Uma opor­tu­ni­da­de per­di­da

Publico - Imobiliario - - Atualidade -

No mês pas­sa­do es­cre­ve­mos que o Or­ça­men­to pa­ra 2018 era pro­va­vel­men­te a úl­ti­ma opor­tu­ni­da­de pa­ra se con­se­guir sal­var o nos­so mer­ca­do de ar­ren­da­men­to, es­pe­ran­do-se por is­so que o go­ver­no aban­do­nas­se a sua ce­guei­ra ide­o­ló­gi­ca e cor­ri­gis­se os gra­ves da­nos que já cau­sou à habitação em Por­tu­gal. In­fe­liz­men­te, no en­tan­to, o Go­ver­no de­ci­diu não apro­vei­tar es­sa opor­tu­ni­da­de e per­sis­te nos mes­mos er­ros. Já se sa­be quem é que vai pa­gar es­ta fac­tu­ra. São os jo­vens, que con­ti­nu­a­rão a as­sis­tir a um mer­ca­do de ar­ren­da­men­to com­ple­ta­men­te blo­que­a­do, e com ren­das ele­va­dís­si­mas, in­ca­paz de dar res­pos­ta às su­as ne­ces­si­da­des de habitação, em con­sequên­cia de me­di­das sem qual­quer jus­ti­fi­ca­ção eco­nó­mi­ca, ba­se­a­das ape­nas no ódio ide­o­ló­gi­co à pro­pri­e­da­de.

A prin­ci­pal ra­zão pa­ra o dis­pa­rar das ren­das re­si­de no AIMI, um im­pos­to iní­quo lan­ça­do ape­nas so­bre os imó­veis pa­ra habitação, e que só tem ser­vi­do pa­ra ar­ra­sar a ofer­ta de habitação. Na ver­da­de, con­fron­ta­dos com es­te bru­tal im­pos­to, os pro­pri­e­tá­ri­os vi­ram-se obri­ga­dos a ele­var as ren­das nos seus imó­veis ha­bi­ta­ci­o­nais, e mui­tos de­les pre­fe­ri­ram mes­mo co­lo­car es­ses imó­veis à ven­da, o que ain­da mais re­du­ziu a ofer­ta de ar­ren­da­men­to. Re­si­dem nes­se im­pos­to, bem co­mo na pror­ro­ga­ção do con­ge­la­men­to das ren­das, as prin­ci­pais ra­zões pa­ra es­te blo­queio no mer­ca­do de ar­ren­da­men­to. Mas o go­ver­no con­ti­nua a in­sis­tir no AIMI, pre­ten­den­do ali­vi­ar a sua má cons­ci­ên­cia com a cri­a­ção de uma se­cre­ta­ria de Es­ta­do pa­ra a habitação. Mas até po­de­ria cri­ar dez se­cre­ta­ri­as de Es­ta­do pa­ra o sec­tor que, en­quan­to es­te im­pos­to exis­tir, não ha­ve­rá so­lu­ção pa­ra es­te mer­ca­do. Só que o Go­ver­no pre­fe­re se­guir os di­ta­mes da de­pu­ta­da Mor­tá­gua a re­sol­ver o pro­ble­ma da habitação em Por­tu­gal.

É as­sim que o or­ça­men­to de Es­ta­do se li­mi­ta a pro­por uma me­di­da sem qual­quer efi­cá­cia, que con­sis­te em isen­tar de IRS os se­nho­ri­os que acei­tem pra­ti­car ren­das aces­sí­veis, des­de que pre­vi­a­men­te acei­tem re-

O go­ver­no con­ti­nua a in­sis­tir no AIMI, pre­ten­den­do ali­vi­ar a sua má cons­ci­ên­cia com a cri­a­ção de uma se­cre­ta­ria de Es­ta­do pa­ra a habitação. Mas até po­de­ria cri­ar dez se­cre­ta­ri­as de Es­ta­do pa­ra o sec­tor que, en­quan­to es­te im­pos­to exis­tir, não ha­ve­rá so­lu­ção pa­ra es­te mer­ca­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.