Ex­pe­ta­ti­va

Publico - Imobiliario - - Opinião - Luís Li­ma

Ex­pe­ta­ti­va. É es­ta a pa­la­vra que, pa­ra mim, ca­rac­te­ri­za­rá o ano de 2018. O ano que pas­sou foi um ano mui­to po­si­ti­vo pa­ra o mer­ca­do imo­bi­liá­rio por­tu­guês. Até ao ter­cei­ro tri­mes­tre, ven­de­ram-se 110 847 ca­sas, o me­lhor nú­me­ro des­de o ano 2009, e que é um in­di­ca­dor do bom mo­men­to que o sec­tor atra­ves­sa. As es­ti­ma­ti­vas da APEMIP apon­tam pa­ra um to­tal de 152 mil ca­sas ven­di­das em 2017, nú­me­ro que po­de ir até aos 158 nu­ma pers­pe­ti­va mais oti­mis­ta. Se as­sim se con­fir­mar, se­rá um dos me­lho­res anos de sem­pre do imo­bi­liá­rio por­tu­guês. Nú­me­ros que são o re­sul­ta­do de um tra­ba­lho de pro­mo­ção le­va­do a ca­bo pe­la fi­lei­ra.

A pe­dra de toque pa­ra a re­to­ma dos ne­gó­ci­os de com­pra e ven­da de ca­sas em Por­tu­gal foi, sem dú­vi­da, o in­ves­ti­men­to es­tran­gei­ro. De­pois dos anos de es­tag­na­ção que afe­ta­ram o sec­tor, a cri­a­ção de pro­gra­mas de cap­ta­ção de in­ves­ti­men­to es­tran­gei­ro foi o pon­to de par­ti­da pa­ra a di­na­mi­za­ção do mer­ca­do imo­bi­liá­rio. Pri­mei­ro vi­e­ram os es­tran­gei­ros cu­jo in­ves­ti­men­to es­ti­mu­lou a re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na das ci­da­des, cri­ou em­pre­go, e con­ta­mi­nou o mer­ca­do do­més­ti­co que, aos pou­cos, tam­bém vol­tou ao mer­ca­do de com­pra e ven­da tam­bém in­cen­ti­va­do pe­la re­a­ber­tu­ra da tor­nei­ra do cré­di­to pe­lo sec­tor fi­nan­cei­ro, ain­da que com mai­o­res cau­te­las do que an­ti­ga­men­te.

Pa­ra o ano que se ini­ci­ou, as pers­pe­ti­vas são, pa­ra já, po­si­ti­vas, e se não acon­te­cer ne­nhu­ma des­gra­ça que nos se­ja com­ple­ta­men­te alheia e se o Go­ver­no co­la­bo­rar ao não in­ven­tar me­di­das que pos­sam de­sin­cen­ti­var o in­ves­ti­men­to (fa­lo, por exem­plo, da ideia es­ta­pa­fúr­dia de dei­xar nas mãos dos con­dó­mi­nos a de­ci­são so­bre se os pro­pri­e­tá­ri­os de de­ter­mi­na­da fra­ção po­de­rão co­lo­cá­la ou não no mer­ca­do de alo­ja­men­to lo­cal). Se tu­do cor­rer bem e sem so­bres­sal­tos, o imo­bi­liá­rio po­de­rá cres­cer es­te ano cer­ca de 30%.

Um nú­me­ro po­si­ti­vo, que de­ve­rá ser tam­bém acom­pa­nha­do por um au­men­to sus­ten­tá­vel dos pre­ços do imo­bi­liá­rio. E su­bli­nho sus­ten­tá­vel, pois su­bi­das de pre­ços des­me­di­das são pe­ri­go­sas pa­ra o mer­ca­do e pa­ra a nos­sa eco­no­mia. Por is­so, tam­bém se apre­sen­tam no ho­ri­zon­te al­guns de­sa­fi­os, que se pren­dem es­sen­ci­al­men­te com a ne­ces­si­da­de de re­po­si­ção do stock de ati­vos, atra­vés do re­gres­so à cons­tru­ção no­va, em par­ti­cu­lar nas prin­ci­pais ci­da­des do país, on­de a pro­cu­ra es­tá mui­to su­pe­ri­or à ofer­ta exis­ten­te, de­se­qui­li­bran­do o mer­ca­do e im­pul­si­o­nan­do o au­men­to de pre­ços a ní­veis que a gran­de mai­o­ria das fa­mí­li­as por­tu­gue­sas não con­se­gue su­por­tar.

Lis­boa e Por­to so­frem já des­te mal, sen­do ne­ces­sá­ria a ur­gen­te apli­ca­ção de po­lí­ti­cas ha­bi­ta­ci­o­nais que po­dem e de­vem pas­sar pe­las mãos do Es­ta­do e das Au­tar­qui­as. Dis­po­ni­bi­li­zar no mer­ca­do ati­vos a pre­ços mais aces­sí­veis ou ce­le­brar par­ce­ri­as com pri­va­dos, in­cen­ti­van­do-os a cons­truir pa­ra co­lo­car no mer­ca­do ati­vos que as fa­mí­li­as e jo­vens por­tu­gue­ses con­si­gam pa­gar, são op­ções que de­vem es­tar na mi­ra de quem nos Go­ver­na, e há di­nhei­ro pa­ra re­a­li­zar es­te in­ves­ti­men­to e es­tes in­cen­ti­vos, quan­to mais não se­ja atra­vés da re­cei­ta fis­cal do IMT ou IMI.

No que diz res­pei­to ao ar­ren­da­men­to ur­ba­no, o Es­ta­do co­me­çou fi­nal­men­te a dar os pri­mei­ros pas­sos no in­cen­ti­vo ao ar­ren­da­men­to aces­sí­vel e à di­na­mi­za­ção des­te mer­ca­do, es­tan­do pre­vis­tos in­cen­ti­vos fis­cais aos pro­pri­e­tá­ri­os que co­lo­quem as su­as ca­sas no mer­ca­do a pre­ços que as fa­mí­li­as con­si­gam su­por­tar, um si­nal po­si­ti­vo que, ape­sar de não re­sol­ver de­cer­to to­dos os pro­ble­mas, abre o ca­mi­nho pa­ra um fu­tu­ro mais ri­so­nho pa­ra um seg­men­to que tem si­do vo­ta­do ao es­que­ci­men­to ou en­tre­gue a me­di­das ine­fi­ca­zes que nun­ca to­ca­ram no fun­da­men­tal: a fis­ca­li­da­de. Que es­te se­ja mais um ano po­si­ti­vo!

Pre­si­den­te da APEMIP luis­li­ma@apemip.pt

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.