Go­ver­no pro­põe que con­tra­tos de 10 anos te­nham IRS re­du­zi­do pa­ra me­ta­de

Co­mo par­te dos in­cen­ti­vos ao mer­ca­do de ar­ren­da­men­to, o Go­ver­no quer que os con­tra­tos com du­ra­ção su­pe­ri­or a 10 anos te­nham a ta­xa li­be­ra­tó­ria re­du­zi­da de 28% pa­ra 14%, e pa­ra 10% no ca­so dos con­tra­tos a 20 anos.

Publico - Imobiliario - - Atualidade -

A me­di­da faz par­te do pa­co­te le­gis­la­ti­vo da No­va Ge­ra­ção de Po­lí­ti­cas da Ha­bi­ta­ção, apre­sen­ta­da es­ta se­ma­na no Mi­nis­té­rio do Am­bi­en­te e anun­ci­a­da pe­lo pri­mei­ro-mi­nis­tro, An­tó­nio Cos­ta, se­gun­do o qual a pro­pos­ta pre­ten­de ser “um in­cen­ti­vo ade­qua­do” pa­ra um mer­ca­do es­tá­vel. An­tó­nio Cos­ta acre­di­ta que “te­mos to­dos a ga­nhar as­se­gu­ran­do a es­ta­bi­li­da­de de um con­tra­to de ar­ren­da­men­to”, nu­ma al­tu­ra em que “a di­fi­cul­da­de de aces­so à ha­bi­ta­ção é pro­ble­ma co­mum à clas­se mé­dia e dra­má­ti­co pa­ra as no­vas ge­ra­ções”.

O pri­mei­ro-mi­nis­tro apon­tou que “não va­mos vol­tar ao ar­ren­da­men­to pa­ra to­da a vi­da, que é in­sen­sí­vel ao mer­ca­do. Mas tam­bém não po­de­mos ig­no­rar que o mer­ca­do se tem vin­do a li­be­ra­li­zar, e quem as­si­na um con­tra­to não tem qual­quer ti­po de cons­tran­gi­men­to le­gal re­la­ti­va­men­te ao pre­ço e ren­da que con­tra­ta”. Além dis­so, con­si­de­ra, “não há qual­quer se­gu­ran­ça em con­tra­tos de um ano ou três anos su­jei­tos à per­ma­nen­te pre­ca­ri­da­de”.

Por ou­tro la­do, sem avan­çar mais por­me­no­res, An­tó­nio Cos­ta avan­çou que os ar­ren­da­tá­ri­os mais ve­lhos, que já vi­vam nas su­as ca­sas “há um nú­me­ro de anos sig­ni­fi­ca­ti­vo” de­ve­rão ter “di­rei­to a vi­ver du­ra­dou­ra­men­te na ca­sa on­de há mui­to se ha­bi­tu­a­ram a vi­ver”, ou se­ja, “di­rei­to à re­no­va­ção do seu con­tra­to”.

Ren­da Aces­sí­vel é ei­xo cen­tral

O Pro­gra­ma Ren­da Aces­sí­vel é uma das com­po­nen­tes mais im­por­tan­tes des­te no­vo pa­co­te le­gis­la­ti­vo. Es­tes con­tra­tos te­rão de con­tem­plar um mínimo de três anos, e a ren­da te­rá de se si­tu­ar 20% abai­xo dos pre­ços de mer­ca­do e dos va­lo­res de re­fe­rên­cia de­fi­ni­dos pe­lo INE.

Quan­to aos in­cen­ti­vos fis­cais, os pro­pri­e­tá­ri­os con­ta­rão com isen­ção de IRS ou IMI, con­for­me o de­ter­mi­na­do pe­las au­tar­qui­as em cau­sa, so­be­ra­nas nes­ta ma­té­ria. Lis­boa, Ama­do­ra, Coim­bra ou Vi­seu já avan­ça­ram pa­ra es­te pro­gra­ma e pre­ten­dem apli­car es­tes be­ne­fí­ci­os, se­gun­do a se­cre­tá­ria de Es­ta­do da Ha­bi­ta­ção, Ana Pi­nho.

An­tó­nio Cos­ta no­tou ain­da que “os pro­pri­e­tá­ri­os não têm de subs­ti­tuir a Se­gu­ran­ça So­ci­al. Mas é do seu in­te­res­se que exis­ta um mer­ca­do de ar­ren­da­men­to aces­sí­vel ao mai­or nú­me­ro de pes­so­as pa­ra que es­se mes­mo mer­ca­do se­ja du­ra­dou­ro e efe­ti­vo. Por is­so pro­po­mos be­ne­fí­ci­os fis­cais que com­pen­sem es­sa “per­da” de ren­da ini­ci­al, de for­ma a au­men­tar es­te mer­ca­do” de ren­das aces­sí­veis. E acre­di­ta que “só au­men­tan­do a ofer­ta con­se­gui­mos ga­ran­tir que os cen­tros das ci­da­des se con­ti­nu­am a re­a­bi­li­tar e a di­na­mi­zar, sem ma­tar o turismo”. Da par­te do Es­ta­do, es­tá ga­ran­ti­da a co­lo­ca­ção “pro­gres­si­va” dos fogos da Se­gu­ran­ça So­ci­al no mer­ca­do do ar­ren­da­men­to aces­sí­vel.

Na mes­ma apre­sen­ta­ção, Ana Pi­nho, avan­çou que se­rá fei­ta “uma re­vi­são do en­qua­dra­men­to le­gis­la­ti­vo, vi­san­do a es­ta­bi­li­da­de e a se­gu­ran- ça no ar­ren­da­men­to”, a apre­sen­tar “em bre­ve”. A ne­go­ci­a­ção do seguro de ren­da faz par­te des­tas in­ten­ções. A ideia é “cor­ri­gir si­tu­a­ções de de­se­qui­lí­brio en­tre os di­rei­tos dos ar­ren­da­tá­ri­os e dos pro­pri­e­tá­ri­os re­sul­tan­tes do NRAU”.

Fa­ci­li­tar a “mo­bi­li­da­de ha­bi­ta­ci­o­nal”

Além do pro­gra­ma 1º Di­rei­to, Por­ta de En­tra­da ou do Ren­da Aces­sí­vel, já apre­sen­ta­dos, foi tam­bém anun­ci­a­do o no­vo pro­gra­ma “Da Ha­bi­ta­ção ao Ha­bi­tat”, que pre­ten­de “dar res­pos­tas aos bair­ros so­ci­ais que ain­da ca­re­cem de in­te­gra­ção”, ar­ti­cu­lan­do vá­ri­os re­cur­sos pú­bli­cos já exis­ten­tes “de uma for­ma in­te­gra­da”.

Por ou­tro la­do, o Pro­gra­ma Cha­ve­na-Mão vai fa­ci­li­tar “a mo­bi­li­da­de ha­bi­ta­ci­o­nal no ter­ri­tó­rio en­tre re­gi­mes de ocu­pa­ção de fa­mí­li­as re­si­den­tes em áre­as de for­te pres­são ur­ba­na que se fi­xem no in­te­ri­or do país”.

Es­te pro­gra­ma “quer cri­ar con­di­ções pa­ra que quem per­deu a sua ca­sa se pos­sa mo­vi­men­tar e, por ou­tro la­do, co­lo­car as ca­sas no mer­ca­do aces­sí­vel”, ex­pli­cou o pri­mei­ro-mi­nis­tro. Sem avan­çar por­me­no­res, dis­se que os imó­veis se­rão co­lo­ca­dos nes­te mer­ca­do tem­po­ra­ri­a­men­te até que os pro­pri­e­tá­ri­os os vol­tem a ocu­par.

DR

O pri­mei­ro-mi­nis­tro, An­tó­nio Cos­ta, diz que es­ta pro­pos­ta pre­ten­de ser “um in­cen­ti­vo ade­qua­do” pa­ra um mer­ca­do es­tá­vel

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.