Com­ba­te à me­di­a­ção ile­gal

Publico - Imobiliario - - Opinião - Luís Li­ma

Na pas­sa­da se­ma­na, foi man­che­te que as tran­sa­ções de ha­bi­ta­ção es­tão a ser de­cla­ra­das 8% abai­xo do va­lor promovido pe­las imo­bi­liá­ri­as. Uma no­tí­cia que co­lo­cou uma vez mais as imo­bi­liá­ri­as no cen­tro do olho do fu­ra­cão, dei­xan­do no ar a per­ce­ção de que es­te­sas em­pre­sas pro­mo­vem, de al­gu­ma for­ma, a fu­ga ao fis­co.

Ao ler a no­tí­cia, es­ta ima­gem des­cons­trói- se um pou­co, mas a ver­da­de é que não dei­xa de ter im­pac­to ne­ga­ti­vo, tan­to, que o pró­prio ór­gão re­gu­la­dor (o Ins­ti­tu­to dos Mer­ca­dos Pú­bli­cos, do Imo­bi­liá­rio e da Cons­tru­ção – IMPIC) anun­ci­ou ra­pi­da­men­te que iria co­mu­ni­car ao fis­co os ne­gó­ci­os imo­bi­liá­ri­os pa­gos em no­tas. Uma de­ci­são cor­re­ta, que pro­mo­ve a trans­pa­rên­cia, mas que não atua so­bre qu­em, ver­da­dei­ra­men­te, fo­ge ao fi sco nos pro­ces­sos de tran­sa­ções imo­bi­liá­ri­as, e que não são, de­cer­to, as em­pre­sas de me­di­a­ção.

Co­mo é do co­nhe­ci­men­to ge­ral, o tra­ba­lho des­tas en­ti­da­des é me­di­ar o ne­gó­cio en­tre a pro­cu­ra e a ofer­ta, ou se­ja, en­tre pro­pri­e­tá­ri­os e cli­en­tes. Uma ofer­ta que tem, re­gra ge­ral, co­mo pre­ço ba­se o va­lor de mer­ca­do pra­ti­ca­do em de­ter­mi­na­da zo­na on­de se en­con­tre o imó­vel e que é, nos úl­ti­mos tem­pos em que o imo­bi­liá­rio se apre­sen­ta um mer­ca­do ten­ta­dor e cri­a­dor de va­lor, ge­ral­men­te aci­ma do va­lor pa­tri­mo­ni­al tri­bu­tá­vel de re­fe­rên­cia de­fi­ni­do pe­la Au­to­ri­da­de Tri­bu­tá­ria, ga­ran­tin­do des­ta for­ma que na mai­o­ria das tran­sa­ções imo­bi­liá­ri­as, o Es­ta­do tem uma re­cei­ta su­pe­ri­or ao ex­pec­tá­vel. Uma re­cei­ta que é se­gu­ra­men­te mai­or que os 8% que afas­tam ne­gó­ci­os anun­ci­a­dos e de­cla­ra­dos.

Não se­rão de­cer­to as imo­bi­liá­ri­as, a pro­mo­ver in­con­for­mi­da­des nos ne­gó­ci­os até por­que no âm­bi­to da le­gis­la­ção em vi­gor que es­ta­be­le­ce me­di­das de na­tu­re­za pre­ven­ti­va e re­pres­si­va de com­ba­te ao bran­que­a­men­to de ca­pi­tais, as em­pre­sas de me­di­a­ção imo­bi­liá­ria são obri­ga­das a en­vi­ar de­cla­ra­ções se­mes­trais ao IMPIC, cons­ti­tuin­do a sua não co­mu­ni­ca­ção uma con­tra­or­de­na­ção pu­ní­vel com coi­ma.

Há por is­so que ter em con­ta que, in­fe­liz­men­te, exis­tem ou­tros ope­ra­do­res no mer­ca­do a exer­cer me­di­a­ção imo­bi­liá­ria ile­gal­men­te (cer­ca de 30% dos ne­gó­ci­os de­ve­rão ser fei­tos à mar­gem da lei), e que pro­mo­vem ne­gó­ci­os sem ter li­cen­ça, sem ter for­ma­ção, sem se­gu­ro de res­pon­sa­bi­li­da­de ci­vil e sem cum­prir os re­qui­si­tos le­gais que são exi­gi­dos aos pro­fis­si­o­nais que atu­am de for­ma trans­pa­ren­te. Es­ses sim, de­ve­ri­am ser in­ves­ti­ga­dos, fis­ca­li­za­dos e pu­ni­dos ade­qua­da­men­te.

E es­ta é mais uma ra­zão pa­ra que as imo­bi­liá­ri­as te­nham uma mai­or res­pon­sa­bi­li­da­de no pa­no­ra­ma da fis­ca­li­za­ção da ati­vi­da­de e que lhes de­ve­ria ser con­fe­ri­da pe­lo Es­ta­do atra­vés da APEMIP, pa­ra que es­ta pos­sa apoi­ar o com­ba­te ao exer­cí­cio ile­gal de ati­vi­da­de, de­nun­ci­an­do práticas du­vi­do­sas e ile­gais de qu­em se apro­vei­ta des­te mer­ca­do pa­ra re­a­li­zar ne­gó­ci­os, sem dar quais­quer ga­ran­ti­as de se­gu­ran­ça aos seus cli­en­tes, que vêm os seus di­rei­tos en­quan­to con­su­mi­do­res se­rem tam­bém pos­tos em cau­sa.

O ca­mi­nho que de­ve­mos de­fen­der é o da cre­di­bi­li­za­ção da clas­se e a de­fe­sa do sec­tor imo­bi­liá­rio en­quan­to par­te in­te­gran­te e im­por­tan­te pa­ra a di­nâ­mi­ca da nos­sa economia, sem que ne­nhu­ma par­te atue à sua mar­gem.

Há que ter em con­ta que, in­fe­liz­men­te, exis­tem ou­tros ope­ra­do­res no mer­ca­do a exer­cer me­di­a­ção imo­bi­liá­ria ile­gal­men­te (cer­ca de 30% dos ne­gó­ci­os de­ve­rão ser fei­tos à mar­gem da lei) e que pro­mo­vem ne­gó­ci­os sem ter li­cen­ça

Pre­si­den­te da APEMIP luis­li­ma@apemip.pt

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.