Jar­dins de Inverno – a na­tu­re­za den­tro de ca­sa

Com a che­ga­da do tem­po mais frio, cri­ar e man­ter um jar­dim de Inverno po­de ser uma das ati­vi­da­des mais re­com­pen­sa­do­ras da tem­po­ra­da

Publico - Imobiliario - - Casa & Decoração -

É cres­cen­te a ten­dên­cia de tra­zer o jar­dim pa­ra o in­te­ri­or das ca­sas e apar­ta­men­tos. A área dis­po­ní­vel pa­ra ajar­di­na­men­to é ca­da vez me­nor, pelo que cri­ar es­pa­ços ver­des no in­te­ri­or das ha­bi­ta­ções é uma for­ma de ga­nhar luz e ven­ti­la­ção na­tu­ral pa­ra to­dos os am­bi­en­tes. Ter plan­tas e flo­res den­tro de ca­sa con­tri­bui pa­ra am­bi­en­tes mais re­la­xan­tes e re­con­for­tan­tes.

Ou­tro mo­ti­vo que po­de le­var pe­la op­ção de cri­ar um jar­dim de inverno é a me­lho­ria da pai­sa­gem no in­te­ri­or da ca­sa, ao cri­ar um jar­dim pri­va­ti­vo que ofe­re­ça mais segurança e in­ti­mi­da­de. A con­ju­ga­ção do jar­dim com os di­fe­ren­tes ma­te­ri­ais da ha­bi­ta­ção é tam­bém um ele­men­to cen­tral na de­fi­ni­ção das es­pé­ci­es a in­tro­du­zir.

O jar­dim in­te­ri­or po­de ser de­se­nha­do em di­fe­ren­tes mo­da­li­da­des, com uma mul­ti­pli­ci­da­de de es­pé­ci­es e co­lo­ca­do em qu­al­quer di­vi­são da re­si­dên­cia. No en­tan­to, o mais co­mum é lo­ca­li­za­do pró­xi­mo da sa­la. Os jar­dins de inverno sem te­to ou com um te­to de vi­dro são uma op­ção pa­ra que as plan­tas re­ce­bam ilu­mi­na­ção ar­ti­fi­ci­al e se­jam man­ti­das sau­dá­veis de for­ma na­tu­ral.

A es­co­lha das plan­tas de­ve in­cluir as es­pé­ci­es que me­lhor se adap­tam aos am­bi­en­tes in­ter­nos, acau­te­lan­do as de­vi­das ne­ces­si­da­des de luz e som­bra. Pa­ra ca­da ti­po de plan­ta, é ne­ces­sá­rio uma ma­nu­ten­ção di­fe­ren­ci­a­da, des­de lo­go a quan­ti­da­de de água ao re­gar, adu­ba­ção de acor­do com as ne­ces­si­da­des de ca­da plan­ta, re­ti­rar fo­lhas mor­tas e apli­car fun­gi­ci­das quan­do ne­ces­sá­rio.

Mas nem to­dos os jar­dins in­te­ri­o­res pre­ci­sam ne­ces­sa­ri­a­men­te de ter plan­tas: po­de ser pen­sa­do um jar­dim se­co com pe­dras ou areia. Es­tes jar­dins po­dem mes­mo al­ber­gar mó­veis, co­mo me­si­nhas, al­mo­fa­das, ca­dei­ras ou até so­fás. Im­por­tan­te mes­mo é equi­li­brar o es­ti­lo do am­bi­en­te e uti­li­zar mó­veis que pos­sam re­ce­ber luz so­lar cons­tan­te.

Plan­tas pa­ra jar­dim de Inverno

Ao es­co­lher as plan­tas pa­ra o jar­dim, é in­dis­pen­sá­vel con­sul­tar as ne­ces­si­da­des de ma­nu­ten­ção de ca­da es­pé­cie, co­mo o grau de in­so­la­ção ou som­bra, a frequên­cia de re­ga, quan­do e co­mo adu­bar, op­tar por pro­du­tos fi­to­far­ma­cêu­ti­cos ou na­tu­rais pa­ra man­ter a plan­ta nu­tri­da e evi­tar pra­gas.

Ob­ser­ve se as plan­tas são pe­re­nes, ou se­ja, pre­ser­vam as su­as fo­lhas du- ran­te to­das as es­ta­ções do ano, ou se são ca­du­ci­fó­li­os, di­tas ca­du­cas, que per­dem as su­as fo­lhas em de­ter­mi­na­das es­ta­ções. Tam­bém com as flo­res se­rá ne­ces­sá­rio ver qual o pe­río­do de flo­ra­ção, pois é pos­sí­vel com­bi­nar di­fe­ren­tes es­pé­ci­es de plan­tas e flo­res pa­ra man­ter o jar­dim flo­ri­do, co­lo­ri­do e vi­ço­so.

En­tre al­gu­mas das plan­tas mais adap­ta­das ao nos­so ca­len­dá­rio con­tam-se a ca­lên­du­la. As su­as flo­res têm uma co­lo­ra­ção ama­re­la ou la­ran­ja e são mui­to pa­re­ci­das com as mar­ga­ri­das, mas têm mais pé­ta­las. Es­ta flor de­ve ser plan­ta­da num lo­cal que apre­sen­te uma boa ex­po­si­ção so­lar e a sua ter­ra de cul­ti­vo de­ve es­tar cor­re­ta­men­te fer­ti­li­za­da.

Ou­tra op­ção in­te­res­san­te po­de ser a mar­ga­ri­da in­gle­sa, re­co­nhe­ci­da pe­las su­as pro­pri­e­da­des me­di­ci­nais e or­na­men­tais. Es­ta tem fo­lhas ver­des, car­nu­das, com mar­gens ser­ra­das e dis­pos­tas em ro­se­ta ba­sal. Es­ta plan­ta de­ve ser cul­ti­va­da sob ple­no sol ou em lo­cais com som­bra par­ci­al, num so­lo fér­til, bem dre­na­do e en­ri­que­ci­do com ma­té­ria or­gâ­ni­ca.

O he­lé­bo­ro per­ten­ce a um gé­ne­ro bo­tâ­ni­co que con­tém mais de 20 es­pé­ci­es de plan­tas, de gran­de va­lor or­na­men­tal. Es­ta ne­ces­si­ta de fi­car num lo­cal com som­bra e de ter um so­lo hú­mi­do, bem dre­na­do e fér­til.

E por que não uma cou­ve or­na­men­tal? Tra­ta-se de uma plan­ta com um ci­clo de vi­da bi­e­nal, pe­re­ne de cau­le cur­to, com fo­lhas dis­pos­tas em ro­se­ta e apre­sen­ta um por­te bai­xo (cer­ca de 20 a 30 cen­tí­me­tros de al­tu­ra). As fo­lhas são gran­des, ar­re­don­da­das, fran­ja­das e têm mar­gens ás­pe­ras, sen­do que as ex­te­ri­o­res são de cor ver­de-azu­la­da e as do cen­tro po­dem ser bran­cas, ro­sas ou ro­xas. De­ve ser cul­ti­va­da sob ple­no sol ou meia som­bra, num so­lo bem dre­na­do e ri­co em ma­té­ria or­gâ­ni­ca. Tam­bém pre­ci­sa de ser ir­ri­ga­da com re­gu­la­ri­da­de e des­ta­ca-se das de­mais por ser mui­to re­sis­ten­te às ge­a­das que se fa­zem sen­tir du­ran­te a es­ta­ção do inverno.

O jas­mim de inverno é tam­bém uma plan­ta pe­re­ne, de tex­tu­ra se­miher­bá­cea, bas­tan­te ra­mi­fi­ca­da e de cres­ci­men­to rá­pi­do. Sen­do uma tre­pa­dei­ra, é in­di­ca­da pa­ra co­brir ca­ra- man­chões, co­lu­nas, pór­ti­cos, mu­ros, tre­li­ças e gra­des e de­ve ser co­lo­ca­da em lo­cais on­de a sua fra­grân­cia se­ja apro­vei­ta­da ao má­xi­mo.

O amor-per­fei­to dos jar­dins é uma her­bá­cea pe­re­ne, que apre­sen­ta uma enor­me va­ri­e­da­de de co­res, co­mo o ama­re­lo, azul, ro­xo, bran­co, ro­sa e o cas­ta­nho. Es­ta ca­re­ce de gran­de ex­po­si­ção so­lar, em so­lo bem fer­ti­li­za­do e ir­ri­ga­do.

FO­TOS: DR

A es­co­lha das plan­tas de­ve in­cluir as es­pé­ci­es que me­lhor se adap­tam aos am­bi­en­tes in­ter­nos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.