Por­to na mi­ra do in­ves­ti­men­to in­ter­na­ci­o­nal

In­vic­ta re­ce­beu mais de mil mi­lhões de eu­ros em in­ves­ti­men­to ins­ti­tu­ci­o­nal en­tre 2000 e 2016

Publico - Imobiliario - - Atualidade -

O Por­to an­ga­ri­ou mais de mil mi­lhões de eu­ros em in­ves­ti­men­to ins­ti­tu­ci­o­nal en­tre 2000 e 2016, sen­do que o seg­men­to de re­ta­lho foi al­vo de uma fa­tia que ron­dou os 550 mi­lhões de eu­ros, ou se­ja, foi res­pon­sá­vel por 52% des­se in­ves­ti­men­to, se­guin­do-se o mer­ca­do de es­cri­tó­ri­os.

Se­gun­do da­dos apre­sen­ta­dos pe­lo di­re­tor- ge­ral da Pre­di­bi­sa, João Nu­no Ma­ga­lhães, no âm­bi­to da V Se­ma­na da Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na do Por­to, as ren­ta­bi­li­da­des em lo­ca­li­za­ções pri­me “na área co­mer­ci­al, em es­cri­tó­ri­os, no se­tor lo­gís­ti­co e na ho­te­la­ria” são su­pe­ri­o­res no Por­to fa­ce a Lis­boa, Ma­drid ou Bar- ce­lo­na, sen­do que, em con­tra­par­ti­da, as ren­das são mais con­ti­das. No mes­mo pe­río­do, cer­ca de 250 mi­lhões de eu­ros fo­ram in­ves­ti­dos em es­cri­tó­ri­os e 150 mi­lhões em in­dús­tria.

En­tre os ti­pos de in­ves­ti­men­to imo­bi­liá­rio com mai­or ren­ta­bi­li­da­de no Por­to des­ta­cam-se, na área de ser­vi­ços, os es­cri­tó­ri­os, imó­veis pa­ra alo­ja­men­to tu­rís­ti­co lo­cal, ho­te­la­ria e re­si­dên­ci­as de es­tu­dan­tes e, no se­tor do co­mér­cio, as lo­jas de rua, os re­tail parks e os shop­ping cen­tres, adi­an­tou o mes­mo res­pon­sá­vel. Ren­tá­veis são ain­da os in­ves­ti­men­tos nas áre­as de in­dús­tria e lo­gís­ti­ca e de ha­bi­ta­ção de ar­ren­da­men­to de lon­ga di­re­ção.

Mo­der­ni­zar stock

Tam­bém Luís Cor­rêa de Bar­ros, CEO & Part­ner da Ha­bi­tat In­vest, afir­mou que es­tão em de­sen­vol­vi­men­to “dez pro­je­tos que to­ta­li­zam mais de 260 mi­lhões de eu­ros”, em que se des­ta­ca “a cri­a­ção de 598 fra­ções re­si­den­ci­ais”. Es­ta di­ri­ge-se so­bre­tu­do ao mer­ca­do na­ci­o­nal, pois “a gran­de mai­o­ria do nos­so pro­du­to foi ven­di­do a es­tran­gei­ros”, dis­se.

Re­por­tan­do-se às prin­ci­pais di­fe­ren­ças en­tre os mer­ca­dos de Por­to e Lis­boa, Luís Cor­rêa de Bar­ros sus­ten­tou que “o Por­to é um mer­ca­do mais pe­que­no, me­nos in­ter­na­ci­o­nal e com me­nos po­der de com­pra e um pre­mio de ris­co mais al­to com­pa­ra­ti­va­men­te a Lis­boa”. Por ou­tro la­do, “o pre­ço de en­tra­da ain­da é bai­xo, o cres­ci­men­to do tu­ris­mo, o apoio e ce­le­ri­da­de no pro­ces­sa­men­to dos pro­je­tos jun­to da au­tar­quia”, são fa­to­res po­si­ti­vos.

Num de­ba­te so­bre «O que pro­cu­ram os in­ves­ti­do­res no Por­to?», foi di­to que “é pre­ci­so mo­der­ni­zar o stock” nos es­cri­tó­ri­os, sen­do que, pa­ra Pe­dro Se­a­bra, part­ner da Ex­plo­rer In­vest­ments, “o mer­ca­do imo­bi­liá­rio do por­to es­tá a cres­cer, mas es­tá ape­nas no co­me­ço”. Na mesma li­nha, Pe­dro Coelho, Chair­man da Squa­re As­set Ma­na­ge­ment, antevê um for­te “sal­to qua­li­ta­ti­vo nos pró­xi­mos três anos” na ver­ten­te de es­cri­tó­ri­os, sen­do que “as em­pre­sas só ago­ra es­tão a re­cu­pe­rar um pou­co aqui­lo que se per­deu nos úl­ti­mos anos, so­bre­tu­do o re­tail e a lo­gís­ti­ca”. Ma­nu­el Pu­er­ta da Cos­ta, ad­mi­nis­tra­dor da BPI Ges­tão de Ati­vos, re­fe­riu que “as ta­xas de ren­ta­bi­li­da­de são ain­da atra­ti­vas e exis­te a pos­si­bi­li­da­de de com­pres­são de yi­elds” na In­vic­ta.

DR

In­ves­ti­men­to em es­cri­tó­ri­os no Por­to as­cen­deu a 550 mi­lhões

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.