dos num do­mí­nio es­tra­té­gi­co que de­ve ser pen­sa­do pa­ra os pró­xi­mos 20 anos, de­fen­de Reis Cam­pos, presidente da AICCOPN R.U.I.S., mar­ca pa­ra as em­pre­sas

Publico - Imobiliario - - Entrevista -

A re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na, ape­sar de ser “ho­je uma re­a­li­da­de in­con­tor­ná­vel”, ain­da não ga­nhou “a es­ca­la e, so­bre­tu­do, a abran­gên­cia ter­ri­to­ri­al” ne­ces­sá­ria. Na pers­pe­ti­va do presidente da As­so­ci­a­ção dos In­dus­tri­ais da Cons­tru­ção Ci­vil e Obras Pú­bli­cas (AICCOPN), Reis Cam­pos, “o Por­to, a par de Lis­boa, são as du­as ci­da­des cu­jos cen­tros his­tó­ri­cos es­tão a apre­sen­tar uma di­nâ­mi­ca cla­ra­men­te su­pe­ri­or à que se ve­ri­fi­ca no res­to do país”.

Os da­dos mos­tram que, em 2016, no mu­ni­cí­pio do Por­to, o pe­so da re­a­bi­li­ta­ção no to­tal de edi­fí­ci­os li­cen­ci­a­dos foi de 75,5%. Po­rém, no Gran­de Por­to, es­se pe­so é de 58% e, con­si­de­ran­do to­das as au­tar­qui­as, ex­ce­to o Por­to, o va­lor des­ce pa­ra os 48%. Mes­mo à es­ca­la da ci­da­de, “é per­fei­ta­men­te vi­sí­vel a dis­cre­pân­cia en­tre o que se pas­sa na Bai­xa e o res­to da ci­da­de, on­de exis­tem es­pa­ços que con­ti­nu­am pra­ti­ca­men­te à mar­gem des­te pro­ces­so”, acres­cen­ta.

Des­ta for­ma, qu­al­quer aná­li­se ao mer­ca­do da re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na no Por­to “tem, ne­ces­sa­ri­a­men­te, que re­co­nhe­cer o mo­men­to po­si­ti­vo que es­ta­mos a atra­ves­sar”, bem co­mo “os gran­des avan­ços nes­ta ma­té­ria mas, de igual mo­do, iden­ti­fi­car o gran­de de­sa­fio que te­mos pe­la fren­te, e que pas­sa pe­la sus­ten­ta­bi­li­da­de e pelo alar­ga­men­to des­te pro­ces­so” a to­da a ma­lha ur­ba­na do Gran­de Por­to.

Mer­ca­do de 24 mil mi­lhões

A ní­vel na­ci­o­nal, exis­te mais de um mi­lhão de fo­gos a ne­ces­si­tar de in­ter­ven­ção. As es­ti­ma­ti­vas da as­so­ci­a­ção apon­tam pa­ra um mer­ca­do que as­cen­de a cer­ca de 24 mil mi­lhões de eu­ros, con­si­de­ran­do ape­nas “as ne­ces­si­da­des mais re­le­van­tes do par­que ha­bi­ta­ci­o­nal na­ci­o­nal”. No Gran­de Por­to, “são mais de 90 mil imó­veis e 2,8 mil mi­lhões de eu­ros”.

Tra­ta-se de “um do­mí­nio es­tra­té­gi­co tem de ser pla­ne­a­do pa­ra os pró­xi­mos 20 anos”. Aliás, con­si­de­ra, “bas­ta olhar pa­ra a res­tan­te Eu­ro­pa e per­ce­be­mos que, mes­mo em ci­da­des que apre­sen­tam ín­di­ces de con­ser­va­ção do seu edi­fi­ca­do que são mui­to bons, a re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na faz par­te do quo­ti­di­a­no des­tes es­pa­ços”.

É as­sim “ne­ces­sá­rio um per­ma­nen­te ajus­ta­men­to da ma­lha ur­ba­na às re­a­li­da­des eco­nó­mi­cas e so­ci­ais e, por is­so, ha­ve­rá sem­pre imó­veis pa­ra re­a­bi­li­tar”, con­clui Reis Cam­pos. Pa­ra que as­sim se­ja, “exi­gem-se ins- tru­men­tos que per­mi­tam ala­van­car o in­ves­ti­men­to pri­va­do, co­mo é o ca­so do fi­nan­ci­a­men­to e dos in­cen­ti­vos de na­tu­re­za fis­cal”, as­si­na­la.

Tu­ris­mo ou ar­ren­da­men­to?

Num mo­men­to em que a re­a­li­da­de da re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na as­sen­ta em dois pi­la­res co­mo o tu­ris­mo e o mer­ca­do de ar­ren­da­men­to, Reis Cam­pos re­cu­sa que se­jam mer­ca­dos “an­ta­gó­ni­cos”. Mas são “cla­ra­men­te dis­tin­tos”. Na sua lei­tu­ra, “em de­ter­mi­na­das áre­as ur­ba­nas ha­ve­rá sem­pre uma pro­pen­são na­tu­ral pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to de ati­vi­da­des as­so­ci­a­das ao tu­ris­mo”. Sem “pre­juí­zo da ne­ces­si­da­de de re­gu­lar e equi­li­brar as di­fe­ren­tes va­lên­ci­as que cons­ti­tu­em uma ci­da­de, é ex- pec­tá­vel que fe­nó­me­nos re­cen­tes co­mo o alo­ja­men­to lo­cal con­ti­nu­em a cres­cer”.

Por ou­tro la­do, “pre­ci­sa­mos de cri­ar um ver­da­dei­ro mer­ca­do do ar­ren­da­men­to que, em boa ver­da­de, ain­da não exis­te em Por­tu­gal”. Os “cons­tran­gi­men­tos que se têm vin­do a evi­den­ci­ar” re­sul­tam, re­fe­re, de “um cres­ci­men­to do alo­ja­men­to lo­cal em áre­as que, até há bem pou­co tem­po atrás, es­ta­vam pra­ti­ca­men­te aban­do­na­das”.

A con­cen­tra­ção do nú­me­ro de fo­gos de alo­ja­men­to lo­cal no Al­gar­ve (44,7%), em Lis­boa (18,7%) e no Por­to (7,4%), ao mes­mo tem­po que, no res­to do país, o pe­so do AL no ar­ren­da­men­to “é de ape­nas 2%”, afir­ma a ne­ces­si­da­de de “pro­mo­ver o ar­ren­da­men­to, con­cre­ti­zan­do me­di­das que ga­ran­tam a segurança e atra­ti­vi­da­de do mes­mo pa­ra os in­ves­ti­do­res”.

A AICCOPN de­fen­de “al­te­ra­ções na fis­ca­li­da­de dos ren­di­men­tos pre­di­ais e a im­ple­men­ta­ção de pro­gra­mas de fi­nan­ci­a­men­to de pro­pri­e­tá­ri­os que quei­ram re­cu­pe­rar ca­sas pa­ra es­te mer­ca­do. Se­gu­ra­men­te que não é cri­an­do en­tra­ves ao AL que se vai re­sol­ver o pro­ble­ma do ar­ren­da­men­to”, no­ta. Uma das ca­ra­te­rís­ti­cas mais mar­can­tes da re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na é o efei­to mul­ti­pli­ca­dor no em­pre­go e na ati­vi­da­de eco­nó­mi­ca, pois con­tem­pla “um con­jun­to de in­ter­ven­ções in­ten­si­vas em mão-de-obra e mui­to abran­gen­tes nas qua­li­fi­ca­ções e com­pe­tên­ci­as que são ne­ces­sá­ri­as”, re­fe­re o presidente da AICCOPN.

Há as­sim “uma en­vol­vên­cia mui­to gran­de de to­do o te­ci­do em­pre­sa­ri­al, in­de­pen­den­te­men­te da di­men­são e das es­pe­ci­a­li­da­des das em­pre­sas”. A as­so­ci­a­ção de­sen­vol­veu, com o apoio do Nor­te2020, o pro­je­to Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na In­te­li­gen­te e Sus­ten­tá­vel, com vis­ta a “qua­li­fi­car em­pre­sas que se apre­sen­tam no mer­ca­do com pa­drões de cum­pri­men­to de re­qui­si­tos le­gais e de com­pe­tên­ci­as que as dis­tin­guem de to­dos os que atu­am de for­ma ile­gal”. No pró­xi­mo dia 17 de ou­tu­bro a AICCOPN vai pro­mo­ver, na sua se­de, as Jor­na­das so­bre Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na In­te­li­gen­te e Sus­ten­tá­vel. A ini­ci­a­ti­va, que con­ta com o apoio do Nor­te 2020, con­ta­rá com a pre­sen­ça da Se­cre­tá­ria de Es­ta­do da Ha­bi­ta­ção, Ana Pi­nho, bem co­mo do presidente do IMPIC, Fer­nan­do Sil­va.

No en­con­tro, se­rão de­ba­ti­dos te­mas co­mo a qua­li­fi­ca­ção e com­pe­ti­ti­vi­da­de das em­pre­sas de re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na e se­rá apre­sen­ta­da a mar­ca R.U.I.S. Se­rão tam­bém da­dos a co­nhe­cer ca­sos de es­tu­do prá­ti­cos de cooperação en­tre as uni­ver­si­da­des e o mun­do em­pre­sa­ri­al no âm­bi­to des­te seg­men­to.

DR

A ní­vel na­ci­o­nal, exis­te mais de um mi­lhão de fo­gos a ne­ces­si­tar de in­ter­ven­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.