In­ves­ti­men­to pri­va­do, es­que­ci­do pelo OE

Publico - Imobiliario - - Opinião - Reis Cam­pos

Na pas­sa­da sex­ta-fei­ra, o Go­ver­no apre­sen­tou a Pro­pos­ta para Orçamento. Vá­ri­os as­pe­tos po­de­ri­am ser des­ta­ca­dos, mas op­to por cen­trar a aten­ção num do­mí­nio que, sen­do es­sen­ci­al para o fu­tu­ro do País, ainda não en­con­tra nes­te do­cu­men­to a aten­ção que lhe é de­vi­da. Com efei­to, ape­sar do re­co­nhe­ci­men­to da re­le­vân­cia do in­ves­ti­men­to pri­va­do, não é iden­ti­fi­ca­da qual­quer me­di­da ori­en­ta­da es­pe­ci­fi­ca­men­te para es­te do­mí­nio.

Não é ne­ces­sá­rio ser um es­pe­ci­a­lis­ta em ma­cro­e­co­no­mia para per­ce­ber que, o cres­ci­men­to de 2,2% do PIB apon­ta­do para 2018 é su­por­ta­do pe­la ex­pe­ta­ti­va que o in­ves­ti­men­to pos­sa cres­cer 5,6%, após uma va­ri­a­ção de 7,7% em 2017. E, ape­sar da Pro­pos­ta de OE apre­sen­tar uma do­ta­ção para o in­ves­ti­men­to pú­bli­co que é bas­tan­te su­pe­ri­or aos va­lo­res ini­ci­al­men­te apon­ta­dos, é atra­vés da cap­ta­ção do in­ves­ti­men­to pri­va­do, na­ci­o­nal e es­tran­gei­ro que se po­de en­con­trar a resposta para a ma­nu­ten­ção do bom de­sem­pe­nho eco­nó­mi­co a que te­mos as­sis­ti­do.

Há me­di­das que são im­pe­ri­o­sas e que têm de ser ob­je­to de aten­ção por par­te do Go­ver­no. Pre­ci­sa­mos de recuperar a po­si­ção ci­mei­ra de Por­tu­gal em ma­té­ria de atração de in­ves­ti­men­to es­tran­gei­ro por via de pro­gra­mas co­mo os Vis­tos Gold, que de­vem ser des­blo­que­a­dos e a e a com­pe­ti­ti­vi­da­de do Re­gi­me Fis­cal dos Residentes não Ha­bi­tu­ais, não po­de ser qu­es­ti­o­na­da. Mas tam­bém é pre­ci­so ter a co­ra­gem de as­su­mir uma nova atitude pe­ran­te a fiscalidade do Imo­bi­liá­rio. A tri­bu­ta­ção dos stocks de imó­veis detidos pelas em­pre­sas de cons­tru­ção, é uma in­jus­ti­ça que não en­con­tra pa­ra­le­lo em mais ne­nhum se­tor. E que é, ago­ra, du­pla­men­te agra­va­da pelo AIMI, o IMI para o Es­ta­do, que se so­ma ao IMI para as Au­tar­qui­as. Os in­ves­ti­do­res, que tan­ta fal­ta fa­zem para que o mer­ca­do da ha­bi­ta­ção pos­sa en­con­trar um equi­lí­brio sus­ten­tá­vel, não po­dem con­ti­nu­ar a ser pe­na­li­za­dos des­ta for­ma.

A di­na­mi­za­ção do Ar­ren­da­men­to é ou­tra área es­tru­tu­ral que não po­de ser ig­no­ra­da. Não se po­dem me­ter na ga­ve­ta os avan­ços do pas­sa­do re­cen­te, mo­vi­dos ape­nas pe­la in­ca­pa­ci­da­de de com­pre­en­der e re­gu­lar fe­nó­me­nos no­vos, mas muito es­pe­cí­fi­cos, co­mo é o ca­so do Alo­ja­men­to Lo­cal que, se não con­si­de­rar­mos Lisboa, Por­to e o Al­gar­ve, que con­cen­tram 69,6% do to­tal, re­pre­sen­ta 2% do mer­ca­do. O alar­ga­men­to da Re­a­bi­li­ta­ção à ge­ne­ra­li­da­de dos ter­ri­tó­ri­os do País e a me­lho­ria das con­di­ções de aces­so à Ha­bi­ta­ção, em especial por par­te dos mais jo­vens é uma pre­o­cu­pa­ção as­su­mi­da pelo Go­ver­no, mas que precisa de me­di­das efe­ti­vas.

Não com­pre­en­de­mos que a “Nova Ge­ra­ção de Políticas para a Ha­bi­ta­ção”, re­cen­te­men­te apre­sen­ta­das, não se­jam es­pe­lha­das no OE. Esta si­tu­a­ção é tão mais in­com­pre­en­sí­vel pelo fac­to de Por­tu­gal ter pas­sa­do dé­ca­das a as­sis­tir, in­có­lu­me, à de­gra­da­ção do seu pa­tri­mó­nio e à de­ser­ti­fi­ca­ção das ci­da­des. Bas­ta re­cu­ar um par de anos, para ve­ri­fi­car que “Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na” era um ter­mo ra­ra­men­te uti­li­za­do e, ape­sar de uma nova atitude e de um gran­de con­sen­so, es­ta­mos num País on­de há mais de 1 mi­lhão de fo­gos de­gra­da­dos, on­de a cap­ta­ção de in­ves­ti­men­to para os ter­ri­tó­ri­os de bai­xa den­si­da­de con­ti­nua a ser um de­sa­fio, on­de te­mos 1 ha­bi­ta­ção so­ci­al para ca­da 16 por­tu­gue­ses em ris­co de pobreza e 468 mil fa­mí­li­as a vi­ver em ca­sas so­bre­lo­ta­das.

Se o País atra­ves­sa um bom momento do pon­to de vis­ta eco­nó­mi­co, a pre­o­cu­pa­ção tem de ser a de ga­ran­tir in­fra­es­tru­tu­ras que as­se­gu­rem a mo­bi­li­da­de das pes­so­as e das mer­ca­do­ri­as, dan­do resposta às necessidades, a par da im­ple­men­ta­ção de me­di­das ca­pa­zes de re­for­çar a nos­sa com­pe­ti­ti­vi­da­de e atrair mais in­ves­ti­men­to. Ou se­ja, não po­de­mos re­pe­tir os er­ros do pas­sa­do e, uma vez mais, co­lo­car em cau­sa aqui­lo que nos tem dis­tin­gui­do pe­la po­si­ti­va, ig­no­ran­do o que é es­tru­tu­ral e que de­ve ser as­su­mi­do de for­ma pri­o­ri­tá­ria.

Presidente da CPCI – Con­fe­de­ra­ção Por­tu­gue­sa da Cons­tru­ção e do Imo­bi­liá­rio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.