Lo­tes na ur­ba­ni­za­ção da Ata­laia e no cen­tro da Ama­do­ra in­te­res­sam pro­mo­to­res lo­cais

O Mil­len­nium bcp es­tá a co­mer­ci­a­li­zar 9 lo­tes pa­ra cons­tru­ção de ha­bi­ta­ção em al­tu­ra in­te­gra­dos na ur­ba­ni­za­ção da Ata­laia e ou­tros 7 no cen­tro da Ama­do­ra

Publico - Imobiliario - - Oportunidades -

Cons­tru­to­res e pro­mo­to­res imo­bi­liá­ri­os da zo­na da Ama­do­ra (ou pró­xi­mas) têm si­do os ope­ra­do­res mais in­te­res­sa­dos na aqui­si­ção des­tes lo­tes do Mil­len­nium bcp. “São es­sen­ci­al­men­te pro­mo­to­res lo­cais que co­nhe­cem bem a li­nha de Sin­tra e com mui­ta ex­pe­ri­ên­cia na cons­tru­ção”, diz Ra­mi­ro Go­mes, Res­pon­sá­vel de Ven­das – Gran­des Imó­veis Sul da Di­re­ção de Ne­gó­cio Imo­bi­liá­rio do Ban­co. É um pro­du­to tam­bém com po­ten­ci­al pa­ra “no­vas em­pre­sas cons­tru­to­ras que quei­ram ini­ci­ar-se nes­te ti­po de pro­je­tos”, vis­to que o “in­ves­ti­men­to ini­ci­al no lo­te de ter­re­no é aces­sí­vel”, diz es­te res­pon­sá­vel a pro­pó­si­to dos lo­tes in­te­gra­dos na ur­ba­ni­za­ção da Ata­laia, nu­ma zo­na no­va jun­to à en­tra­da da ci­da­de. Ca­da um dos 9 lo­tes pre­vê a cons­tru­ção de um edi­fí­cio com 12 fo­gos (ape­nas um con­tem­pla 11 fo­gos), dis­tri­buí­dos por 6 pi­sos aci­ma do so­lo, além de 2 pi­sos em ca­ve pa­ra es­ta­ci­o­na­men­to (va­ria en­tre os 12 e os 26 lu­ga­res por edi­fí­cio). As áre­as bru­tas de cons­tru­ção da mai­o­ria dos lo­tes ron­dam os 1.500/1.600 m2 e ape­nas dois dos lo­tes têm áre­as em tor­no de 2.250 m2. Os pre­ços por lo­te va­ri­am en­tre 328 mil e os 437 mil eu­ros, e “ten­do em con­ta a cres­cen­te pro­cu­ra nos úl­ti­mos me­ses”, o Ban­co es­pe­ra ter “con­cluí­do a co­mer­ci­a­li­za­ção des­te con­jun­to de lo­tes até fi­nal do 1º tri­mes­tre de 2018”. Atu­al­men­te “já ven­de­mos al­guns lo­tes e te­mos ou­tras pro­pos­tas em aná­li­se”, diz Ra­mi­ro Go­mes. Tam­bém Armando Bar­re­to, di­re­tor da Re­max Pri­me, en­vol­vi­da na co­mer­ci­a­li­za­ção dos lo­tes, acre­di­ta que “num es­pa­ço re­la­ti­va­men­te cur­to de tem­po, o pro­du­to con­se­gue es­co­ar-se, aten­den­do à pou­ca ofer­ta que exis­te no mer­ca­do”.

A zo­na on­de se in­te­gram os lo­tes tem si­do um ar­gu­men­to de ven­da. “Tra­ta-se de uma zo­na cer­ca de 80% con­so­li­da­da, on­de o per­fil de ha­bi­tan­te é de clas­se mé­dia e mé­dia-al­ta, so­bre­tu­do qua­dros su­pe­ri­o­res de em­pre­sas, pro­fis­si­o­nais li­be­rais e em­pre­sá­ri­os, com bom po­der de com­pra”, diz Armando Bar­re­to. En­qua­dra­do nu­ma zo­na com bons aces­sos aos prin­ci­pais ei­xos ro­do­viá­ri­os (IC 19, nó de Pi­na Ma­ni­que ou a EN117), es­ta ur­ba­ni­za­ção es­tá jun­to a es­co­las pú­bli­cas e a in­fra­es­tru­tu­ras des­por­ti­vas co­mo o com­ple­xo do Da­mai­en­se ou o SkyS­ka­te par­que. A pou­co mais de 500 me­tros es­tá a Clí­ni­ca da Re­bo­lei­ra e a 3 mi­nu­tos o Hos­pi­tal Ama­do­ra Sin­tra. “Tra­ta-se de uma zo­na com bas­tan­tes pré­di­os novos, es­pa­ços ver­des e co­mér­cio tra­di­ci­o­nal bem im­plan­ta­do, e que con­ta com uma po­pu­la­ção jo­vem, de clas­se mé­dia, com ida­des en­tre os 30 a 40 anos”, com­ple­ta Ra­mi­ro Go­mes.

Cen­tro va­lo­ri­za­do

Já na rua Eli­as Gar­cia, no cen­tro da Ama­do­ra, o Ban­co dis­põe de 7 lo­tes (5 dos quais con­tí­guos), ten­do já ven­di­do um dos 2 lo­tes de mai­or di­men­são. Estes úl­ti­mos – com pre­ços de 650 mil e 700 mil eu­ros – apre­sen­tam am­bos ca­pa­ci­da­de pa­ra 12 apar­ta­men­tos, in­te­gran­do cer­ca de 6 lo­jas ca­da um no em­ba­sa­men­to, além de es­ta­ci­o­na­men­to (26 e 40 lu­ga­res) em ca­ve. As áre­as bru­tas de cons­tru­ção des­tes 2 lo­tes são de 2.886 e 3.575 m2. Já nos 5 lo­tes con­tí­guos, as áre­as bru­tas de cons­tru­ção são iguais (de 2.325 m2), aco­lhen­do ca­da edi­fí­cio 12 fo­gos (6 T2 e 6 T3) e 2 lo­jas no pi­so tér­reo. Nes­tes lo­tes, es­tão pre­vis­tos 7 pi­sos à su­per­fí­cie e 3 abai­xo do so­lo, com o pre­ço por lo­te a si­tu­ar-se nos 400 mil eu­ros. A lo­ca­li­za­ção é um dos fa­to­res di­fe­ren­ci­a­do­res do pre­ço des­tes 7 lo­tes, uma vez que “es­tão no cen­tro da Ama­do­ra e in­se­ri­dos na ur­ba­ni­za­ção Vil­la Park”, ex­pli­ca Ra­mi­ro Go­mes. “É uma zo­na no­va e com cons­tru­ção di­fe­ren­ci­a­do­ra, in­cluin­do al­guns por­me­no­res de ar­qui­te­tu­ra mais mo­der­na”, de­fen­de. Tam­bém “a pro­xi­mi­da­de com a re­de de trans­por­tes pú­bli­cos, co­mo o com­boio, inú­me­ros au­to­car­ros no cen­tro da Ama­do­ra e uma pra­ça de Tá­xis a 3 mi­nu­tos a pé” jus­ti­fi­ca a valorização. O co­mér­cio de rua tam­bém é “um fa­tor di­fe­ren­ci­a­dor pe­la po­si­ti­va quan­do fa­la­mos des­ta lo­ca­li­za­ção”, as­sim co­mo a pro­xi­mi­da­de de equi­pa­men­tos co­mer­ci­ais de mé­dia di­men­são, de en­si­no ou de saú­de, co­mo é o ca­so do Hos­pi­tal da Luz ou do Hos­pi­tal Ama­do­ra-Sin­tra. Em­bo­ra num rit­mo di­fe­ren­te, as pers­pe­ti­vas pa­ra a co­mer­ci­a­li­za­ção tam­bém são po­si­ti­vas. “O fa­tor pre­ço tem sem­pre a sua im­por­tân­cia e tam­bém exis­te nes­te lo­te­a­men­to mais ofer­ta além da nos­sa, mas nes­te en­qua­dra­men­to, es­pe­ra­mos con­se­guir con­cluir a ven­da da to­ta­li­da­de dos lo­tes até fi­nal de 2018”, ter­mi­na Ra­mi­ro Go­mes.

MIL­LEN­NIUM BCP

Os lo­tes em ven­da têm ca­pa­ci­da­de pa­ra edi­fí­ci­os de 12 fo­gos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.