Fi­nan­ci­a­men­to pa­ra re­a­bi­li­ta­ção avan­ça em mo­de­lo in­te­gra­do

Re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na de­ve “ser a re­gra e não a ex­cep­ção”, sus­ten­ta a se­cre­tá­ria de Es­ta­do da Ha­bi­ta­ção na aber­tu­ra da V Se­ma­na da Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na do Por­to

Publico - Imobiliario - - Atualidade -

O go­ver­no pre­ten­de cri­ar con­di­ções pa­ra que “a re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na pas­se a ser a re­gra e não a ex­cep­ção”. De acor­do com Ana Pi­nho, se­cre­tá­ria de Es­ta­do da Ha­bi­ta­ção, ci­men­tar es­sa es­tra­té­gia pas­sa por es­ta­be­le­cer “um qua­dro re­gu­la­men­tar ade­qua­do às exi­gên­ci­as e es­pe­ci­fi­ci­da­des da re­a­bi­li­ta­ção de edi­fí­ci­os”.

Re­cor­dan­do que “a re­gu­la­men­ta­ção da cons­tru­ção es­te­ve ori­en­ta­da du­ran­te dé­ca­das pa­ra a cons­tru­ção no­va”, ten­do sur­gi­do pos­te­ri­or­men­te “re­gi­mes ex­ce­ci­o­nais e tran­si­tó­ri­os” pa­ra a re­a­bi­li­ta­ção, a go­ver­nan­te adi­an­ta que “foi apro­va­do o pro­je­to Re­a­bi­li­tar co­mo Re­gra, que tem por ob­je­ti­vo a revisão do en­qua­dra­men­to le­gal da cons­tru­ção”.

Na ses­são de aber­tu­ra da V Se­ma­na da Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na do Por­to, que de­cor­re até sá­ba­do no Pa­lá­cio da Bol­sa, Ana Pi­nho afir­mou que es­ta re­gu­la­men­ta­ção in­clui-se na cha­ma­da No­va Ge­ra­ção de Po­lí­ti­cas de Ha­bi­ta­ção, que pre­ten­de, a mé­dio prazo, au­men­tar o pe­so da ha­bi­ta­ção com apoio pú­bli­co na glo­ba­li­da­de do par­que ha­bi­ta­ci­o­nal de 2% pa­ra 5%, o que re­pre­sen­ta um acrés­ci­mo de cer­ca de 170 mil fo­gos, e bai­xar a ta­xa de so­bre­car­ga das des­pe­sas com ha­bi­ta­ção no re­gi­me de ar­ren­da­men­to de 35% pa­ra 27%.

No qua­dro da proposta do OE pa­ra 2018, o Go­ver­no pre­ten­de “ali­nhar o re­gi­me ju­rí­di­co dos be­ne­fí­ci­os fis­cais pa­ra re­a­bi­li­ta­ção”, com be­ne­fí­ci­os fis­cais pa­ra as cha­ma­das áreas de re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na (ARU) ou edi­fí­ci­os ur­ba­nos com mais de 30 anos em qual­quer lo­ca­li­za­ção.

Ana Pi­nho elen­cou um con­jun­to de pro­gra­mas que sus­ten­tam aque­la es­tra­té­gia. O Pro­gra­ma Re­a­bi­li­tar pa­ra Ar­ren­dar “tem co­mo ob­je­ti­vo com­pen­sar fa­lhas de mer­ca­do do ar­ren­da­men­to”. Por sua vez, o Fun­do Na­ci­o­nal pa­ra Re­a­bi­li­ta­ção do Edi­fi­ca­do (FNRE), cu­jo re­gu­la­men­to já foi apro­va­do pe­la Co­mis­são do Mer­ca­do de Va­lo­res Mo­bi­liá­ri­os, re­ves­ti­rá a for­ma de um fun­do es­pe­ci­al de in­ves­ti­men­to imo­bi­liá­rio ori­en­ta­do pa­ra “o de­sen­vol­vi­men­to e a con­cre­ti­za­ção de pro­je­tos de re­a­bi­li­ta­ção de imó­veis do do­mí­nio pri­va­do do Es­ta­do”, pos­te­ri­or­men­te afe­tos ao mer­ca­do de ar­ren­da­men­to ha­bi­ta­ci­o­nal a pre­ços aces­sí­veis.

O Pro­gra­ma Ca­sa Efi­ci­en­te con­sis­te nu­ma li­nha de fi­nan­ci­a­men­to na or­dem dos 200 mi­lhões de eu­ros, aber­ta a to­dos os pro­pri­e­tá­ri­os, cu­jo ob­je­ti­vo é a me­lho­ria dos imó­veis nu­ma pers­pe­ti­va de efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca.

O Pro­gra­ma Pri­mei­ro Di­rei­to, que “vai subs­ti­tuir o PER e o Proha­bi­ta”, irá “su­prir as gra­ves ca­rên­ci­as ha­bi­ta­ci­o­nais e mo­de­los de re­a­lo­ja­men­tos dis­per­sos”. O Por­ta de En­tra­da - Pro­gra­ma de Apoio ao Alo­ja­men­to Urgente vi­sa su­por­tar des­pe­sas afe­tas ao alo­ja­men­to ime­di­a­to de pes­so­as que se ve­jam pri­va­das, de for­ma tem­po­rá­ria ou de­fi­ni­ti­va, da sua ha­bi­ta­ção.

No qua­dro do Pro­gra­ma de Ar­ren­da­men­to Aces­sí­vel, os pro­pri­e­tá­ri­os que co­lo­quem os seus imó­veis no mer­ca­do de ar­ren­da­men­to ha­bi­ta­ci­o­nal de lon­ga du­ra­ção a pre­ços mais bai­xos po­dem ter isen­ção em se­de de IRS e a bai­xa de pe­lo me­nos 50% do IMI. Pre­vê-se a re­du­ção de 20% do va­lor da ren­da com­pa­ra­ti­va­men­te ao va­lor de mer­ca­do. A fi­xa­ção da ren­da te­rá co­mo pa­drão, além da re­du­ção em re­la­ção ao va­lor do mer­ca­do, o prin­cí­pio de que ca­da in­qui­li­no de­ve pa­gar pe­la ren­da ape­nas 30% do seu ren­di­men­to.

Por­to com no­vas ARU

Tam­bém na ses­são de aber­tu­ra do even­to, Rui Mo­rei­ra, pre­si­den­te da Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal do Por­to, re­fe­riu que “25% da área da ci­da­de es­ta­rá co­ber­ta por ARU até fi­nal do ano”, quan­do en­tra­rão em vi­gor três no­vas de­li­mi­ta­ções - ARU Co­ru­jei­raCer­co, Lor­de­lo do Ou­ro e Foz Ve­lha, “até fi­nal do ano”. O au­tar­ca de­fi­niu que es­tas ARU te­rão “cri­té­ri­os es­tra­té­gi­cos” que vi­sam “cri­ar dis­cri­mi­na­ção pa­ra re­e­qui­li­brar a ci­da­de”. No caso da ARU de Cam­pa­nhã, es­tá pre­vis­to um in­ves­ti­men­to de 75 mi­lhões de eu­ros em 10 anos, que pre­ten­de cri­ar “um efei­to mul­ti­pli­ca­dor”, dis­se.

Nos Cen­sos 2011, “di­zia-se que ha­via ca­sas a mais, que o mer­ca­do de ar­ren­da­men­to cor­res­pon­dia às necessidades e que es­ta­va tu­do fei- to”. Pa­ra Ma­nu­el Reis Cam­pos, pre­si­den­te da CPCI/AICCOPN, “fru­to de no­vas re­a­li­da­des, a si­tu­a­ção mo­di­fi­cou-se; a ho­te­la­ria e o alo­ja­men­to lo­cal trou­xe­ram no­vas di­nâ­mi­cas, o co­mér­cio tra­di­ci­o­nal e ser­vi­ços re­to­ma­ram a sua im­por­tân­cia”. Na sua pers­pe­ti­va, “é ne­ces­sá­rio acau­te­lar a con­cor­rên­cia fa­ce a ou­tros países eu­ro­peus”, sen­do que “o imo­bi­liá­rio não pode ser vis­to ape­nas co­mo uma fon­te de re­cei­ta”.

IFRRU 2020 apre­sen­ta­do

O Ins­tru­men­to Fi­nan­cei­ro pa­ra a Re­a­bi­li­ta­ção e Re­vi­ta­li­za­ção Ur­ba­nas (IFRRU 2020), mo­de­lo de fi­nan­ci­a­men­to a pri­va­dos pa­ra a exe­cu­ção de pro­je­tos de re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na e efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca, tem já as can­di­da­tu­ras aber­tas des­de 30 de ou­tu­bro.

Se­gun­do Abel Mas­ca­re­nhas, pre­si­den­te da Co­mis­são Exe­cu­ti­va do IFRRU 2020, “este ins­tru­men­to dis­põe de 1,4 mil mi­lhões de eu­ros pa­ra fi­nan­ci­ar pro­je­tos”. Es­ti­ma-se que, no to­tal, po­ten­cie um in­ves­ti­men­to de mais de 2000 mi­lhões de eu­ros. O pe­di­do de em­prés­ti­mo é re­a­li­za­do num bal­cão da re­de co­mer­ci­al de qual­quer um dos ban­cos se­le­ci­o­na­dos (San­tan­der, BPI, Mil­le­nium bcp e ban­co Po­pu­lar). Se­gun­do es­ti­ma­ti­vas do BEI, “vai cri­ar 14 mil pos­tos de tra­ba­lho du­ran­te a sua vi­gên­cia”.

Este ins­tru­men­to apli­ca-se na re­a­bi­li­ta­ção in­te­gral de edi­fí­ci­os com ida­de igual ou su­pe­ri­or a 30 anos (ou, no caso de ida­de in­fe­ri­or, que de­mons­trem um ní­vel de con­ser­va­ção igual ou in­fe­ri­or a 2), na re­a­bi­li­ta­ção de es­pa­ços e uni­da­des in­dus­tri­ais aban­do­na­das, lo­ca­li­za­das em ARU e na re­a­bi­li­ta­ção de fra­ções pri­va­das in­se­ri­das em edi­fí­ci­os de ha­bi­ta­ção so­ci­al que se­jam al­vo de re­a­bi­li­ta­ção in­te­gral, lo­ca­li­za­dos em PAICD. “A vo­ca­ção do IFRRU 2020 é a re­a­bi­li­ta­ção in­te­gral dos edi­fí­ci­os e de zo­nas in­dus­tri­ais aban­do­na­das”.

DR

V Se­ma­na da Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na do Por­to de­cor­re até sá­ba­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.