No­vo ci­clo pa­ra obras pú­bli­cas exi­ge mais in­ves­ti­men­to e me­lhor re­gu­la­ção

Publico - Imobiliario - - Opinião - Reis Cam­pos

OBa­ró­me­tro das Obras Pú­bli­cas da AICCOPN, re­la­ti­vo ao ter­cei­ro tri­mes­tre do ano, re­ve­la uma efe­ti­va me­lho­ria con­jun­tu­ral nes­te mer­ca­do. Con­ti­nu­a­mos com va­lo­res his­to­ri­ca­men­te bai­xos e com um enor­me des­vio en­tre o vo­lu­me de obras que são le­va­das a con­cur­so e os cor­res­pon­den­tes con­tra­tos que são, efe­ti­va­men­te, ce­le­bra­dos, mas a re­cu­pe­ra­ção é no­tó­ria. Os con­cur­sos pro­mo­vi­dos cres­cem 96% e os con­tra­tos ce­le­bra­dos, 57%, em ter­mos ho­mó­lo­gos. Tra­tou-se mes­mo do me­lhor tri­mes­tre dos úl­ti­mos vin­te e cin­co, ou se­ja, des­de ju­nho de 2011.

Es­te é, ver­da­dei­ra­men­te, o iní­cio de um no­vo ci­clo no mer­ca­do das Obras Pú­bli­cas. Mas não di­go is­to, ape­nas, pe­la evi­dên­cia es­ta­tís­ti­ca dos nú­me­ros que apre­sen­ta­mos. O in­ves­ti­men­to pú­bli­co es­tá a ní­veis de 1986, ou se­ja, de há três dé­ca­das atrás, pe­lo que a in­ver­são na con­tra­ta­ção era uma ine­vi­ta­bi­li­da­de. Há ou­tros fa­to­res, tão ou mais im­por­tan­tes que jus­ti­fi­cam es­te no­vo mo­men­to do Se­tor. Des­de lo­go, te­mos um ou­tro con­tex­to ao ní­vel das po­lí­ti­cas pú­bli­cas que de­ve­rão as­su­mir, ten­do co­mo pon­to de par­ti­da a dis­cus­são do Or­ça­men­to pa­ra 2018, uma im­por­tan­te vi­ra­gem na po­lí­ti­ca eco­nó­mi­ca e, so­bre­tu­do, na po­lí­ti­ca de in­ves­ti­men­to pú­bli­co, en­quan­to ala­van­ca im­pres­cin­dí­vel pa­ra o tão ne­ces­sá­rio in­ves­ti­men­to pri­va­do.

Por ou­tro la­do, pa­ra o bom fun­ci­o­na­men­to do mer­ca­do das obras pú­bli­cas exi­ge-se um qua­dro le­gal ajus­ta­do, si­tu­a­ção que é par­ti­cu­lar­men­te re­le­van­te quan­do es­ta­mos con­fron­ta­dos pe­ran­te uma al­te­ra­ção ao Có­di­go dos Con­tra­tos Pú­bli­cos, que irá en­trar em vi­gor o pró­xi­mo dia 1 de ja­nei­ro de 2018. Es­ta re­vi­são não foi tão pro­fun­da co­mo se exi­gia. Fo­ram aco­lhi­das al­gu­mas so­lu­ções que de­fen­de­mos, mas em mui­tos ca­sos, não foi im­pos- ta a sua obri­ga­to­ri­e­da­de. Fa­ce a es­ta si­tu­a­ção, o tra­ba­lho do Ins­ti­tu­to Re­gu­la­dor é fun­da­men­tal. De­ve­rá, en­quan­to en­ti­da­de re­gu­la­do­ra, ga­ran­tir a exis­tên­cia de nor­mas téc­ni­cas que ori­en­tem os do­nos de obra na cri­a­ção de cri­té­ri­os re­a­lis­tas e na de­fi­ni­ção de bo­as prá­ti­cas ajus­ta­das às ne­ces­si­da­des de to­dos os ope­ra­do­res eco­nó­mi­cos, pri­vi­le­gi­an­do a sã con­cor­rên­cia e pro­mo­ven­do a trans­pa­rên­cia.

O au­men­to do vo­lu­me dos con­cur­sos pú­bli­cos é ne­ces­sá­rio, mas não é su­fi­ci­en­te pa­ra pro­mo­ver a sus­ten­ta­bi­li­da­de do te­ci­do em­pre­sa­ri­al, a ga­ran­tia de qua­li­da­de e a se­gu­ran­ça nas obras pú­bli­cas. E, tam­bém não é com al­te­ra­ções le­gis­la­ti­vas que fi­cam aquém das ne­ces­si­da­des que se vão cri­ar as con­di­ções pa­ra a es­ta­bi­li­za­ção da ati­vi­da­de. Os mi­lha­res de em­pre­sas en­cer­ra­das e os pos­tos de tra­ba­lho des­truí­dos, são mui­to mais do que uma con­sequên­cia da­que­le que foi o pi­or pe­río­do de cri­se da his­tó­ria do se­tor. São a evi­dên­cia de uma res­pon­sa­bi­li­da­de co­le­ti­va que é a de to­mar me­di­das pa­ra que não se vol­tem a co­me­ter os er­ros do pas­sa­do.

Es­te é, por­tan­to, um mo­men­to de vi­ra­gem que tem de ser apro­vei­ta­do. A ca­pa­ci­da­de de atra­ção de mais in­ves­ti­men­to pri­va­do, pres­su­põe a exis­tên­cia de in­fra­es­tru­tu­ras ade­qua­das às ne­ces­si­da­des das po­pu­la­ções e do País, en­ca­ra­das nu­ma pers­pe­ti­va de cres­ci­men­to e co­e­são so­ci­al. O que pas­sa por me­lhor in­ves­ti­men­to pú­bli­co pe­la ne­ces­si­da­de de dar con­fi­an­ça aos in­ves­ti­do­res, ga­ran­tin­do-se a es­ta­bi­li­da­de nas de­ci­sões es­tra­té­gi­cas e ti­ran­do par­ti­do dos ins­tru­men­tos de fi­nan­ci­a­men­to co­mu­ni­tá­rio a que te­mos aces­so. O me­lhor tri­mes­tre dos úl­ti­mos vin­te e cin­co tem de ser mui­to mais do que um sim­ples re­gis­to es­ta­tís­ti­co.

Pre­si­den­te da CPCI – Con­fe­de­ra­ção Por­tu­gue­sa da Cons­tru­ção e do Imo­bi­liá­rio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.