Efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca abre por­tas ao fi­nan­ci­a­men­to

Publico - Imobiliario - - Soluções De Aquecimento - Fer­nan­da Cer­quei­ra

A efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca es­tá a con­so­li­dar uma po­si­ção pri­o­ri­tá­ria en­tre as pre­o­cu­pa­ções dos in­ves­ti­do­res, se­ja no aces­so ao apoio fi­nan­cei­ro e be­ne­fí­ci­os fi scais ou quan­do têm de de­fi­nir um pro­je­to co­mo “um bom in­ves­ti­men­to”.

Os pou­co mais de 30 anos que me­dei­am o pri­mei­ro re­gu­la­men­to de ges­tão de con­su­mo de ener­gi­as, mui­to di­re­ci­o­na­do pa­ra a in­dús­tria e se­to­res da res­tau­ra­ção e ho­te­la­ria, e o Re­gu­la­men­to so­bre o De­sem­pe­nho Ener­gé­ti­co dos Edi­fí­ci­os «mu­da­ram men­ta­li­da­des», re­co­nhe­ce So­fia San­tos, se­cre­tá­ria ge­ral da BCSD Por­tu­gal, no âm­bi­to do even­to In­ves­tor Days. “Os in­ves­ti­do­res es­tão a pro­cu­rar mais in­for­ma­ção so­bre a res­pon­sa­bi- li­da­de am­bi­en­tal das em­pre­sas, so­bre as so­lu­ções ener­gé­ti­cas e co­me­çam a ava­li­ar os re­tor­nos a mé­dio/lon­go quan­do a ques­tão é ‘o que é um bom in­ves­ti­men­to?’”. E acres­cen­ta que tam­bém “a ban­ca co­me­ça a en­ten­der co­mo a ener­gia e efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca, em par­ti­cu­lar, são pres­su­pos­tos es­sen­ci­ais da sus­ten­ta­bi­li­da­de e vi­a­bi­li­da­de do ne­gó­cio”.

É uma no­va re­a­li­da­de “ala­van­ca­da pe­las gran­des op­ções po­lí­ti­cas”, que de há vá­ri­os anos a es­ta par­te têm pro­mo­vi­do a “mul­ti­pli­ca­ção de be­ne­fí­ci­os fi scais e a cri­a­ção de no­vos ins­tru­men­tos fi­nan­cei­ros e pro­gra­mas de apoio à re­a­bi­li­ta­ção ener­gé­ti­ca do par­que edi­fi ca­do na­ci­o­nal”, sa­li­en­tou João Cor­reia Ber­nar­do, di­re­tor de ser­vi­ços da Di­re­ção de Ser­vi­ços de Sus­ten­ta­bi- li­da­de Ener­gé­ti­ca da Di­re­ção Ge­ral de Ener­gia e Ge­o­lo­gia (DGEG).

No de­cor­rer des­te ano são es­pe­ra­dos dois im­por­tan­tes con­tri­bu- tos, em du­as áre­as dis­tin­tas: por um la­do, a re­vi­são do De­cre­to-Lei n.º 118/2013, que apro­va o Sis­te­ma de Cer­ti­fi­ca­ção Ener­gé­ti­ca dos Edi- fí­ci­os, o Re­gu­la­men­to de De­sem­pe­nho Ener­gé­ti­co dos Edi­fí­ci­os de Ha­bi­ta­ção e o Re­gu­la­men­to de De­sem­pe­nho Ener­gé­ti­co dos Edi­fí­ci­os de Co­mér­cio e Ser­vi­ços. Por ou­tro, o ar­ran­que do pro­gra­ma Ca­sa Efi­ci­en­te, com uma pro­pos­ta de fi­nan­ci­a­men­to de 100 mi­lhões de eu­ros e que po­de ala­van­car in­ves­ti­men­tos até aos 200 mi­lhões de eu­ros.

Na oca­sião, So­fia San­tos apon­tou tam­bém o “nú­me­ro cres­cen­te de in­ves­ti­do­res que co­me­çam a ali­e­nar ca­pi­tais dos seus fun­dos de pen­são in­ves­ti­dos em em­pre­sas de com­bus­tí­veis fós­seis”. Mas há mais in­di­ca­do­res des­ta no­va di­nâ­mi­ca. “Em 2016 o in­ves­ti­men­to em efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca au­men­tou 9%, fa­ce a 2015, o úni­co seg­men­to do se­tor da ener­gia que au­men­tou”, re­fe­riu João Cor­reia Ber­nar­do.

DR

No­va re­a­li­da­de tem pro­mo­vi­do a mul­ti­pli­ca­ção de be­ne­fí­ci­os fis­cais

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.