Ha­bi­ta­ção no­va em li­cen­ci­a­men­to cres­ce 63% des­de iní­cio de 2016

No úl­ti­mo ano e meio, en­tra­ram em pro­ces­so de li­cen­ci­a­men­to 14,2 mil pro­je­tos de cons­tru­ção no­va pa­ra ha­bi­ta­ção em Por­tu­gal, re­ve­la a Con­fi­den­ci­al Imo­bi­liá­rio

Publico - Imobiliario - - Oportunidades - Su­sa­na Cor­reia

De acor­do com es­ta en­ti­da­de, es­te nú­me­ro de pro­je­tos tra­duz um to­tal de 26,9 mil no­vos fo­gos e tem um pe­so de cer­ca de 82% do to­tal dos pro­je­tos ha­bi­ta­ci­o­nais que, en­tre o 1º tri­mes­tre de 2016 e o 2º tri­mes­tre de 2017, en­tra­ram em pro­ces­so de li­cen­ci­a­men­to em Por­tu­gal Con­ti­nen­tal. Es­tes nú­me­ros são apu­ra­dos a par­tir dos pré-cer­ti­fi­ca­dos ener­gé­ti­cos emi­ti­dos pe­la ADENE, os quais têm de, obri­ga­to­ri­a­men­te, in­te­grar os pro­ces­sos de li­cen­ci­a­men­to mu­ni­ci­pal de obras.

Nes­te úl­ti­mo ano e meio, o nú­me­ro de ca­sas em li­cen­ci­a­men­to qua­se du­pli­cou, pas­san­do de um vo­lu­me tri­mes­tral de 3,2 mil uni­da­des no 1º tri­mes­tre de 2016 pa­ra 6,1 mil uni­da­des no 2º tri­mes­tre de 2017, o que, se­gun­do a Con­fi­den­ci­al Imo­bi­liá­rio (Ci), “se­gue em li­nha com a cres­cen­te pro­cu­ra sen­ti­da des­de o úl­ti­mo tri­mes­tre de 2013”. Con­for­me ex­pli­ca Ri­car­do Gui­ma­rães, di­re­tor da Ci, a pro­pó­si­to dos re­sul­ta­dos de um no­vo ín­di­ce que acom­pa­nha a evo­lu­ção do lan­ça­men­to de no­va ofer­ta re­si­den­ci­al, “o mer­ca­do es­tá a res­pon­der à fal­ta de ofer­ta, lan­çan­do no­vas ope­ra­ções que se pers­pe­ti­va te­nham boa res­pos­ta do la­do da pro­cu­ra, o que con­tri­bui­rá pa­ra a es­ta­bi­li­za­ção dos pre­ços”. Es­te ín­di­ce mos­tra que as obras de ha­bi­ta­ção (in­cluin­do obra no­va e re­a­bi­li­ta­ção) em li­cen­ci­a­men­to cres­ce­ram cer­ca de 42% no 2º tri­mes­tre de 2017 (fa­ce ao 2º T 2016), de­ta­lhan­do ain­da que no seg­men­to da cons­tru­ção no­va, es­te au­men­to foi de 38,2%, re­fle­tin­do um rit­mo tri­mes­tral mé­dio de su­bi­da de 8,7% nos úl­ti­mos qua­tro tri­mes­tres. O in­di­ca­dor mos­tra ain­da que des­de me­a­dos de 2013 que o pi­pe­li­ne de pro­je­tos re­si­den­ci­ais es­tá a re­cu­pe­rar, após uma ten­dên­cia ge­ne­ra­li­za­da de que­da ini­ci­a­da em 2011, du­ran­te o qual as obras de cons­tru­ção no­va caí­ram pa­ra cer­ca de um ter­ço, ten­do já re­cu­pe­ra­do cer­ca de 140%.

Es­ta no­va di­nâ­mi­ca é con­fir­ma­da por quem atua no mer­ca­do, co­mo é o ca­so do Mil­len­nium bcp, que tem sen­ti­do “um cres­ci­men­to as­si­na­lá­vel na pro­cu­ra de lo­tes pa­ra cons­tru­ção”, re­fe­re ao Pú­bli­co Jo­sé Araú­jo, Di­re­tor da Di­re­ção de Ne­gó­cio Imo­bi­liá­rio do ban­co. No úl­ti­mo ano, “es­ta­mos a tran­sa­ci­o­nar três ve­zes mais que em anos an­te­ri­o­res en­tre lo­tes gran­des, mé­di­os e de au­to­cons­tru­ção”, su­bli­nha, ex­pli­can­do que tal se de­ve não só “à fal­ta de pro­du­to no­vo no mer­ca­do, mas tam­bém ao fac­to de o pro­du­to de re­a­bi­li­ta­ção es­tar já mui­to ba­ti­do e a pre­ços al­go ele­va­dos”. Além dis­so, o fac­to de a “Ban­ca ter vol­ta­do à pro­mo­ção imo­bi­liá­ria aju­da tam­bém à re­cu­pe­ra­ção des­te seg­men­to, que se de­se­ja con­fir­ma­da e re­for­ça­da em 2018”. De acor­do com Jo­sé Araú­jo, des­de há um ano e meio que es­ta pro­cu­ra por ter­re­nos nas gran­des ci­da­des es­tá a cres­cer, ex­pan­din­do-se atu­al­men­te tam­bém pa­ra “ou­tros lo­cais em re­dor des­tas ci­da­des, so­bre­tu­do em lo­tes pa­ra pe­que­nos pré­di­os de 2/3 pi­sos”. Por ou­tro la­do, tam­bém es­tá a cres­cer “em zo­nas me­nos cen­trais de Lis­boa e Por­to, pa­ra pro­je­tos de mai­or di­men­são on­de o in­ves­ti­men­to glo­bal é mai­or, mas o cus­to por m2 ain­da não su­biu tan­to”. Na sua pers­pe­ti­va, en­tre as zo­nas de mai­or po­ten­ci­al pa­ra a ven­da de ter­re­nos des­ta­cam-se Al­gés/Mi­ra­flo­res, Amadora e Lou­res na mar­gem Nor­te da Gran­de Lis­boa e Pal­me­la, Mon­ti­jo e Pi­nhal No­vo, na mar­gem Sul. No Gran­de Por­to, Gaia, Le­ça, Va­lon­go e Maia; e no Al­gar­ve, Fa­ro, Vi­la­mou­ra, La­gos e a zo­na dos Sal­ga­dos (Al­bu­fei­ra), “em re­to­ma cla­ra, com pou­ca ofer­ta, mas com lo­cais úni­cos com fren­te e mar mui­to in­te­res­san­tes”, diz Jo­sé Araú­jo.

Obra no­va do­mi­na cons­tru­ção em al­tu­ra

Os da­dos da Con­fi­den­ci­al Imo­bi­liá­rio mos­tram ain­da que a obra no­va é pre­do­mi­nan­te nos pro­je­tos re­si­den­ci­ais de cons­tru­ção em al­tu­ra (65% dos 1.500 edi­fí­ci­os de apar­ta­men­tos lan­ça­dos no úl­ti­mo ano e meio), os quais con­cen­tram cer­ca de 16,5 mil fo­gos, ou se­ja, qua­se me­ta­de do to­tal de uni­da­des que se en­con­tram em pro­ces­so de li­cen­ci­a­men­to.

Ou­tra das ten­dên­ci­as mar­can­tes no lan­ça­men­to de no­va ofer­ta de cons­tru­ção em al­tu­ra tem si­do o au­men­to da di­men­são mé­dia dos edi­fí­ci­os.

O vo­lu­me tri­mes­tral de fo­gos in­te­gra­dos nes­te ti­po de pro­je­to qua­se tri­pli­cou en­tre o 1º tri­mes­tre de 2016 e o 2º tri­mes­tre de 2017 (das 1,5 mil uni­da­des tri­mes­trais pa­ra as 4,3 mil uni­da­des), o que de­cor­re da mai­or apos­ta em edi­fí­ci­os de mé­dia e gran­de di­men­são (i.e., com 10 a 20 fo­gos e mais de 20 fo­gos, res­pe­ti­va­men­te). No pri­mei­ro ca­so, o acrés­ci­mo foi de 150% no úl­ti­mo ano e meio. Ain­da as­sim, mais de dois ter­ços dos edi­fí­ci­os de apar­ta­men­tos em li­cen­ci­a­men­to no país nes­te pe­río­do eram de pe­que­na di­men­são, ou se­ja, pos­suin­do até 10 fo­gos.

ISTOCK.COM/MR TWISTER

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.