In­ves­ti­men­to imo­bi­liá­rio em Por­tu­gal po­de ter ano re­cor­de

Sec­tor vi­veu me­lhor pri­mei­ro se­mes­tre des­de que há re­gis­to, as­si­na­la Luís Lima, presidente da As­so­ci­a­ção dos Pro­fis­si­o­nais e Em­pre­sas de Me­di­a­ção Imo­bi­liá­ria de Por­tu­gal (APEMIP) e do Con­se­lho Es­tra­té­gi­co do SIL En­tre­vis­ta

Publico - Imobiliario - - Salão Imobiliário De Lisboa -

ti­mos anos. men­to ur­ba­no, to­das elas in­su­fi­ci­en­tes para a sua di­na­mi­za­ção.

Tu­do is­to es­tá a cul­mi­nar ago­ra num pro­ble­ma ha­bi­ta­ci­o­nal, so­bre­tu­do nas prin­ci­pais ci­da­des, devido não só aos ele­va­dos va­lo­res das ren­das pra­ti­ca­das que são de­sa­de­qua­das à re­a­li­da­de das fa­mí­li­as por­tu­gue­sas, co­mo tam­bém pe­la au­sên­cia de ati­vos no ar­ren­da­men­to, não só pe­la des­con­fi­an­ça e in­se­gu­ran­ça que os proprietários sen­tem, por se sen­ti­rem des­pro­te­gi­dos, mas tam­bém pelas al­ter­na­ti­vas me­nos one­ro­sas e mais ren­tá­veis que sur­gi­ram no mer­ca­do com o bo­om tu­rís­ti­co que vi­ve­mos.

Sem dúvida que com no­vos fo­gos, mais cons­tru­ção com quo­tas obri­ga­tó­ri­os di­ri­gi­das para o mer­ca­do de ren­das aces­sí­veis (des­de que ha­ja, ob­vi­a­men­te, be­ne­fí­ci­os para os cons­tru­to­res/pro­mo­to­res) e com um pa­co­te de in­cen­ti­vos fis­cais, co­mo os que es­tão pre­vis­tos no OE 2018, ali­a­dos a me­ca­nis­mos de pro­te­ção dos proprietários (co­mo um se­gu­ro de ren­da) o mer­ca­do ga­nha­rá ou­tra pu­jan­ça e me­ca­nis­mo, fun­ci­o­nan­do co­mo uma al­ter­na­ti­va re­al para as fa­mí­li­as. O mer­ca­do de re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na é um mer­ca­do muito es­pe­cí­fi­co e ca­ro, que se re­a­li­za, re­gra ge­ral, nos centros his­tó­ri­cos das ci­da­des, on­de es­tão lo­ca­li­za­dos a gran­de mai­o­ria dos fo­gos a ne­ces­si­tar des­te ti­po de in­ter­ven­ção. Não sig­ni­fi­ca que não se re­a­bi­li­te para arrendar e que é uma boa oportunidade no mer­ca­do, mas esta ofer­ta não cor­res­pon­de às necessidades das mai­o­ri­as das fa­mí­li­as por­tu­gue­sas.

Ora, os centros são zo­nas muito ape­te­cí­veis, com mui­ta pro­cu­ra e com uma ofer­ta muito di­mi­nu­ta, o que faz com que os va­lo­res de mer­ca­do se­jam sem­pre mais ele­va­dos.

DR

Pre­ços das ren­das só se ade­qua­rão às necessidades das fa­mí­li­as quan­do os proprietários dei­xa­rem de ser pe­na­li­za­dos”, sus­ten­ta Luís Lima

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.