Pro­pos­ta de OE 2018 avan­ça com no­va po­lí­ti­ca de ha­bi­ta­ção

Publico - Imobiliario - - Atualidade - Fer­nan­da Cer­quei­ra

O Go­ver­no quer dar um no­vo im­pul­so ao mer­ca­do de ar­ren­da­men­to atra­vés da cri­a­ção de no­vas isen­ções, em se­de de im­pos­tos so­bre o pa­tri­mó­nio, de­sig­na­da­men­te, de Im­pos­to Mu­ni­ci­pal so­bre Imó­veis (IMI) e de Im­pos­to Mu­ni­ci­pal so­bre as Trans­mis­sões One­ro­sas (IMT) pa­ra os pro­pri­e­tá­ri­os que op­tem por co­lo­car os seus imó­veis re­a­bi­li­ta­dos no mer­ca­do de ar­ren­da­men­to pa­ra ha­bi­ta­ção per­ma­nen­te.

O Es­ta­tu­to dos Be­ne­fí­ci­os Fis­cais ( EBF) já con­tem­pla­va es­tas isen­ções, mas não com a for­mu­la­ção pre­vis­ta na pro­pos­ta de Lei do Or­ça­men­to do Es­ta­do de 2018 (pro­pos­ta LOE 2018). No que diz res­pei­to ao IMI, man­tem-se a isen­ção de três anos, a con­tar do ano, in­clu­si­ve, da con­clu­são das obras de re­a­bi­li­ta­ção, e abre-se a pos­si­bi­li­da­de do pro­pri­e­tá­rio re­que­rer a re­no­va­ção, por mais cin­co anos, nos ca­sos em que o imó­vel se­ja ha­bi­ta­ção pró­pria e per­ma­nen­te ou es­te­ja afe­to a ar­ren­da­men­to pa­ra ha­bi­ta­ção de lon­ga du­ra­ção.

No ca­so do IMT con­ti­nu­a­rá a ha­ver isen­ção des­te im­pos­to nas aqui­si­ções de pré­di­os ur­ba­nos des­ti­na­dos a re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­nís­ti­ca, quan­do as obras ini­ci­em no pra­zo de três anos a con­tar da da­ta de aqui­si­ção. A pro­pos­ta de LOE 2018 acres­cen­ta uma no­va isen­ção, na pri­mei­ra trans­mis­são, sub­se­quen­te à in­ter­ven­ção de re­a­bi­li­ta­ção, dos imó­veis des­ti­na­dos ao ar­ren­da­men­to pa­ra ha­bi­ta­ção per­ma­nen­te ou, quan­do lo­ca­li­za­do em área de re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na, afe­tos a ha­bi­ta­ção pró­pria e per­ma­nen­te.

Em to­dos os ca­sos ape­nas vão be­ne­fi­ci­ar des­tes in­cen­ti­vos os pré­di­os ur­ba­nos ou fra­ções au­tó­no­mas con­cluí­dos há mais de 30 anos ou lo­ca­li­za­dos em áre­as de re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na (ARU) que se­jam ob­je­to de in­ter­ven­ções de re­a­bi­li­ta­ção, das quais re­sul­te a me­lho­ria do es­ta­do de con­ser­va­ção em dois ní­veis aci­ma do an­te­ri­or­men­te atri­buí­do, al­can­çan­do, no mí­ni­mo, um ní­vel ‘ bom’ além do cum­pri­men­to dos re­qui­si­tos de efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca e de qua­li­da­de tér­mi­ca pre­vis­tos na lei.

Em se­de de Im­pos­to so­bre o Ren­di­men­to das Pes­so­as Sin­gu­la­res (IRS) o Go­ver­no pro­põe o di­fe­ri­men­to da tri­bu­ta­ção de mais-va­li­as do ga­nho, nos ca­sos em que os pro- pri­e­tá­ri­os co­lo­quem no mer­ca­do de ar­ren­da­men­to ha­bi­ta­ci­o­nal os imó­veis an­tes afe­tos a uma ati­vi­da­de em­pre­sa­ri­al. O di­fe­ri­men­to da tri­bu­ta­ção do ga­nho man­tém-se “en­quan­to o imó­vel man­ti­ver aque­la afe­ta­ção”, re­fe­re o tex­to da pro­pos­ta en­tre­gue ao Par­la­men­to.

Be­ne­fí­ci­os fis­cais pa­ra se­nho­ri­os

Pa­ra­le­la­men­te, a pro­pos­ta de LOE 2018 es­ta­be­le­ce a au­to­ri­za­ção le­gis­la­ti­va pa­ra cri­ar, no pra­zo de 90 di­as após a en­tra­da em vi­gor da Lei do Or­ça­men­to, “um be­ne­fí­cio fis­cal que per­mi­ta aos su­jei­tos pas­si­vos de IRS e de IRC, que adi­ram ao pro­gra­ma de ar­ren­da­men­to aces­sí­vel, be­ne­fi­ci­a­rem de isen­ção fis­cal re­la­ti­va­men­te aos ren­di­men­tos pre­di­ais de­cor­ren­tes do ar­ren­da­men­to de imó­veis ou fra­ções no âm­bi­to do re­fe­ri­do pro­gra­ma”.

Des­de o seu anún­cio a gran­de dú­vi­da tem pai­ra­do so­bre co­mo se­rá de­ter­mi­na­do o va­lor da ren­da e, ain­da que sem con­fir­ma­ção,

Ape­nas vão be­ne­fi­ci­ar des­tes in­cen­ti­vos os pré­di­os ur­ba­nos ou fra­ções au­tó­no­mas con­cluí­dos há mais de 30 anos ou lo­ca­li­za­dos em áre­as de re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na (ARU) que se­jam ob­je­to de in­ter­ven­ções de re­a­bi­li­ta­ção

tem si­do avan­ça­do que o Go­ver­no de­ve­rá ado­tar dois cri­té­ri­os. Por um la­do, uma re­du­ção de 20% em re­la­ção ao res­pe­ti­vo va­lor de mer­ca­do, ad­mi­tin­do, con­tu­do, que em al­gu­mas au­tar­qui­as, em que os pre­ços das ren­das sur­gem mais in­fla­ci­o­na­dos, pos­sam ser fi­xa­das re­du­ções mai­o­res por de­li­be­ra­ção ca­ma­rá­ria. Por ou­tro la­do, a fi­xa­ção do va­lor da ren­da as­sen­ta­rá no prin­cí­pio de que ca­da in­qui­li­no só de­ve pa­gar pe­la ren­da 30% do seu ren­di­men­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.