Pá­ra-ar­ran­ca

Publico - Imobiliario - - Opinião - Luís Li­ma

Des­de a cri­a­ção do Pro­gra­ma de Au­to­ri­za­ção de Re­si­dên­cia pa­ra Ati­vi­da­des de In­ves­ti­men­to – vul­gar­men­te co­nhe­ci­do co­mo “Vis­tos Gold” – em 2012, as au­to­ri­da­des por­tu­gue­sas atri­buí­ram 5243 vis­tos (até ju­lho do cor­ren­te ano), que se tra­du­ziu num re­tor­no que su­pe­ra os 3.2 mil mi­lhões de­les, dos quais quase 3 mil mi­lhões cor­res­pon­dem a in­ves­ti­men­to fei­to no se­tor imo­bi­liá­rio.

Nun­ca é de­mais re­cor­dar a im­por­tân­cia que este pro­gra­ma tem no pa­no­ra­ma eco­nó­mi­co na­ci­o­nal, não só pe­lo va­lor avul­ta­do de in­ves­ti­men­to que con­se­gue atrair, co­mo tam­bém pe­lo em­pre­go que ge­ra, co­mo po­de­mos con­fir­mar no imo­bi­liá­rio na­ci­o­nal, cu­ja di­na­mi­za­ção co­me­çou pe­lo in­cen­ti­vo fei­to pe­lo in­ves­ti­men­to ex­ter­no no sec­tor.

Ape­sar des­ta di­nâ­mi­ca, que se es­ten­de já ao mer­ca­do do­més­ti­co, a in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção con­ti­nua na mi­ra do mer­ca­do imo­bi­liá­rio por­tu­guês, que tem tra­ba­lha­do pa­ra pro­mo­ver o país além­fron­tei­ras, apos­tan­do for­te­men­te na di­vul­ga­ção das di­ver­sas re­giões, por for­ma a con­se­guir des­cen­tra­li­zar este ti­po de in­ves­ti­men­to pa­ra ou­tras zo­nas. Nes­te pa­no­ra­ma, não há dú­vi­da ne­nhu­ma de que os pro­gra­mas de cap­ta­ção de in­ves­ti­men­to que exis­tem, quer se­ja os Vis­tos Gold, quer se­ja o Re­gi­me Fis­cal pa­ra Re­si­den­tes Não Ha­bi­tu­ais, são im­por­tan­tís­si­mos. Mas a sua im­por­tân­cia de­ve ser re­co­nhe­ci­da, e os pro­gra­mas de­vem fun­ci­o­nar sem en­tra­ves bu­ro­crá­ti­cos que pre­ju­di­quem mais a per­ce­ção do sec­tor, do que aju­dem.

Ou­vi, no âm­bi­to da se­gun­da edi­ção do web sum­mit a de­cor­rer em Por­tu­gal, o pri­mei­ro-mi­nis­tro di­zer “can’t skip Por­tu­gal”, apresentando o nos­so país co­mo um bom des­ti­no pa­ra o in­ves­ti­men­to. Nes­te âm­bi­to, foi até anun­ci­a­do um “start-up vi­sa”, pa­ra qu­em abra em­pre­sas ino­va­do­ras no país, a par­tir de ja­nei­ro de 2018, mais uma mo­da­li­da­de a so­mar às várias que exis­tem já na pa­nó­plia do pro­gra­ma de au­to­ri­za­ção de re­si­dên­cia pa­ra ati­vi­da­des de in­ves­ti­men­to, e que to­dos de­ve­mos aplau­dir.

Mas, de que adi­an­ta cri­ar modalidades e cha­mar os es­tran­gei­ros a apos­tar no nos­so país, se de­pois não lhes são da­das as con­di­ções que lhes fo­ram pro­me­ti­das? São co­nhe­ci­dos os pro­ble­mas que se têm registado na emis­são e na re­no­va­ção de vis­tos de re­si­dên­cia, pa­ra qu­em acre­di­tou que apos­tar em Por­tu­gal atra­vés des­ta via, se­ria uma so­lu­ção e nun­ca um pro­ble­ma.

Há no ar uma per­ce­ção ne­ga­ti­va de­vi­do aos cons­tan­tes blo­quei­os bu­ro­crá­ti­cos que os in­ves­ti­do­res en­con­tram, que re­sul­tou nu­ma que­bra de con­fi­an­ça com re­fle­xos ime­di­a­tos no nú­me­ro de in­te­res­sa­dos em in­ves­tir ao abrigo des­te me­ca­nis­mo.

E é urgente im­pe­dir que es­ta ima­gem ne­ga­ti­va se con­ti­nue a pro­pa­gar, atra­vés do Es­ta­do que pre­ci­sa de reu­nir as con­di­ções ne­ces­sá­ri­as pa­ra re­lan­çar este pro­gra­ma. Ao no­vo Se­cre­tá­rio de Es­ta­do da In­ter­na­ci­o­na­li­za­ção, Dr. Eu­ri­co Bri­lhan­te Di­as, ape­lo ao seu olhar aten­to so­bre os pro­ble­mas exis­ten­tes e à agi­li­za­ção da sua re­so­lu­ção, sem per­mi­tir que se con­ti­nu­em a dis­se­mi­nar as men­sa­gens me­nos bo­as que ou­tros países eu­ro­peus têm apro­vei­ta­do pa­ra aco­lher os in­ves­ti­do­res que de­sis­tem de Por­tu­gal. Que­re­mos que o sis­te­ma dei­xe este pá­ra-ar­ran­ca, pa­ra ape­nas avan­çar.

De que adi­an­ta cri­ar modalidades e cha­mar os es­tran­gei­ros a apos­tar no nos­so país, se de­pois não lhes são da­das as con­di­ções que lhes fo­ram pro­me­ti­das? São co­nhe­ci­dos os pro­ble­mas que se têm registado na emis­são e na re­no­va­ção de vis­tos de re­si­dên­cia

Pre­si­den­te da APEMIP luis­li­ma@apemip.pt

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.