Na­tu­re­za e tons de ter­ra di­tam ten­dên­ci­as do Ou­to­no

Co­nhe­ça as pro­pos­tas de de­co­ra­ção pa­ra a pró­xi­ma es­ta­ção pe­la ar­qui­te­ta Su­sa­na Aze­ve­do do SUCRRE Ate­li­er

Publico - Imobiliario - - Casa & Decoração -

Ape­sar dos úl­ti­mos di­as quen­tes, não se fi­ca in­di­fe­ren­te às fo­lhas das ár­vo­res sol­tas pelo chão a for­ma­rem um ta­pe­te de nu­an­ces em tons de ter­ra. O ape­lo ao con­for­to de am­bi­en­tes acon­che­gan­tes e cosy é ca­da vez mais in­ten­so. É pre­ci­sa­men­te na Na­tu­re­za e nos tons da ter­ra que as ten­dên­ci­as pa­ra es­ta es­ta­ção se fo­cam e se es­ten­dem pa­ra 2018.

Es­pa­ços sim­ples, com for­mas or­gâ­ni­cas e plan­tas, mui­tas plan­tas es­pa­lha­das por sa­las, quar­tos, co­zi­nhas, co­mo se a ab­sor­ver o jar­dim pa­ra o in­te­ri­or da ca­sa. Das que mais se des­ta­cam, a Pal­mei­ra Rá­fis e Su­cu­len­tas, es­tas úl­ti­mas plan­ta­das em va­sos de vi­dro ou ob­jec­tos vin­ta­ge com di­fe­ren­tes ta­ma­nhos e for­mas. Es­te é um dos must da es­ta­ção. Po­de tam­bém in­cluir o bam­bú, o bon­sai, orquí­de­as ou er­vas aro­má­ti­cas.

Tam­bém po­de con­fi­gu­rar uma ideia de jar­dins ver­ti­cais e fa­zer uma mon­ta­gem em pa­re­des ou no tec­to. O im­por­tan­te é ter al­gum cui­da­do na se­lec­ção de es­pé­ci­es que se ade­quam a es­pa­ços in­te­ri­o­res, es­pe­ci­fi­ca­men­te ao seu. Ain­da uma di­ca: quan­do co­lo­car as plan­tas no es­pa­ço, crie o seu can­ti­nho zen.

A acom­pa­nhar em for­te con­tras­te con­cei­tos mais pu­rís­tas e na­tu­ra­lis­tas, sur­ge o ve­lu­do a en­vol­ver al­mo­fa­das e so­fás, ca­be­çei­ras e ca­dei­ras, em tons su­a­ves co­mo os cin­zas e o ro­sa se­co. Nos te­ci­dos, abu­sam-se das man­tas de lã na­tu­ral acon­che­ga­das en­tre o so­fá e ces­tos de fi­bras na­tu­rais. Há to­da uma me­mó­ria re­vis­ta nos es­pa­ços ac­tu­ais e con­tem­po­râ­ne­os que per­mi­te os con­tras­tes do vin­ta­ge e pe­ças clás­si­cas sem­pre com por­me­no­res co­lo­ri­dos.

Nas co­res, as op­ções são am­plas e di­ver­sas, mas sem­pre em ma­ti­zes do­ces. Usar e abu­sar de vá­ri­as nu­an­çes de cin­za, en­vol­vi­dos com co­res mais quen­tes co­mo o Tawny Port, com ins­pi­ra­ção nos ocres ver­me­lhos das vin­di­mas e das fo­lhas de Ou­to­no. Ain­da nas ten­dên­ci­as di­ta­das pe­la se­ma­na da mo­da em No­va Ior­que sur­gem os la­ran­jas, com o Gre­na­di­ne e o Au­tumn Map­ple cru­za­das com o ro­sa se­co e o ro­sa ve­lho, o Bal­let Slip­per.

Os azuis são for­tes na pa­le­ta do pe­tró­leo, o Navy Pe­ony, as­sim co­mo os ver­des que se fi­xam no es­me­ral­da, Sha­ded Spru­ce. Mas nun­ca se es­que­ça. Tu­do sem­pre com mui­to equi­lí­brio e sem ex­ces­sos. A pe­dra már­mo­re re­cu­pe­ra des­ta­que e é apli­ca­da em tam­pos de me­sa, pa­re­des, mes­mo que em pa­pel ou ob­jec­tos.

Ou­tra pe­ça de ex­ce­lên­cia a usar com sa­be­do­ria são os es­pe­lhos, de pre­fe­rên­cia com mol­du­ras ex­pres­si­vas e mar­can­tes em ou­ro ve­lho ou ma­dei­ra tra­ba­lha­da.

Mas co­mo a Na­tu­re­za é a gran­de em­bai­xa­do­ra des­ta tem­po­ra­da, os por­me­no­res mais rús­ti­cos, co­mo um tam­po em ma­dei­ra tos­ca ou pe­ças de ar­te­sa­na­to em ar­gi­la ou ma­dei­ra, con­tras­tam em am­bi­en­tes mais es­ti­li­za­dos e so­fis­ti­ca­dos de ba­ses me­ta­li­za­das.

As pa­re­des são pre­en­chi­das com qua­dros, fo­to­gra­fi­as e me­mó­ri­as que po­dem ser ele­gan­te­men­te dis­tri­buí­das por pra­te­lei­ras ou es­tan­tes em ma­dei­ra.

As apos­tas nos es­tam­pa­dos ge­o­mé­tri­cos gran­des con­cen­tram-se em por­me­no­res nas al­mo­fa­das e em cor­ti­na­dos. Ou­tro por­me­nor que po­de subs­ti­tuir com fa­ci­li­da­de e a cus­tos re­du­zi­dos é a ca­be­çei­ra da ca­ma que se apre­sen­ta com uma es­ca­la im­po­nen­te e com im­pac­to vi­su­al, de pre­fe­rên­cia al­mo­fa­da­da.

O mo­bi­liá­rio com­bi­na pe­ças or­gâ­ni­cas, que li­ber­tam o es­pa­ço de con­ven­ções, e mó­veis de con­tex­to in­dus­tri­al, com a apli­ca­ção de me­tais ou a in­co­pro­ra­ção de fer­ra­gens pe­sa­das.

Pa­ra os mais ir­re­ve­ren­tes, lu­zes em néon. Se­ja em ci­ma da ca­be­çei­ra da ca­ma a di­zer Bom Dia, ou na sa­la de jan­tar a di­zer Bom Ape­ti­te. Es­ta brin­ca­dei­ra per­mi­te ilu­mi­nar, co­lo­rir e es­ti­li­zar qu­al­quer es­pa­ço. E te­nha sem­pre em aten­ção a ilu­mi­na­ção da ca­sa. Pro­cu­re ti­rar par­ti­do de to­da a ilu­mi­na­ção na­tu­ral que pu­der e dis­tri­bua os pon­tos de luz de for­ma har­mo­ni­o­sa pelo es­pa­ço, com in­ci­dên­cia em lu­mi­ná­ri­as de pé ou de me­sa.

Mas a me­lhor su­ges­tão des­ta tem­po­ra­da é o DIY! Cu­ri­o­so? Do It You­self. Pas­so a tra­du­zir. Fa­ça vo­cê mes­mo. Pe­gue em pe­ças guar­da­das que já nem se lem­bra­va que ti­nha e re­ver­ta o seu uso. Um ma­lo­te em cou­ro que po­de ser ba­se de uma me­sa de ca­be­çei­ra. Uma má­qui­na fo­to­grá­fi­ca an­ti­ga na con­so­la da en­tra­da. A ba­se de uma má­qui­na de cos­tu­ra trans­for­ma-se em su­por­te de tam­po pa­ra uma se­cre­tá­ria. Prin­ci­pal­men­te ten­te sen­tir-se bem e con­for­tá­vel. Se pre­ci­sar de apoio pro­cu­re um es­pe­ci­a­lis­ta.

FO­TOS: DR

Pro­cu­re ti­rar par­ti­do de to­da a ilu­mi­na­ção na­tu­ral que pu­der

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.