Tra­ta­men­to de ma­dei­ras de ex­te­ri­or – con­se­lhos prá­ti­cos

A pre­pa­ra­ção e tra­ta­men­to de ma­dei­ras de ex­te­ri­or de­vem ser fei­tos an­tes que che­gue o Inverno. Co­nhe­ça al­gu­mas di­cas pa­ra man­ter o ex­te­ri­or pron­to pa­ra o pró­xi­mo ano

Publico - Imobiliario - - Casa & Decoração -

Pre­ser­var e man­ter as ma­dei­ras ex­te­ri­o­res, pre­pa­ran­do- as pa­ra as con­di­ções agres­tes do Inverno e ga­ran­tir a sua du­ra­bi­li­da­de, são um de­sa­fio que se co­lo­ca ca­da ano. Exis­tem vá­ri­as for­mas de o fa­zer, bem co­mo uma mul­ti­pli­ci­da­de de pro­du­tos ade­qua­dos.

A ma­dei­ra é ata­ca­da por rai­os so­la­res, chu­va, in­se­tos e mi­cro- or­ga­nis­mos que po­dem, em ca­sos ex­tre­mos, des­truí-la. A pro­te­ção des­sas agres­sões vi­sa man­ter as pro­pri­e­da­des me­câ­ni­cas da ma­dei­ra, ao mes­mo tem­po que a em­be­le­zam, fa­zen­do re­al­çar os vei­os e a cor.

É es­sen­ci­al ter em aten­ção que as ma­dei­ras exó­ti­cas con­têm subs­tân­ci­as que, por ve­zes, atra­sam a se­ca­gem dos ver­ni­zes sin­té­ti­cos, o mes­mo não acon­te­cen­do com os ver­ni­zes aquo­sos. As ma­dei­ras re­si­no­sas no­vas, co­mo, por exem­plo, o pi­nho, de­vem ser en­ver­ni­za­das com ver­ni­zes aquo­sos pois es­tes são me­nos pro­ble­má­ti­cos com es­te ti­po de ma­dei­ras. Pa­ra ga­ran­tir o su­ces­so de um en­ver­ni­za­men­to é mui­to im­por­tan­te pre­pa­rar cui­da­do­sa e con­ve­ni­en­te­men­te a su­per­fí­cie, ten­do em con­ta os di­fe­ren­tes ti­pos de su­por­te e o seu es­ta­do, e es­co­lher o ver­niz ade­qua­do pa­ra o fim em vis­ta.

Pla­ne­a­men­to

O pla­ne­a­men­to dos tra­ba­lhos de­ve co­me­çar sem­pre pe­la pre­pa­ra­ção de su­per­fí­ci­es. No ca­so de ma­dei­ras no­vas, es­tas não de­vem fi­car por en­ver­ni­zar du­ran­te mui­to tem­po, ca­so con­trá­rio a hu­mi­da­de co­me­ça­rá a pe­ne­trar na ma­dei­ra pre­ju­di­can­do a ade­são do ver­niz.

No en­tan­to, con­vém ter em con­ta que exis­te al­gu­ma hu­mi­da­de re­si­du­al re­sul­tan­te do tra­ta­men­to a que as ma­dei­ras são nor­mal­men­te su­jei­tas, pelo que de­ve dei­xá-la re­pou­sar ao ar du­ran­te cer­ca de du­as se­ma­nas, pa­ra que se pos­sa am­bi­en­tar. An­tes de en­ver­ni­zar, li­xe com uma li­xa de grão mé­dio no sen­ti­do dos vei­os. Ar­re­don­de as ares­tas e as­se­gu­re- se de que a ma­dei­ra a en­ver­ni­zar se en­con­tra se­ca e isen­ta de po­ei­ras, gor­du­ras e ou­tros con­ta­mi­nan­tes.

Pa­ra re­en­ver­ni­za­men­tos, ras­pe to­do o ver­niz mal ade­ren­te, bem co­mo ca­ma­das de ma­dei­ra que es­te­jam des­gas­ta­das por ação do uso e dos agen­tes me­te­o­ro­ló­gi­cos. An­tes de en­ver­ni­zar, li­xe com uma li­xa de grão mé­dio no sen­ti­do do veio da ma­dei­ra.

Ver­ni­zes ou la­su­res?

Exis­tem di­fe­ren­ças en­tre ver­ni­zes e la­su­res, que en­vol­vem a es­pes­su­ra, du­ra­bi­li­da­de e fa­ci­li­da­de de ma­nu­ten­ção. Em­bo­ra os ver­ni­zes te­nham uma mai­or du­ra­bi­li­da­de e re­sis­tên­cia, de­vi­do a uma mai­or es­pes­su­ra por de­mão, os la­su­res con­fe­rem à ma­dei­ra um as­pe­to mais na­tu­ral e tan­to a sua apli­ca­ção co­mo ma­nu­ten­ção são mais fá­ceis, pelo que qu­al­quer pes­soa po­de pro­ce­der a re­no­va­ções.

Em to­do o ca­so, de­ve ter em con­ta que, por um la­do, os pro­du­tos aquo­sos são me­nos sen­sí­veis às re­si­nas e ou­tras subs­tân­ci­as li­ber­ta­das por cer­tas ma­dei­ras. Por ou­tro, os pro­du­tos à ba­se de sol­ven­tes têm uma mai­or ca­pa­ci­da­de de pe­ne­trar na ma­dei­ra, o que os tor­na mais in­di­ca­dos pa­ra ma­dei­ras den­sas e pou­co po­ro­sas, mas não re­si­no­sas, uma vez que os ver­ni­zes sol­ven­tes são mais sen­sí­veis às re­si­nas das ma­dei­ras.

No ca­so de ma­dei­ras den­sas, de po­ro fe­cha­do e com com­pos­tos ole­o­sos - ta­cu­la, câm­ba­la es­cu­ra, ipê e te­ca, só de­ve apli­car óleo de te­ca que, da­da a sua na­tu­re­za gor­du­ro­sa, re­co­men­da-se es­sen­ci­al­men­te pa­ra ex­te­ri­or.

Os ini­mi­gos da ma­dei­ra

Pa­ra su­por­ta­rem as agres­sões a que as ma­dei­ras es­tão ex­pos­tas, es­tas de­vem ser pro­te­gi­das. A ma­dei­ra tem di­ver­sos ini­mi­gos, co­mo a hu­mi­da­de, o sol ou bo­lo­res e fun­gos. No ca­so da hu­mi­da­de, se a ma­dei­ra não es­ti­ver pro­te­gi­da, po­de ab­sor­ver gran­des quan­ti­da­des de água, cor­ren­do o ris­co de de­sen­vol­ver bo­lo­res e fun­gos e mes­mo apo­dre­cer. Nes­tes ca­sos, po­de-se pro­te­ger a ma­dei­ra com um imu­ni­zan­te e aca­bar a pro­te­ção com um ver­niz ou es­mal­te.

Pa­ra o sol, o ide­al se­rá uti­li­zar pro­du­tos es­cu­ros, que me­lhor pro­te­gem es­te ma­te­ri­al con­tra as in­fluên­ci­as at­mos­fé­ri­cas. Quan­do a ma­dei­ra aque­ce, po­de­rá le­var ao sur­gi­men­to de ten­sões e fis­su­ras. As­sim, o ide­al é apli­car um pro­du­to de cor mé­dia mas es­cu­ra o su­fi­cen­te pa­ra li­mi­tar os efei­tos dos rai­os ul­ra­vi­o­le­ta.

No ca­so dos bo­lo­res e fun­gos, é acon­se­lhá­vel tra­tar as es­pé­ci­es me­nos re­sis­ten­tes, co­mo a faia, ou mais ma­ci­as, co­mo o abe­to e o pi­nho. Pa­ra ma­dei­ras mais du­ras, co­mo o carvalho ou cas­ta­nho, ou exó­ti­cas, o tra­ta­men­to re­co­men­dá­vel pas­sa pe­la apli­ca­ção de um pro­du­to de pro­te­ção que con­te­nha fun­gi­ci­das.

FO­TOS: DR

A ma­dei­ra tem di­ver­sos ini­mi­gos, co­mo a hu­mi­da­de, o sol ou bo­lo­res e fun­gos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.