Cons­tru­ção no­va do­mi­na li­cen­ci­a­men­tos de ha­bi­ta­ção

Publico - Imobiliario - - Atualidade -

Os pro­ces­sos de cons­tru­ção no­va pa­ra ha­bi­ta­ção do­mi­nam os pe­di­dos de li­cen­ci­a­men­to no úl­ti­mo ano e meio até ao se­gun­do tri­mes­tre de 2017. Se­gun­do da­dos da Con­fi­den­ci­al Imo­bi­liá­rio, 82% (14,2 mil pro­je­tos) dos 17,4 mil pro­je­tos de ha­bi­ta­ção em Por­tu­gal (Con­ti­nen­tal) res­pei­tam a cons­tru­ção no­va. Os res­tan­tes 3,2 mil pro­je­tos (com um pe­so de 18% no to­tal na­ci­o­nal) são re­la­ti­vos a obras de re­a­bi­li­ta­ção, se­gun­do a aná­li­se de pré-cer­ti­fi­ca­dos ener­gé­ti­cos emi­ti­dos pe­la ADENE, os quais têm de, obri­ga­to­ri­a­men­te, in­te­grar os pro­ces­sos de li­cen­ci­a­men­to mu­ni­ci­pal de obras.

Es­tes pro­je­tos em pi­pe­li­ne tra­du­zem um to­tal de 34,3 mil no­vos fo­gos, sen­do 26,9 mil in­te­gra­dos em cons­tru­ção no­va (cer­ca de 78%) e 3,4 mil em obras de re­a­bi­li­ta­ção (cer­ca de 22%). Em am­bos os ti­pos de obra, o rit­mo de lan­ça­men­to de no­vos fo­gos se­guiu uma tra­je­tó­ria as­cen­den­te nes­te pe­río­do. No ca­so da cons­tru­ção no­va qua­se du­pli­cou (cer­ca de 91%), pas­san­do de um rit­mo tri­mes­tral de 3,2 mil fo­gos no pri­mei­ro tri­mes­tre de 2016 pa­ra 6,1 mil no se­gun­do tri­mes­tre. Na re­a­bi­li­ta­ção, es­se cres­ci­men­to foi ain­da mais acen­tu­a­do (117%), de 743 fo­gos pa­ra 1,6 mil, res­pe­ti­va­men­te.

“Nes­te pe­río­do de um ano e meio, a cons­tru­ção no­va cres­ceu cer­ca de 63%, em li­nha com a cres­cen­te pro­cu­ra no mer­ca­do de com­pra e ven­da, que se sen­te já des­de o úl­ti­mo tri­mes­tre de 2013”. Ain­da as­sim, “a pro­cu­ra evo­luiu mui­to mais ra­pi­da­men­te que a pro­du­ção de no­vos fo­gos, pe­lo que, no atu­al mo­men­to, a gran­de fon­te de ten­são do mer­ca­do con­ti­nua a ser a fal­ta de ofer­ta”. Es­te cres­ci­men­to “com­pro­va que o mer­ca­do es­tá a res­pon­der, lan­çan­do no­vas ope­ra­ções, o que, a pra­zo, con­tri­bui­rá pa­ra a es­ta­bi­li­za­ção dos pre­ços. Os ín­di­ces de pre­ços Ci mos­tram que es­ta si­tu­a­ção de acrés­ci­mo de pro­cu­ra ali­a­do à ri­gi­dez da ofer­ta tem im­pul­si­o­na­do os pre­ços das ca­sas, que des­de fi­nais de 2013 até maio des­te ano já cres­ce­ram 14%”, re­fe­re Ri­car­do Gui­ma­rães, di­re­tor da Con­fi­den­ci­al Imo­bi­liá­rio.

Tam­bém no ca­so da re­a­bi­li­ta­ção, “o au­men­to se­gue em li­nha com a pro­cu­ra ca­da vez mais ele­va­da por imo­bi­liá­rio nos cen­tros his­tó­ri­cos de Lis­boa e Por­to, o que se tem re­fle­ti­do igual­men­te na su­bi­da de pre­ços”. Nos úl­ti­mos cin­co anos, “os pre­ços já su­bi­ram cer­ca de 88% na Bai­xa do Por­to e 56% no Cen­tro His­tó­ri­co de Lis­boa. As fre­gue­si­as que de­li­mi­tam es­tas zo­nas nas du­as ci­da­des são, sem es­tra­nhe­za, as que re­ce­be­ram mai­or in­ves­ti­men­to nes­te ti­po de pro­je­tos no úl­ti­mo ano e meio, con­cen­tran­do 46% dos fo­gos re­a­bi­li­ta­dos em li­cen­ci­a­men­to na ci­da­de de Lis­boa e 71% no ca­so do Por­to”, con­clui. As Jor­na­das so­bre Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na In­te­li­gen­te e Sus­ten­tá­vel fo­ram re­a­gen­da­das pa­ra o pró­xi­mo dia 3 de No­vem­bro na se­de da AICCOPN. A ini­ci­a­ti­va, que con­ta com o apoio do Nor­te 2020, con­ta­rá com a pre­sen­ça da Se­cre­tá­ria de Es­ta­do da Ha­bi­ta­ção, Ana Pi­nho, bem co­mo de Fer­nan­do Sil­va, pre­si­den­te do IMPIC.

No en­con­tro se­rão de­ba­ti­dos te­mas co­mo qua­li­fi­ca­ção e com­pe­ti­ti­vi­da­de das em­pre­sas de re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na, e se­rá apre­sen­ta­da a mar­ca R.U.-I.S. – Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na In­te­li­gen­te e Sus­ten­tá­vel. Se­rão tam­bém da­dos a co­nhe­cer ca­sos de es­tu­do prá­ti­cos das co­la­bo­ra­ções en­tre as uni­ver­si­da­des e o mun­do em­pre­sa­ri­al.

DR

Pro­je­tos em pi­pe­li­ne tra­du­zem um to­tal de 34,3 mil no­vos fo­gos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.