Fun­do de in­ves­ti­men­to Ves­ta com 100 mi­lhões pa­ra re­a­bi­li­ta­ção

Publico - Imobiliario - - Semana Da Reabilitação Urbana Do Porto -

O fun­do de in­ves­ti­men­to Ves­ta Re­al Es­ta­te Fund, cri­a­do pe­la Qu­an­ti­co, uma so­ci­e­da­de de in­ves­ti­men­tos fun­da­da e pre­si­di­da por Car­los Vas­con­cel­los Cruz, ex-ad­mi­nis­tra­dor exe­cu­ti­vo da PT e CEO mun­di­al da Dun&Brads­tre­et Glo­bal, em par­ce­ria com a Ube­da e o And­bank, pre­ten­de co­lo­car 100 mi­lhões de eu­ros em pro­je­tos de re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na re­si­den­ci­al, cen­tra­do em Lis­boa, Es­to­ril e Cas­cais, não ex­cluin­do in­ves­ti­men­tos es­tra­té­gi­cos no Por­to.

Tal co­mo a Qu­an­ti­co em Por­tu­gal, fun­da­da há cer­ca de qua­tro anos, a Ube­da foi cri­a­da por Car­los Mal­lo, um ex-exe­cu­ti­vo es­pa­nhol com mais de 25 anos de ex­pe­ri­ên­cia em pri­va­te equity, os úl­ti­mos dos quais co­mo lí­der da Per­mi­ra em Es­pa­nha e mem­bro do seu bo­ard mun­di­al.

O ban­co an­dor­re­nho And­bank é uma ins­ti­tui­ção es­pe­ci­a­li­za­da em pri­va­te ban­king, com mais de 80 anos de ex­pe­ri­ên­cia, com pre­sen­ça em três con­ti­nen­tes e com um dos mais ele­va­dos ín­di­ces de sol­vên­cia da in­dús­tria fi­nan­cei­ra a ní­vel mun­di­al.

Com se­de no Lu­xem­bur­go, o Ves­ta Re­al Es­ta­te Fund ado­ta a for­ma de um SICAV-RAIF su­per­vi­si­o­na­do pe­las au­to­ri­da­des mo­ne­tá­ri­as lu­xem­bur­gue­sas, sen­do que ca­da edi­fí­cio a re­a­bi­li­tar será ad­qui­ri­do por uma so­ci­e­da­de veí­cu­lo de di­rei­to por­tu­guês.

Os cli­en­tes de “pri­va­te ban­king” do And­bank (pri­va­dos e fa­mily of­fi­ces), a Qu­an­ti­co e a Ube­da são os prin­ci­pais par­ti­ci­pan­tes do fun­do, dis­pon­do, en­tre eles e co in­ves­ti­do­res de 100 mi­lhões de eu­ros pa­ra ad­qui­rir e re­a­bi­li­tar imó­veis e pos­te­ri­or ven­da a re­ta­lho.

Ten­do co­mo ob­je­ti­vo in­ves­tir a to­ta­li­da­de nos pró­xi­mos 12 a 18 me­ses, o fun­do te­rá um pe­río­do de vi­da de seis anos, os úl­ti­mos dos quais pa­ra de­sin­ves­ti­men­to e ven­das.

Ren­ta­bi­li­da­de anu­al de 15%

Es­ta ini­ci­a­ti­va sur­ge após qua­tro anos de in­ves­ti­men­tos no mo­de­lo de re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na de­sen­vol­vi- do pe­la Qu­an­ti­co, a que no úl­ti­mo ano se jun­tou a Ube­da, ten­do já si­do ob­je­to de in­ves­ti­men­to em re­a­bi­li­ta­ção cer­ca de 40 mi­lhões de eu­ros, um va­lor cor­res­pon­den­te a 60 mi­lhões de eu­ros em ven­das. Os pro­je­tos de­sen­vol­vi­dos pe­la Qu­an­ti­co cen­tram-se em Lis­boa, si­tu­an­do-se no seg­men­to re­si­den­ci­al mé­dio/al­to, e têm ob­ti­do ren­ta­bi­li­da­des lí­qui­das anu­ais pa­ra os in­ves­ti­do­res su­pe­ri­o­res a 15%, re­fe­re a em­pre­sa em co­mu­ni­ca­do.

Os res­pon­sá­veis des­te fun­do con­si­de­ram que “ape­sar da su­bi­da de pre­ços na aqui­si­ção de imó­veis pa­ra re­a­bi­li­tar em zo­nas pre­mium, há ain­da mui­to tra­ba­lho a fa­zer e bo­as opor­tu­ni­da­des de in­ves­ti­men­to em pré­di­os mui­to bem lo­ca­li­za­dos em zo­nas no­bres da ci­da­de e li­nha de Cas­cais, e que ne­ces­si­tam de obras de re­a­bi­li­ta­ção pro­fun­das e de ele­va­da com­ple­xi­da­de téc­ni­ca”.

Estes as­su­mem não fa­zer com­pras “a pre­ços es­pe­cu­la­ti­vos e acre­di­ta­mos que em Lis­boa, Cas­cais e Por­to há es­pa­ço pa­ra os pre­ços de ven­da se man­te­rem ou mes­mo su­bi­rem, da­do que há ain­da um des­fa­sa­men­to im­por­tan­te com os pre­ços de ou­tras ci­da­des eu­ro­pei­as com­pa­rá­veis. Por­tu­gal, e par­ti­cu­lar­men­te Lis­boa/ Cas­cais, apre­sen­tam ní­veis de atra­ti­vi­da­de e qua­li­da­de de vi­da in­su­pe­rá­veis”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.