So­lu­ções de­pen­den­tes do “bom e mau tem­po” nun­ca são es­tra­té­gi­as só­li­das para um ne­gó­cio

O mer­ca­do da cli­ma­ti­za­ção sem­pre te­ve re­gras mui­to pró­pri­as, res­pon­den­do a inú­me­ras ques­tões que vão mui­to além da ca­pa­ci­da­de de cli­ma­ti­zar es­pa­ços na res­pos­ta a acor­dos po­lí­ti­co­e­co­nó­mi­cos, efi­ci­ên­ci­as ener­gé­ti­cas, pre­o­cu­pa­ções am­bi­en­tais, qua­li­da­de e man

Publico - Imobiliario - - Climatização E Isolamento Na Ru -

O mer­ca­do da cli­ma­ti­za­ção não é pro­pri­a­men­te “ape­nas” cli­ma­ti­zar es­pa­ço na res­pos­ta a acor­dos po­lí­ti­co- eco­nó­mi­cos, efi­ci­ên­ci­as ener­gé­ti­cas, pre­o­cu­pa­ções am­bi­en­tais, qua­li­da­de e ma­nu­ten­ção dos ma­te­ri­ais e com­pe­ti­ti­vi­da­de, dis­se Su­sa­na Pe­ne­do, di­re­to­ra de mar­ke­ting da Ef­cis. A res­pon­sá­vel ad­mi­te que es­te úl­ti­mo ano tem so­fri­do “vi­o­len­tas al­te­ra­ções”, “des­de a en­tra­da das po­lí­ti­cas ul­tra­li­be­rais e mu­dan­ça de cons­ci­en­ci­a­li­za­ção on­de a po­lí­ti­ca de pre­ço se so­bre­põe aos va­lo­res na­ci­o­nais e ao cres­ci­men­to e di­na­mi­za­ção eco­nó­mi­ca do país”. Daí que, ad­vo­ga Su­sa­na Pe­ne­do, es­ta si­tu­a­ção, “ali­a­da à ten­ta­ti­va de mo­no­po­li­za­ção do ne­gó­cio das gran­des mar­cas, faz com que pos­sa sur­gir uma fal­ta de sen­si­bi­li­za­ção para as diferenças mar­can­tes, co­mo é o ca­so do mer­ca­do por­tu­guês e es­pa­nhol na área da ex­pan­são”.

Ao ní­vel de so­lu­ções que atu­al­men­te o cli­en­te mais pri­vi­le­gia, Su­sa­na Pe­ne­do sa­li­en­tou que, no que diz res­pei­to ao mer­ca­do de ex­pan­são di­re­ta, os mu­rais, cas­se­tes e con­so­las con­ti­nu­am nos tops de pre­fe­rên­ci­as de­vi­do à sua am­bi­va­lên­cia de cli­ma­ti­zar tan­to nas épo­cas fri­as co­mo quen­tes. “No en­tan­to, o VRF man­tém a ten­dên­cia de ga­nhar pro­ta­go­nis­mo pe­la sua ver­sa­ti­li­da­de e qua­li­da­de de de­sem­pe­nho”. Já ao ní­vel in­dus­tri­al, ex­pli­ca que o aque­ci­men­to por ener­gia so­lar e ir­ra­di­a­ção tem ga­nho pro­ta­go­nis­mo “pe­la aber­tu­ra de cons­ci­ên­cia em re­la­ção à pou­pan­ça ener­gé­ti­ca a me­dio/lon­go pra­zo e pre­o­cu­pa­ção am­bi­en­ta, uti­li­zan­do um dos mai­o­res re­cur­sos naturais: o Sol”.

Bom tem­po, mau tem­po

De res­to, nos úl­ti­mos anos, Su­sa­na Pe­ne­do é da opi­nião que as so­lu­ções de­pen­den­tes do “bom e mau tem­po” nun­ca são es­tra­té­gi­as só­li­das para um ne­gó­cio. “Po­dem ape­nas ser con­si­de­ra­das co­mo ex­tras num per­cur­so. Nes­te sen­ti­do, a apos­ta nos VRF (na área DX) no­me­a­da­men­te no VRF Cen­tri­fu­go é uma for­te apos­ta da Hi­ta­chi, que pen­sa não só na qua­li­da­de com­pro­va­da do de­sem­pe­nho, co­mo no cli­en­te pro­je­tis­ta que con­se­gue so­lu­ções mais cri­a­ti­vas e mais ade­qua­das à di­na­mi­za­ção eco­nó­mi­ca, per­mi­te ao cli­en­te ins­ta­la­dor que ope­ra com um equi­pa­men­to mais ver­sá­til, ofe­re­cen­do efi­ci­ên­cia e ren­di­men­to eco­nó­mi­co ao cli­en­te fi­nal que be­ne­fi­cia do pro­du­to”. A di­re­to­ra de mar­ke­ting da Ef­cis ga­ran­te que, na área in­dus­tri­al, a Ci­at con­ti­nua a mos­trar o seu la­do ope­ra­ci­o­nal e di­nâ­mi­co man­ten­do a no­to­ri­e­da­de in­to­cá­vel. “As no­vi­da­des Ci­at se­rão apre­sen­ta­das es­te ano em Por­tu­gal e es­ta­mos con­fi­an­tes nos re­sul­ta­dos no mer­ca­do”.

Para se di­fe­ren­ci­a­rem da con­cor­rên­cia, a em­pre­sa apos­ta, aci­ma de tu­do, na va­ri­e­da­de de pro­du­tos, ser­vi­ços e mer­ca­dos on­de atua. “As po­li­ti­cas in­ter­nas de pri­ma­zia à eco­no­mia por­tu­gue­sa é, sem du­vi­da, um dos nos­sos ‘stat­ments’ co­mo, aliás, sem­pre o foi”.

A di­re­to­ra de mar­ke­ting es­cla­re­ce que “es­ta po­si­ção im­pli­ca uma per­so­na­li­za­ção e cui­da­do com ca­da cli­en­te não só nos equi­pa­men­tos ven­di­dos (que tem obri­ga­to­ri­a­men­te de res­pon­der a cer­tos pa­drões), mas, aci­ma de tu­do, nas pes­so­as e ser­vi­ço pres­ta­do”. E ad­mi­te que ca­da ca­so é um ca­so e o acom­pa­nha­men­to é fei­to por ex­ces­so de ze­lo. “Além de pen­sar­mos nas me­lho­res so­lu­ções para cli­en­tes ten­do em con­ta as su­as ca­rac­te­rís­ti­cas, aten­de­mos a to­dos co­mo se fos­sem par­te in­te­gran­te da em­pre­sa”.

Para 2018, Ef­cis es­pe­ra um cres­ci­men­to das co­tas de VRF na área da ex­pan­são di­re­ta e con­so­li­dar o cres­ci­men­to da cli­ma­ti­za­ção in­dus­tri­al ini­ci­a­do no ano an­te­ri­or

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.