“Re­a­bi­li­tar co­mo re­gra” tem de ser “re­a­bi­li­tar com re­gras”

Publico - Imobiliario - - Opinião - Reis Cam­pos

Foi pu­bli­ca­da, na se­ma­na pas­sa­da, a Re­so­lu­ção do Con­se­lho de Mi­nis­tros n.º 170/2017, de 9 de no­vem­bro que, no âm­bi­to do Pro­gra­ma “No­va Ge­ra­ção de Po­lí­ti­cas da Ha­bi­ta­ção”, re­cen­te­men­te apre­sen­ta­do pe­lo Go­ver­no, determina a con­cre­ti­za­ção do “Pro­je­to Re­a­bi­li­tar co­mo Re­gra”. Tra­ta-se de um pro­je­to que tem por ob­je­ti­vo a ela­bo­ra­ção de pro­pos­tas pa­ra ade­quar as nor­mas téc­ni­cas da cons­tru­ção às exi­gên­ci­as e es­pe­ci­fi­ci­da­des da re­a­bi­li­ta­ção de edi­fí­ci­os. Es­ta é uma ma­té­ria par­ti­cu­lar­men­te re­le­van­te, na medida em que se re­co­nhe­ce a im­por­tân­cia de sis­te­ma­ti­za­ção e de har­mo­ni­za­ção da le­gis­la­ção da cons­tru­ção, fa­zen­do fa­ce às ne­ces­si­da­des da Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na.

Tra­ta-se de uma ta­re­fa com­ple­xa, mas es­sen­ci­al, ten­do pre­sen­te que se pre­ten­de sal­va­guar­dar uma apli­ca­ção co­e­ren­te e uni­for­me do re­gi­me le­gal apli­cá­vel, evi­tan­do-se in­ter­pre­ta­ções di­ver­sas e in­con­gruên­ci­as nas exi­gên­ci­as fei­tas, de­sig­na­da­men­te, por par­te das en­ti­da­des li­cen­ci­a­do­ras. Veja-se o que acon­te­ce com o RGEU (Re­gu­la­men­to Ge­ral das Edi­fi­ca­ções Ur­ba­nas), um di­plo­ma de 1951, mas que so­bre­vi­ve com al­te­ra­ções “es­pa­lha­das” por de­zoi­to di­plo­mas avul­sos. São de­ze­nas de nor­ma­ti­vos téc­ni­cos que, nas mais di­ver­sas áre­as, têm de ser es­cru­ti­na­dos, pa­ra o que é fun­da­men­tal a co­la­bo­ra­ção de en­ti­da­des pú­bli­cas, Or­dens Pro­fis­si­o­nais e en­ti­da­des re­pre­sen­ta­ti­vas do Se­tor da Cons­tru­ção e do Imo­bi­liá­rio, co­mo é o ca­so da CPCI. O Go­ver­no re­co­nhe­ce-o, ao de­ter­mi­nar que o de­sen­vol­vi­men­to des­te Pro­je­to se­rá acom­pa­nha­do por uma re­de de pon­tos fo­cais, na qual a Con­fe­de­ra­ção tem lu­gar. Quan­do o Go­ver­no re­co­nhe­ce que “Re­a­bi­li­tar co­mo Re­gra” sig­ni­fi­ca “con­ci­li­ar as le­gí­ti­mas ex­pe­ta­ti­vas em ter­mos de ade­qua­ção aos atu­ais pa­drões de se­gu­ran­ça, ha­bi­ta­bi­li­da­de, con­for­to e de sim­pli­fi­ca­ção do pro­ces­so de re­a­bi­li­ta­ção, com os prin­cí­pi­os da sus­ten­ta­bi­li­da­de am­bi­en­tal e da pro­te­ção do pa­tri­mó­nio edi­fi­ca­do”, es­tá a dar um pas­so no ca­mi­nho cer­to. De fac­to, é fun­da­men­tal ter pre­sen­te que es­tá em cau­sa a vi­a­bi­li­za­ção de mui­tas in­ter­ven­ções que, até ago­ra, da­das as con­di­ci­o­nan­tes fí­si­cas do prée­xis­ten­te, eram ine­xequí­veis.

Por ou­tro la­do, se a sim­pli­fi­ca­ção e a ade­qua­ção do qua­dro le­gal é im­pres­cin­dí­vel, é tam­bém fun­da­men­tal re­co­nhe­cer que a re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na e, de uma for­ma ge­ral, a cons­tru­ção, têm de ter por pres­su­pos­to o bom fun­ci­o­na­men­to do mer­ca­do, o que exi­ge o afas­ta­men­to de to­dos aque­les que se man­têm à mar­gem do mes­mo. Não é ad­mis­sí­vel tra­ba­lhar em to­tal clan­des­ti­ni­da­de, sem pa­gar os im­pos­tos que são de­vi­dos e, não ra­ras vezes, uti­li­zan­do tra­ba­lho ile­gal, com os ine­ren­tes ris­cos ao ní­vel do au­men­to da si­nis­tra­li­da­de la­bo­ral. Tra­ta-se do ní­vel mais ele­men­tar de re­gu­la­ção que tem de es­tar, ne­ces­sa­ri­a­men­te, no cen­tro das pre­o­cu­pa­ções de to­dos. Num mo­men­to em que es­ta ati­vi­da­de di­na­mi­za as mai­o­res ci­da­des por­tu­gue­sas, é con­tra­di­tó­rio ve­ri­fi­car que as li­cen­ças emi­ti­das pe­las Câ­ma­ras Mu­ni­ci­pais, pa­ra re­a­bi­li­ta­ção de edi­fí­ci­os, se re­du­zem. Tal só po­de sig­ni­fi­car que uma gran­de per­cen­ta­gem des­tas in­ter­ven­ções es­ca­pa ao con­tro­lo das en­ti­da­des fis­ca­li­za­do­ras, re­a­li­da­de que se de­ve, pre­ci­sa­men­te, ao de­sa­jus­ta­men­to da le­gis­la­ção vi­gen­te, de­sig­na­da­men­te a Lei dos Al­va­rás e o Li­cen­ci­a­men­to Mu­ni­ci­pal.

Em su­ma, es­ta ini­ci­a­ti­va tem o mé­ri­to de per­mi­tir en­ca­rar a Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na de uma for­ma in­te­gra­da, co­lo­can­do num úni­co “en­ve­lo­pe” o es­pa­ço ur­ba­no nas su­as múl­ti­plas di­men­sões, co­mo pó­lo de cres­ci­men­to e cen­tro mo­bi­li­za­dor do co­nhe­ci­men­to, da ci­ên­cia, da cul­tu­ra e do la­zer, sem des­cu­rar as ques­tões de na­tu­re­za so­ci­al. Tra­ta-se de uma medida po­si­ti­va que vi­sa dar à Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na a di­men­são que a mesma de­ve­rá ter, uma vez que não po­de­rá con­ti­nu­ar a ser pers­pe­ti­va­da, tão so­men­te, co­mo uma ati­vi­da­de di­re­ci­o­na­da pa­ra al­gu­mas ci­da­des e, den­tro des­tas, ape­nas pa­ra al­guns lo­cais mais pri­vi­le­gi­a­dos.

Pre­si­den­te da CPCI – Con­fe­de­ra­ção Por­tu­gue­sa da Cons­tru­ção e do Imo­bi­liá­rio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.