Se­rá que ain­da não com­pen­sa ins­ta­lar um ar con­di­ci­o­na­do?

Publico - Imobiliario - - Soluções De Aquecimento -

Com a che­ga­da tar­dia do in­ver­no, pa­re­cia que nin­guém pre­via a que­bra ga­lo­pan­te das tem­pe­ra­tu­ras em de­zem­bro e ja­nei­ro. Nu­ma al­tu­ra em que o pla­ne­a­men­to pon­de­ra­va já re­di­re­ci­o­nar o seu fo­co pa­ra as es­tra­té­gi­as de ar­re­fe­ci­men­to de 2018, viu-se obri­ga­do a acom­pa­nhar até cer­ta par­te a in­cons­tân­cia do cli­ma e a pro­lon­gar as su­as es­tra­té­gi­as de aque­ci­men­to.

Du­ran­te es­tas épo­cas al­tas das mas­sas de ar frio, os ra­di­a­do­res e aque­ce­do­res (óleo, gás ou elé­tri­cos) são os mais re­cor­ri­dos pre­fe­ren­ci­al­men­te pe­la so­lu­ção efi­caz num cur­to es­pa­ço de tem­po. No en­tan­to, mui­tas ve­zes a fa­tu­ra apa­re­ce ape­nas no fim do mês com os va­lo­res re­fle­ti­dos na ele­tri­ci­da­de ou quan­do su­ce­dem pe­que­nos in­ci­den­tes, no­me­a­da­men­te com cri­an­ças per­to des­tes equi­pa­men­tos.

É por­tan­to ne­ces­sá­rio cha­mar a aten­ção pa­ra que o aque­ci­men­to di­to do­més­ti­co vol­te o seu fo­co pa­ra o que se tem vin­do a re­a­li­zar nas no­vas em­prei­ta­das e até mes­mo no pe­que­no co­mér­cio.

Ar con­di­ci­o­na­do, bom­bas de ca­lor e sis­te­mas de ener­gia so­lar con­ti­nu­am a apre­sen­tar os me­lho­res va­lo­res a ní­vel de con­su­mo ener­gé­ti­co a lon­go pra­zo, mes­mo ten­do em con­ta o ca­pi­tal ini­ci­al in­ves­ti­do. Exis­tem vá­ri­as op­ções, ca­da uma de­las mais ajus­ta­da ao es­pa­ço em ques­tão (en­tre a ofer­ta de kW dis­po­ní­vel) e sem­pre com a op­ção de acres­cen­tar equi­pa­men­to se ne­ces­sá­rio for.

Par­te im­por­tan­te das ini­ci­a­ti­vas a to­mar é des­mis­ti­fi­car o con­cei­to de que o ar con­di­ci­o­na­do é ape­nas uma so­lu­ção pa­ra re­fres­car o am­bi­en­te, quan­do em 2018 gran­de par­te des­tes apa­re­lhos, se não to­dos, apre­sen­ta na sua cons­ti­tui­ção bom­bas de ca­lor e sis­te­ma In­ver­ter.

O aque­ci­men­to é mais am­plo e me­nos in­ci­den­te, pre­ve­nin­do pe­que­nas gri­pes ou cons­ti­pa­ções que ad­vêm da pas­sa­gem de zo­nas com ra­di­a­do- res pa­ra o ex­te­ri­or. Al­gu­mas mar­cas co­mo a Hi­ta­chi e Hai­er apre­sen­tam ain­da sen­so­res de mo­vi­men­to, luz e pre­sen­ça, com o úni­co ob­je­ti­vo de ade­quar a cli­ma­ti­za­ção aos que de­la usu­fru­em. Já a Sharp es­tá co­mo sem­pre fo­ca­da em ob­ter os mes­mos re­sul­ta­dos en­quan­to li­ber­ta pe­que­nas par­tí­cu­las plas­ma­clus­ter que atu­am na io­ni­za­ção do ar. Aque­ça-se, mas man­te­nha o seu pa­no­ra­ma eco­nó­mi­co bas­tan­te pre­sen­te.

DR

Mer­ca­do ofe­re­ce vá­ri­as op­ções ajus­ta­das ao es­pa­ço em ques­tão

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.