IFRRU 2020 abre pri­mei­ras can­di­da­tu­ras

Se­gun­do Abel Mas­ca­re­nhas, pre­si­den­te da Co­mis­são Di­re­ti­va des­te ins­tru­men­to, se­rá po­ten­ci­a­do um in­ves­ti­men­to su­pe­ri­or a 2000 mi­lhões de eu­ros

Publico - Imobiliario - - Atualidade -

Na an­te­câ­ma­ra da aber­tu­ra do pra­zo de re­cep­ção das pri­mei­ras can­di­da­tu­ras, o IFRRU 2020 con­gre­ga já re­cur­sos pú­bli­cos que ala­van­cam os fun­dos eu­ro­peus – os pri­mei­ros fi­nan­ci­a­do­res – “em 14 ve­zes”. Se­gun­do Abel Mas­ca­re­nhas, pre­si­den­te da Co­mis­são Di­re­ti­va do Ins­tru­men­to Fi­nan­cei­ro Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na, o “pe­río­do de can­di­da­tu­ras vai abrir ain­da es­te mês de ou­tu­bro”, es­ti­man­do-se que, “no to­tal, po­ten­cie um in­ves­ti­men­to de mais de 2000 mi­lhões de eu­ros”.

Sen­do ca­da pro­jec­to li­mi­ta­do a 20 mi­lhões de eu­ros, ob­tém-se “uma di­ver­si­fi­ca­ção da car­tei­ra de in­ves­ti­men­tos” e es­pe­ra-se que “che­gue­mos a um mai­or nú­me­ro de pro­jec­tos”.O Pla­no Na­ci­o­nal de Re­for­mas es­ti­ma a in­ter­ven­ção em cer­ca de 1800 edi­fí­ci­os.

Tra­ta-se do ano de ar­ran­que do IFRRU 2020 no ter­re­no. Se­gun­do da­dos do INE, exis­tem cer­ca de um mi­lhão de edi­fí­ci­os com ne­ces­si­da­des de in­ter­ven­ção. No que se re­fe­re ao fi­nan­ci­a­men­to, “a ava­li­a­ção ex an­te re­a­li­za­da no âm­bi­to do Por­tu­gal 2020 iden­ti­fi­ca um ‘gap’ de fi­nan­ci­a­men­to pa­ra a re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na na or­dem dos 1250 a 1750 mi­lhões de eu­ros”, re­fe­re o mes­mo res­pon­sá­vel.

Nos ter­mos da le­gis­la­ção co­mu­ni­tá­ria apli­cá­vel, o in­ves­ti­men­to em re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na es­tá li­mi­ta­do a 20 mi­lhões de eu­ros e, na com­po­nen­te de efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca, a 10 mi­lhões. No en­tan­to, es­tes li­mi­tes “não im­pe­dem o fi­nan­ci­a­men­to de múl­ti­plos pro­je­tos do mes­mo pro­mo­tor que, iso­la­da­men­te, se­jam en­qua­drá­veis, mas cu­jo in­ves­ti­men­to agre­ga­do” su­pe­re os re­fe­ri­dos mon­tan­tes.

A vo­ca­ção do IFRRU 2020 é a re­a­bi­li­ta­ção in­te­gral dos edi­fí­ci­os e de zo­nas in­dus­tri­ais aban­do­na­das e, com­ple­men­tar­men­te, o au­men­to do de­sem­pe­nho ener­gé­ti­co des­ses edi­fí­ci­os. Sen­do a re­a­bi­li­ta­ção um ins­tru­men­to de re­vi­ta­li­za­ção do ter­ri­tó­rio, os em­prés­ti­mos IFRRU 2020 es­tão dis­po­ní­veis em to­das as re­giões do país, e não ape­nas aos cen­tros ur­ba­nos.

O IFRRU 2020 pre­ten­de che­gar a to­do o ti­po de be­ne­fi­ciá­ri­os, se­jam eles sin­gu­la­res ou co­le­ti­vas, pú­bli­cas ou pri­va­das. Pa­ra os pro­je­tos que não dis­po­nham de ga­ran­tia bas­tan­te, o IFRRU 2020 dis­po­ni­bi­li­za ain­da, al­ter­na­ti­va­men­te, uma ga­ran­tia atra­vés do Sis­te­ma Por­tu­guês de Ga­ran­tia Mú­tua.

Nes­te sen­ti­do, “atu­a­mos em to­do o país in­ci­din­do nas áre­as que os mu­ni­cí­pi­os es­co­lhe­ram co­mo pri­o­ri­tá­ri­as, as Áre­as de Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na (ARU), e não te­mos li­mi­ta­ções ao uso a con­fe­rir ao edi­fí­cio após a in­ter­ven­ção, o que é tam­bém uma no­vi­da­de em ter­mos de apli­ca­ção das do­ta­ções dos fun­dos eu­ro­peus que tra­di­ci­o­nal­men­te não atu­a­vam em edi­fí­ci­os des­ti­na­dos a habitação”.

Por ou­tro la­do, “es­te ins­tru­men­to de­ve ser vis­to em ar­ti­cu­la­ção com os de­mais apoi­os dis­po­ní­veis, em es­pe­ci­al os apoi­os não re­em­bol­sá­veis dis­po­ni­bi­li­za­dos pe­lo Por­tu­gal 2020”, apon­ta Abel Mas­ca­re­nhas.

Es­te é um ins­tru­men­to fi­nan­cei­ro igual­men­te vo­ca­ci­o­na­do pa­ra as co­mu­ni­da­des des­fa­vo­re­ci­das. “O IFRRU 2020 apoia os ti­tu­la­res das fra­ções pri­va­das in­se­ri­das em edi­fí­ci­os de habitação so­ci­al, que de ou­tro mo­do não po­de­ri­am ob­ter apoi­os pa­ra as in­ter­ven­ções nas su­as ha­bi­ta­ções”. Es­tes edi­fí­ci­os de­vem es­tar lo­ca­li­za­dos nos Pla­nos de Ação In­te­gra­dos pa­ra as Co­mu­ni­da­des Des­fa­vo­re­ci­das (PAICD) de­fi­ni­dos pe­los Mu­ni­cí­pi­os.

O IFRRU 2020 pre­ten­de che­gar a to­do o ti­po de be­ne­fi­ciá­ri­os

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.