Vis­tos Gold não po­dem cair no es­que­ci­men­to

Publico - Imobiliario - - Opinião -

OP­ro­gra­ma dos Vis­tos Gold, em ma­té­ria de cap­ta­ção de in­ves­ti­men­to es­tran­gei­ro, tra­du­ziu-se num su­ces­so sem pre­ce­den­tes. De fac­to, se olhar­mos pa­ra os nú­me­ros fa­cil­men­te se con­clui que ne­nhu­ma ou­tra me­di­da es­tru­tu­ra­da con­se­guiu cap­tar in­ves­ti­men­to es­tran­gei­ro pa­ra o imo­bi­liá­rio, co­mo es­te re­gi­me. Es­ta­mos a fa­lar de 3,086 mil mi­lhões de eu­ros, ou se­ja, 90,4% do to­tal apu­ra­do no âm­bi­to des­te Pro­gra­ma, que ge­ra­ram mais de 210 mi­lhões de eu­ros em re­cei­tas di­re­tas pa­ra o Es­ta­do e um con­jun­to mui­to sig­ni­fi­ca­ti­vo de efei­tos po­si­ti­vos em di­ver­sos ou­tros se­to­res, co­mo o co­mér­cio e o tu­ris­mo.

Mas, es­te Pro­gra­ma re­co­nhe­ci­do por to­dos co­mo uma for­te ala­van­ca pa­ra a eco­no­mia do nos­so País, es­tag­nou. Se no iní­cio do ano as ex­pec­ta­ti­vas ge­ra­das até po­di­am ser po­si­ti­vas, com ní­veis de in­ves­ti­men­to que, no pri­mei­ro tri­mes­tre, re­gis­ta­ram va­lo­res men­sais aci­ma dos 100 mi­lhões de eu­ros, atin­gin­do-se mes­mo, em mar­ço, o re­cor­de de 192 mi­lhões cap­ta­dos, a ver­da­de é que, daí em di­an­te, en­trá­mos num pro­ces­so de re­tra­ção pro­fun­da, ten­do-se fe­cha­do o ano com ape­nas 30 mi­lhões em de­zem­bro.

Por­tu­gal con­ti­nua a ser o mes­mo. É um País que dis­põe de con­di­ções úni­cas, in­ter­na­ci­o­nal­men­te re­co­nhe­ci­das, pe­lo que o que a ques­tão que se co­lo­ca é a efe­ti­va ca­pa­ci­da­de de apro­vei­tar aqui­lo que te­mos de me­lhor. É aqui que re­si­de o cer­ne da ques­tão. Há que ul­tra­pas­sar ra­pi­da­men­te os en­tra­ves bu­ro­crá­ti­cos que es­tão per­fei­ta­men­te iden­ti­fi­ca­dos e re­co­lo­car em ple­no fun­ci­o­na­men­to um Pro­gra­ma que é es­sen­ci­al pa­ra o nos­so País. Con­ti­nua a ser uma opor­tu­ni­da­de úni­ca pa­ra va­lo­ri­zar o nos­so pa­tri­mó­nio, re­a­bi­li­tar as nos­sas ci­da­des e ge­rar cres­ci­men­to eco­nó­mi­co sus­ten­ta­do e em­pre­go. Não exis­tem quais­quer ra­zões que jus­ti­fi­quem a atu­al si­tu­a­ção, tan­to mais que, apa­ren­te­men­te, os pro­ble­mas es­tão as­so­ci­a­dos a me­ras ques­tões de or­ga­ni­za­ção in­ter­na dos ser­vi­ços do Es­ta­do e da sua ca­pa­ci- da­de de res­pos­ta e, fe­liz­men­te, os in­ves­ti­do­res ain­da con­ti­nu­am in­te­res­sa­dos em in­ves­tir no nos­so País.

Re­cor­do que em 2015, pa­ra além do aper­fei­ço­a­men­to da re­gu­la­men­ta­ção, no sen­ti­do de cri­ar me­ca­nis­mos de con­tro­lo e uni­for­mi­za­ção do pro­ce­di­men­to de con­ces­são das au­to­ri­za­ções de re­si­dên­cia, o re­gi­me foi me­lho­ra­do. Cor­res­pon­den­do às nos­sas pro­pos­tas, a ati­vi­da­de de in­ves­ti­men­to pas­sou a in­cluir, de for­ma ex­pres­sa, a re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na, uma ma­té­ria que con­ti­nua a ser uma pri­o­ri­da­de na­ci­o­nal, mas que, no en­tan­to, tar­da em ga­nhar a di­nâ­mi­ca que é exi­gi­da, pe­lo que es­te é po­de­ria cons­ti­tuir um con­tri­bu­to im­por­tan­te. Ve­ja-se que até ao fi­nal do ano pas­sa­do, ti­nham si­do atri­buí­dos, ape­nas, 84 Vis­tos Gold, por via do in­ves­ti­men­to em re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na, sen­do que 75, fo­ram con­ce­di­dos du­ran­te o ano de 2017. Ou se­ja, em 12 me­ses, fo­ram cap­ta­dos re­cur­sos ex­ter­nos pa­ra in­ves­ti­men­to em Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na que as­cen­de­ram a vin­te e se­te mi­lhões de eu­ros. É um cres­ci­men­to ine­gá­vel, que não de­ve­rá ser des­cu­ra­do. An­tes pe­lo con­trá­rio, po­de e de­ve ser po­ten­ci­a­do.

O “Pro­gra­ma In­ter­na­ci­o­na­li­zar”, apro­va­do pe­lo Go­ver­no, apre­sen­ta co­mo pri­o­ri­tá­rio, o In­ves­ti­men­to Es­tran­gei­ro, atra­vés de pro­gra­mas de atra­ção di­ri­gi­dos a pú­bli­cos-al­vo, co­mo é o ca­so dos Vis­tos Gold, re­co­nhe­cen­do, ain­da, a ne­ces­si­da­de de va­lo­ri­zar a sua uti­li­za­ção, pon­de­ran­do a cri­a­ção, de­sig­na­da­men­te, de no­vos ti­pos. Po­rém, sem pre­juí­zo do alar­ga­men­to do re­gi­me a no­vas re­a­li­da­des, não há que “in­ven­tar a ro­da”. Há que, em pri­mei­ro lu­gar, con­so­li­dar so­lu­ções, co­mo é o ca­so da Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na, cu­jo re­sul­ta­do é, com­pro­va­da­men­te, po­si­ti­vo. Es­te é um de­sa­fio, ao qual os nos­sos res­pon­sá­veis po­lí­ti­cos têm de cor­res­pon­der. Pa­ra que as­sim se­ja, há que des­blo­que­ar o Pro­gra­ma dos Vis­tos Gold e vol­tar a afir­mar in­ter­na­ci­o­nal­men­te a sua com­pe­ti­ti­vi­da­de.

Pre­si­den­te da AICCOPN – As­so­ci­a­ção dos In­dus­tri­ais da Cons­tru­ção Ci­vil e Obras Pú­bli­cas

Ma­nu­el Reis Campos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.