Ter­re­nos da an­ti­ga Fá­bri­ca de Ce­râ­mi­ca das De­ve­sas no mer­ca­do por €2,6 mi­lhões

Publico - Imobiliario - - Oportunidades - Ana Ta­va­res

Os ter­re­nos da an­ti­ga Fá­bri­ca da Ce­râ­mi­ca das De­ve­sas, em lo­cal so­bran­cei­ro à zo­na das Ca­ves do Vi­nho do Por­to, em Gaia, es­tão à ven­da por €2,6 mi­lhões e, “nes­te mo­men­to, en­con­tram-se a ser es­tu­da­dos ao ní­vel do in­ves­ti­men­to eco­nó­mi­co­fi­nan­cei­ro por uma das em­pre­sas a quem apre­sen­tá­mos o pro­je­to”, re­fe­re Nu­no Mar­çal, Res­pon­sá­vel de Ven­das – Gran­des Imó­veis Nor­te do Mil­len­nium bcp, Ban­co que é pro­pri­e­tá­rio do ati­vo. De acor­do com es­te res­pon­sá­vel, os ter­re­nos “têm si­do apre­sen­ta­dos a di­ver­sos cons­tru­to­res e pro­mo­to­res da zo­na Nor­te e Cen­tro do país”, sen­do “ide­ais pa­ra um pro­mo­tor ou con­jun­to de pro­mo­to­res que quei­ram de­sen­vol­ver o pro­je­to de re­a­bi­li­ta­ção em con­jun­to com a cons­tru­ção dos edi­fí­ci­os mo­der­nos pre­vis­tos, per­mi­tin­do uma mis­tu­ra e in­te­ra­ção da ma­lha de cons­tru­ção nu­ma sim­bi­o­se eclé­ti­ca de per­fei­ta har­mo­nia en­tre o no­vo e o re­cu­pe­ra­do”. Nu­no Mar­çal con­si­de­ra que se tra­ta de uma opor­tu­ni­da­de “bas­tan­te in­te­res­san­te, pois es­ta­mos a fa­lar de um va­lor que in­clui ter­re­no já com pro­je­to in­cluí­do e apro­va­do. É um ex­ce­len­te ati­vo com um ex­ce­len­te va­lor”. “O ti­ming de ven­da es­tá re­la­ci­o­na­do com o mo­men­to de ar­ran­que de cons­tru­ções de mai­or en­ver­ga­du­ra, que cre­mos que pos­sa acon­te­cer nos pró­xi­mos me­ses, fa­ce à fal­ta de ofer­ta de imó­veis no­vos”, diz.

Com pro­je­to de ar­qui­te­tu­ra apro­va­do e pra­zo pa­ra a exe­cu­ção das obras até 03 de maio de 2020), os ter­re­nos das an­ti­gas ins­ta­la­ções da Fá­bri­ca de Ce­râ­mi­ca das De­ve­sas (com uma área to­tal de 13.500 m2) pre­ve­em o de­sen­vol­vi­men­to de um em­pre­en­di­men­to re­si­den­ci­al, que con­ju­ga cons­tru­ção no­va e a re­a­bi­li­ta­ção de edi­fi­ca­ções fa­bris exis­ten­tes, re­sul­tan­do na ofer­ta de 137 fo­gos. O ar­qui­te­to Jo­a­quim Mas­se­na as­si­na es­te pro­je­to, que con­tem­pla uma área de cons­tru­ção de 17.714 m2 aci­ma do so­lo, in­cluin­do um no­vo edi­fí­cio re­si­den­ci­al cons­truí­do de raiz que con­tem­pla ain­da 10 uni­da­des de co­mér­cio, to­ta­li­zan­do uma área de cons­tru­ção de cer­ca de 11.328 m2. Além dis­so, nas­ce­rá tam­bém ha­bi­ta­ção a par­tir da re­a­bi­li­ta­ção de se­te edi­fi­ca­ções exis­ten­tes no lo­cal, em­bo­ra uma de­las – cu­ja uti­li­za­ção foi ou­tro­ra a de um forno da Fá­bri­ca - pos­sa ser cedida ao mu­ni­cí­pio. To­dos os edi­fí­ci­os re­si­den­ci­ais de­sen­vol­vem-se em tor­no de um “gran­de pá­tio ou jar­dim in­dus­tri­al” que ocu­pa­rá cer­ca de me­ta­de da área do lo­te. “É um es­pa­ço pol­vi­lha­do por ves­tí­gi­os ar­que­o­ló­gi­cos re­ti­ra­dos da an­ti­ga Fá­bri­ca, per­mi­tin­do for­mar uma área lú­di­ca, cul­tu­ral e de vi­vên­cia pa­ra os seus mo­ra­do­res, mas po­den­do tam­bém in­clu­si­va­men­te atrair even­tos ex­ter­nos que eno­bre­çam o es­pa­ço e se­jam uma mais va­lia pa­ra os seus pro­pri­e­tá­ri­os”, re­fe­re Nu­no Mar­çal. No ter­re­no, cu­ja for­ma se as­se­me­lha a um tri­ân­gu­lo, es­tão ain­da pre­vis­tos 7.537 m2 de cons­tru­ção abai­xo do so­lo, in­cluin­do zo­na de ar­ru­mos e par­que­a­men­to pa­ra 215 lu­ga­res.

“O ex­ce­len­te en­qua­dra­men­to pai­sa­gís­ti­co e ar­qui­te­tó­ni­co, con­se­gui­do atra­vés da re­qua­li­fi­ca­ção das edi­fi­ca­ções exis­ten­tes com a in­te­gra­ção das no­vas cons­tru­ções” é uma das mais va­li­as des­te pro­je­to, além do “pá­tio com di­men­sões mui­to ge­ne­ro­sas”. Nu­no Mar­çal acre­di­ta que o pro­je­to atrai­rá fa­mí­li­as quer “de­vi­do à di­nâ­mi­ca do es­pa­ço cons­ti­tuí­do - pe­la re­con­ver­são da fá­bri­ca e pe­las pe­ças in­dus­tri­ais que po­de­rão ser man­ti­das nos es­pa­ços co­muns – co­mo pe­la cal­ma e segurança que as uti­li­za­ções des­ses mes­mos es­pa­ços ga­ran­tem, já que são ao ar li­vre, mas es­tão in­te­gra­dos no in­te­ri­or do pro­je­to”. A sua localização, nu­ma zo­na cal­ma a ape­nas 250 me­tros da es­ta­ção de com­boi­os das De­ve­sas, a 900 me­tros do con­cei­tu­a­do ho­tel The Ye­at­man e a 1 km do cen­tro de Gaia, é tam­bém fa­tor dis­tin­ti­vo, as­sim co­mo a sua vi­si­bi­li­da­de. “As an­ti­gas ins­ta­la­ções da Fá­bri­ca são fa­cil­men­te iden­ti­fi­cá­veis pe­las al­tas pa­re­des em ti­jo­lo, pon­tu­a­dos por qua­dros de azu­le­jos que iden­ti­fi­cam de ime­di­a­to o lo­cal”, ter­mi­na Nu­no Mar­çal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.