Pro­cu­ra de imó­veis dis­pa­ra: Pre­ços so­bem em quase to­do o dis­tri­to de Bra­ga

A di­nâ­mi­ca é es­pe­ci­al­men­te for­te na ha­bi­ta­ção, mas o seg­men­to não re­si­den­ci­al tam­bém be­ne­fi­cia. Co­mér­cio de rua re­gis­ta evo­lu­ção re­le­van­te.

Publico - Imobiliario - - Oportunidades - Ana Ta­va­res

O dis­tri­to de Bra­ga es­tá a acompanhar a di­nâ­mi­ca de re­cu­pe­ra­ção sen­ti­da no mer­ca­do imo­bi­liá­rio um pou­co por to­do o país. A pro­cu­ra de imó­veis “dis­pa­rou, es­pe­ci­al­men­te des­de o ano pas­sa­do” diz ao Pú­bli­co Imo­bi­liá­rio, João Oli­vei­ra, Ge­ren­te da Re­max Su­ces­so - Fa­ma­li­cão, que tra­ba­lha, no dis­tri­to, os mer­ca­dos de Bra­ga, Bar­ce­los, Gui­ma­rães e Fa­ma­li­cão. Pa­ra Pe­dro Pi­res, Di­re­tor Co­mer­ci­al da ERA Bra­ga –Es­ta­ção, com mui­ta ex­pe­ri­ên­cia no cen­tro his­tó­ri­co des­ta ci­da­de, o au­men­to da pro­cu­ra tem si­do “quase uma re­vo­lu­ção”. Foi o imo­bi­liá­rio de ha­bi­ta­ção que mais ce­do e com “mai­or in­ci­dên­cia” sen­tiu este au­men­to de pro­cu­ra, es­cla­re­ce Edu­ar­do Lo­bo, um dos ge­ren­tes da ERA Bra­ga – Tri­bu­nal, que tam­bém atua no con­ce­lho. Cruz Lan­ça, Res­pon­sá­vel de Ven­das – Re­ta­lho Nor­te da Di­re­ção de Ne­gó­cio Imo­bi­liá­rio do Mil­len­nium bcp, con­fir­ma que “a di­nâ­mi­ca do imo­bi­liá­rio no dis­tri­to tem as­sen­ta­do num au­men­to mui­to for­te da pro­cu­ra por ati­vos re­si­den­ci­ais, quer por cli­en­tes fi­nais quer por in­ves­ti­do­res”, de tal for­ma que o Ban­co es­ti­ma cres­cer cer­ca de 50% nas ven­das re­si­den­ci­ais no dis­tri­to este ano. O res­pon­sá­vel dá con­ta de que a ofer­ta “não tem acom­pa­nha­do este rit­mo”, pe­lo que “o equi­lí­brio es­tá a ser fei­to pe­lo au­men­to dos pre­ços de ven­da”.

De acor­do com os me­di­a­do­res que atu­am no dis­tri­to, os pre­ços das ca­sas es­tão atu­al­men­te a su­bir en­tre 5 e o 10%, em­bo­ra, em al­guns ca­sos con­cre­tos, “em imó­veis bem lo­ca­li­za­dos” diz Cruz Lan­ça, “o cres­ci­men­to pos­sa atin­gir os dois dí­gi­tos fa­ce aos pre­ços do ano an­te­ri­or”. Os da­dos re­cen­te­men­te di­vul­ga­dos pe­lo Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Es­ta­tís­ti­ca (INE) - re­fe­ren­tes ao va­lor me­di­a­no das ven­das de alo­ja­men­tos fa­mi­li­a­res por con­ce­lho des­de o 1º tri­mes­tre de 2016 -, mos­tram que, no 2º tri­mes­tre des­te ano (fa­ce ao 2º tri­mes­tre de 2016), a su­bi­da de pre­ços no dis­tri­to se si­tua, na mai­o­ria dos con­ce­lhos, en­tre 1,5% e 9,5% e que a ten­dên­cia po­si­ti­va abran­ge 12 dos 13 con­ce­lhos do dis­tri­to (ape­nas Vi­ze­la re­cu­ou 1,8%). Os pre­ços os­ci­lam en­tre os 439 eu­ros/m2 em Ter­ras do Bou­ro e os 897 eu­ros/m2 em Es­po­sen­de, em­bo­ra a mai­o­ria dos con­ce­lhos apre­sen­te va­lo­res nos pa­ta­ma­res de 500 a 700 eu­ros/m2, com a ca­pi­tal do dis­tri­to a si­tu­ar-se nos 656 eu­ros/m2.

Por ou­tro la­do, os da­dos da Con­fi­den­ci­al Imo­bi­liá­rio mos­tram que Bra­ga é um dos 20 con­ce­lhos a ní­vel na­ci­o­nal onde os pre­ços das ca­sas mais re­cu­pe­ra­ram des­de o pon­to mais bai­xo do mer­ca­do (em me­a­dos de 2013). Des­de en­tão e até ao 1º tri­mes­tre des­te ano, a re­cu­pe­ra­ção era já de 16%, sen­do este o úni­co con­ce­lho do Top 20 que não per­ten­ce às três zo­nas onde as va­lo­ri­za­ções têm acon­te­ci­do de for­ma mais in­ten­sa, no­me­a­da­men­te as áreas me­tro­po­li­ta­nas de Lis­boa e Por­to e a re­gião do Al­gar­ve. Aliás, pa­ra Cruz Lan­ça, na com­pa­ra­ção do dis­tri­to de Bra­ga com a “zo­na me­tro­po­li­ta­na do Por­to, o di­na­mis­mo do mer­ca­do imo­bi­liá­rio é já mui­to se­me­lhan­te”.

Lo­jas de rua des­ta­cam-se no não re­si­den­ci­al

O au­men­to de pro­cu­ra no dis­tri­to não é ex­clu­si­vo da ha­bi­ta­ção e tam­bém o seg­men­to não re­si­den­ci­al es­tá a be­ne­fi­ci­ar des­ta di­nâ­mi- ca. Não “é com­pa­rá­vel ao rit­mo de cres­ci­men­to na ha­bi­ta­ção”, diz João Oli­vei­ra, mas “há efe­ti­va­men­te mais pro­cu­ra de ter­re­nos e de es­pa­ços de ne­gó­ci­os”, con­fir­ma Pe­dro Pi­res. Este me­di­a­dor su­bli­nha que os es­tran­gei­ros, es­pe­ci­al­men­te bra­si­lei­ros e fran­ce­ses, es­tão a pro­cu­rar mais a ci­da­de pa­ra com­prar imo­bi­liá­rio, e que es­ta ten­dên­cia se sen­te tam­bém nas lo­jas. “Com a cri­se, as lo­jas fo­ram os es­pa­ços que mais so­fre­ram. Co­me­ça a ha­ver mais pro­cu­ra e no cen­tro his­tó­ri­co de Bra­ga quase não há es­pa­ços va­zi­os. Nes­te mo­men­to, te­mos até no­ta­do pro­cu­ra por par­te de es­tran­gei­ros, no­me­a­da­men­te bra­si­lei­ros, por este ti­po de imo­bi­liá­rio”, re­fe­re. Tam­bém Cruz Lan­ça re­fe­re que a pro­cu­ra de es­pa­ços co­mer­ci­ais tem “au­men­ta­do fa­ce aos anos an­te­ri­o­res”, es­pe­ci­al­men­te nos cen­tros ur­ba­nos e nos con­ce­lhos de Bra­ga, Gui­ma­rães e Fa­ma­li­cão. João Oli­vei­ra con­fir­ma que “a pro­cu­ra de lo­jas tem vin­do a au­men­tar” e “se há dois anos ha­vi­am mui­tas lo­jas va­zi­as, ho­je, quan­do bem lo­ca­li­za­das, há mui­to pou­ca ofer­ta dis­po­ní­vel “.

A res­tau­ra­ção e si­mi­la­res (co­mo pas­te­la­ri­as, ca­fés ou snack-bar) são ati­vi­da­des mui­to di­nâ­mi­cas na pro­cu­ra de lo­jas nes­tas ci­da­des, mas tam­bém os ser­vi­ços de pro­xi­mi­da­de e con­ve­ni­ên­cia, co­mo la­van­da­ri­as, ca­be­lei­rei­ros, clí­ni­cas ou cen­tros de es­té­ti­ca. As zo­nas com trá­fe­go pe­do­nal e com es­ta­ci­o­na­men­to, “não ne­ces­sa­ri­a­men­te no cen­tro da ci­da­de”, são mui­to pro­cu­ra­das pa­ra ins­ta­la­ção de lo­jas, diz Edu­ar­do Lo­bo. “São mais pro­cu­ra­dos os es­pa­ços de rua com mon­tra ex­te­ri­or e os lo­cais de mai­or cir­cu­la­ção pe­do­nal, pois con­fe­rem mai­or vi­si­bi­li­da­de”, con­fir­ma Cruz Lan­ça. E “ain­da que exis­ta pro­cu­ra por to­do o ti­po de es­pa­ços, os mais ven­di­dos são as lo­jas pe­que­nas, in­fe­ri­o­res a 100 m2”, diz Cruz Lan­ça. De en­tre as ven­das re­a­li­za­das pe­lo Ban­co nes­te seg­men­to, a mai­o­ria são re­a­li­za­das pa­ra ocu­pan­tes do imó­vel, mas a com­pra por in­ves­ti­do­res de es­pa­ços nos cen­tros ur­ba­nos ou nas zo­nas em ex­pan­são tem vin­do a au­men­tar. “Es­ti­ma­mos que cer­ca de um quar­to das com­pras nes­sas zo­nas se­jam já to­ma­das pe­los in­ves­ti­do­res pa­ra ar­ren­da­men­to ou pos­te­ri­or re­ven­da”, diz, re­ve­lan­do que a ofer­ta do Ban­co nes­ta re­gião apre­sen­ta “pre­ços de ven­da en­tre 21.000 eu­ros a 200.000 eu­ros, ou aci­ma”. “es­ti­ma­mos po­der co­mer­ci­a­li­zar um ter­ço de ati­vos to­tais nes­tes dois me­ses de cam­pa­nha”. Os me­di­a­do­res que ope­ram no dis­tri­to con­fir­mam es­ta vi­são. “Os nos­sos ob­je­ti­vos pa­ra a cam­pa­nha são mui­to ele­va­dos e pro­cu­ra­mos sem­pre su­pe­rar”, diz Pe­dro Pi­res, da ERA Bra­ga- Es­ta­ção, des­ta­can­do os pre­ços e a ra­pi­dez no fi­nan­ci­a­men­to co­mo fa­to­res de su­ces­so da ini­ci­a­ti­va. João Oli­vei­ra, da Re­max Su­ces­so – Fa­ma­li­cão re­fe­re que já fo­ram ven­di­dos qua­tro imó­veis in­te­gra­dos na cam­pa­nha, o que é “bas­tan­te bom”, des­ta­can­do­se a pro­cu­ra pa­ra in­ves­ti­men­to, mas tam­bém por par­te das em­pre­sas pa­ra ocu­pa­ção pró­pria. “O le­a­sing imo­bi­liá­rio as­so­ci­a­do pode pro­por­ci­o­nar en­car­gos men­sais mais atra­ti­vos que uma ren­da”, ex­pli­ca. Es­ta ques­tão leva a que as “em­pre­sas tam­bém olhem pa­ra es­tas lo­jas pa­ra uso de es­cri­tó­rio”, diz por sua vez, Edu­ar­do Lo­bo, da ERA Bra­ga – Tri­bu­nal. O fac­to é que “a cam­pa­nha fez au­men­tar a pro­cu­ra”, ter­mi­na.

SÉR­GIO FREI­TAS /C­MA­RA MU­NI­CI­PAL DE BRA­GA

O Cen­tro His­tó­ri­co de Bra­ga tem pou­cas lo­jas dis­po­ní­veis

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.