Pre­ço da ha­bi­ta­ção con­ti­nu­a­rá a cres­cer es­te ano

Ape­sar do au­men­to da ofer­ta pre­vis­to pa­ra 2018 em Lis­boa, o pre­ço mé­dio das ca­sas de­ve su­bir 5%

Publico - Imobiliario - - Atualidade -

As ven­das de ca­sas ba­te­rão no­vos re­cor­des his­tó­ri­cos em 2018. Se­gun­do Patrícia Clí­ma­co, Part­ner da Cas­te­lha­na, é ex­pec­tá­vel que es­te ano “o nú­me­ro de ven­das de ca­sas de­va atin­gir um no­vo his­tó­ri­co”, es­pe­ran­do “su­pe­rar o re­cor­de de 2006. Bas­ta cres­cer­mos 10% ou 12%”, ex­pli­cou.

Du­ran­te a con­fe­rên­cia “Ten­dên­ci­as do Mer­ca­do Imo­bi­liá­rio 2018”, pro­mo­vi­da pe­la con­sul­to­ra CBRE, foi re­fe­ri­do que atu­al­men­te, a pro­cu­ra “é cla­ra­men­te su­pe­ri­or, e de­sa­jus­ta­da, à re­gis­ta­da an­tes da cri­se”, até por­que “nos pro­je­tos no­vos, a pro­cu­ra es­tran­gei­ra re­pre­sen­ta 40% a 50%, e não exis­tia nes­sa al­tu­ra”. E as ven­das em plan­ta do­mi­nam, re­pre­sen­tan­do 90% dos ne­gó­ci­os, avan­çou Cris­ti­na Arou­ca, di­re­to­ra de Re­se­ar­ch da CBRE.

“A no­va ofer­ta em Lis­boa vai qua­se du­pli­car em 2018, mas se­rá in­su­fi- ci­en­te”, pois “vai con­ti­nu­ar a cen­trar­se mui­to no cen­tro his­tó­ri­co”. E sur­gi­rão “no­vas ti­po­lo­gi­as até T4, mas com di­men­sões sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te in­fe­ri­o­res às tra­di­ci­o­nais” pa­ra es­te ti­po de ca­sa, “de for­ma a con­tro­lar o va­lor to­tal”, já que o pre­ço mé­dio de ven­da em Lis­boa é de 6000 eu­ros/ m². E es­ti­ma que os va­lo­res cres­çam cer­ca de 5% em 2018. Pre­ços mais aces­sí­veis, “só quan­do ar­ran­ca­rem os gran­des pro­je­tos com mais imó­veis fo­ra des­tas zo­nas pri­me”, diz a mes­ma res­pon­sá­vel.

Re­ta­lho e ho­téis em des­ta­que

O op­ti­mis­mo con­ti­nu­ar a im­pe­rar no se­tor: “Res­tam pou­cas dú­vi­das de que vai con­ti­nu­ar a ser um ex­ce­len­te ano em ter­mos de in­ves­ti­men­to imo­bi­liá­rio”, acre­di­ta a CBRE. O vo­lu­me in­ves­ti­do em imo­bi­liá­rio co­mer­ci­al po­de su­pe­rar os 2600 mi­lhões de eu­ros.

Nu­no Nu­nes, Se­ni­or Di­rec­tor de Ca­pi­tal Mar­kets, re­fe­re que, de­pois de um in­ves­ti­men­to de 2200 mi­lhões em 2017, o ce­ná­rio man­tém-se po­si­ti­vo, pois “te­mos uma boa ba­se ma­cro­e­co­nó­mi­ca e há ex­ces­so de li­qui­dez nos mer­ca­dos in­ter­na­ci­o­nais. Fun­dos co­mo a Apol­lo, Ori­on, Blacks­to­ne ou Lo­nes­tar não têm en­con­tra­do opor­tu­ni­da­des ade­qua­das ao que pro­cu­ram na Eu­ro­pa, e es­tão dis­po­ní­veis pa­ra in­ves­tir cen­te­nas de mi­lhões no nos­so mer­ca­do”, re­fe­riu.

Es­te ano, o re­ta­lho vai re­pre­sen­tar a mai­or par­te do vo­lu­me in­ves­ti­do. Nu­no Nu­nes avan­ça que há “oi­to a 10 cen­tros co­mer­ci­ais a ser tran­sa- ci­o­na­dos”. Se­guem-se os es­cri­tó­ri­os, po­den­do ser fe­cha­das ven­das de dois edi­fí­ci­os com va­lo­res aci­ma dos 30 a 50 mi­lhões de eu­ros. “A sur­pre­sa po­de­rá vir do se­tor ho­te­lei­ro, a fe­char­se a ven­da de du­as uni­da­des aci­ma dos 50 mi­lhões de eu­ros”. Pa­ra es­te res­pon­sá­vel, es­te po­de mes­mo ser “o ter­cei­ro se­tor mais ati­vo”.

No ca­so da ho­te­la­ria, Edu­ar­do Abreu, da Ne­o­tu­ris, afir­mou que a “pro­cu­ra vai con­ti­nu­ar a cres­cer aci­ma da ofer­ta”, com “me­lho­res ocu­pa­ções e me­lho­res pre­ços mé­di­os” – nes­te úl­ti­mo ca­so, aci­ma dos 10%, afir­mou-, que irão re­fle­tir bas­tan­te no de­sem­pe­nho eco­nó­mi­co da ope­ra­ção ho­te­lei­ra”. Pa­ra além da “di­ver­si­fi­ca­ção dos mer­ca­dos emis­so­res”, es­te res­pon­sá­vel des­ta­ca ain­da “no­vos con­cei­tos na ho­te­la­ria” e o au­men­to da pre­sen­ça de ca­dei­as in­ter­na­ci­o­nais no país.

Ven­das em plan­ta re­pre­sen­tam 90% dos ne­gó­ci­os de ha­bi­ta­ção no­va

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.