Quin­ta do Va­le da Lou­sa quer cap­tar in­ves­ti­do­res pa­ra o Sar­do­al

O uso tu­rís­ti­co, ali­a­do à ex­plo­ra­ção agrí­co­la, po­de­rá ser o ti­po de pro­je­to que mais va­lo­ri­ze a pro­pri­e­da­de oi­to­cen­tis­ta on­de Bo­ca­ge se re­fu­gi­ou por di­ver­sas ve­zes. O ati­vo es­tá em ven­da por um mi­lhão de eu­ros

Publico - Imobiliario - - Oportunidades -

A pro­pri­e­da­de, só por si, im­pres­si­o­na! No nú­cleo cen­tral da Quin­ta do Va­le da Lou­sa exis­te uma ca­sa de ha­bi­ta­ção com mais de 630 m2, in­cluin­do, em dois pi­sos, 17 di­vi­sões as­so­a­lha­das, além das co­zi­nhas, ca­sas de banho e ar­re­ca­da­ções. O imó­vel in­te­gra ain­da uma ca­pe­la (on­de es­tá se­pul­ta­do o fun­da­dor da Quin­ta), con­vi­ven­do com ade­ga e di­ver­sos ane­xos pa­ra al­fai­as agrí­co­las. O con­jun­to edificado, de “cons­tru­ção an­ti­ga e de mui­to boa qua­li­da­de”, es­tá “ge­ne­ri­ca­men­te em bo­as con­di­ções de uti­li­za­ção”, ex­pli­ca Ra­mi­ro Go­mes, Res­pon­sá­vel de Ven­das – Gran­des Imó­veis Sul da Di­re­ção de Ne­gó­cio Imo­bi­liá­rio do Mil­len­nium bcp, ban­co que de­tém a Quin­ta com mais de 500.000 m2, on­de exis­te tam­bém zo­na de pas­ta­gem, eu­ca­lip­tal, so­brei­ros, oli­val, pinhal e po­mar de pe­rei­ras, pes­se­guei­ros, ma­ci­ei­ras e ci­tri­nos, pa­ra além de uma hor­ta e vi­nha.

A es­tas ca­ra­te­rís­ti­cas ma­te­ri­ais, acres­ce o va­lor ima­te­ri­al da pro­pri­e­da­de no con­tex­to his­tó­ri­co da re­gião. Si­tu­a­da no lu­gar de Sen­ti­ei­ras, en­tre Abran­tes e o Sar­do­al, a Quin­ta foi man­da­da cons­truir no fi­nal do sé­cu­lo XVIII por Ma­nu­el Cons­tân­cio, mé­di­co ci­rur­gião de D.Ma­ria I e na­tu­ral do con­ce­lho, o qual dá o no­me in­clu­si­ve ao Hos­pi­tal de Abran­tes e que se en­con­tra se­pul­ta­do na ca­pe­la da Quin­ta. A pro­pri­e­da­de, que se man­te­ve na fa­mí­lia des­ta per­so­na­li­da­de for­te da re­gião du­ran­te sé­cu­los, é tam­bém mui­to co­nhe­ci­da por ter si­do re­fú­gio do fa­mo­so po­e­ta Bo­ca­ge, ami­go dos fi­lhos do seu fun­da­dor. Des­ta épo­ca, res­tam ain­da di­ver­sos ele­men­tos co­mo azu­le­ja­ria e es­tá­tu­as, além da ar­qui­te­tu­ra ca­rac­te­rís­ti­ca de en­tão, que, as­so­ci­a­dos à me­mó­ria cul­tu­ral e his­tó­ri­ca da Quin­ta, “po­dem ser atra­ti­vos tu­rís­ti­cos mui­to re­le­van­tes num bu­si­ness plan e po­dem acres­cen­tar bas­tan­te va­lor à Quin­ta em com­pa­ra­ção com a ofer­ta con­cor­ren­te”, comenta Ra­mi­ro Go­mes. Pa­ra es­te res­pon­sá­vel, tra­ta-se de “um re­al ati­vo his­tó­ri­co im­pos­sí­vel de du­pli­car” e, por is­so, um ar­gu­men­to de pe­so pa­ra o po­ten­ci­al de uso tu­rís­ti­co do imó­vel, as­sim co­mo a sua lo­ca­li­za­ção. “Es­tá no cen­tro do país, em zo­na eco­lo­gi­ca­men­te bas­tan­te in­te­res­san­te, pró­xi­ma de ci­da­des co­mo Abran­tes ou Tor­res No­vas, das ati­vi­da­de flu­vi­ais de Fer­rei­ra do Zê­ze­re e com fa­ci­li­da­de de aces­sos viá­ri­os pe­la A23, o que tem bas­tan­te in­te­res­se pa­ra o mer­ca­do tu­rís­ti­co”, no­ta Ra­mi­ro Go­mes.

Es­te ti­po de ex­plo­ra­ção (tu­rís­ti­ca) é um dos que pro­me­te atrair os in­ves­ti­do­res, es­pe­ci­al­men­te nu­ma al­tu­ra em que o pró­prio con­ce­lho quer tor­nar-se nu­ma re­fe­rên­cia na­ci­o­nal na área tu­rís­ti­ca. O mu­ni­cí­pio apre­sen­tou re­cen­te­men­te a sua Es­tra­té­gia In­te­gra­da de De­sen­vol- vi­men­to, na qual o turismo é uma for­te apos­ta. A lo­ca­li­za­ção, a his­tó­ria e o pa­tri­mó­nio são iden­ti­fi­ca­dos co­mo ar­gu­men­tos do Sar­do­al pa­ra a atra­ção de tu­ris­tas, aten­tan­do-se ain­da na va­lo­ri­za­ção dos re­cur­sos na­tu­rais e en­dó­ge­nos, bem co­mo da di­men­são da ru­ra­li­da­de (turismo de na­tu­re­za e ati­vi­da­des as­so­ci­a­das ao mun­do ru­ral). Ou­tra opor­tu­ni­da­de pa­ra o po­si­ci­o­na­men­to da Quin­ta do Va­le da Lou­sa no cir­cui­to tu­rís­ti­co da re­gião pren­de-se com a es­cas­sez de ofer­ta de alo­ja­men­to no con­ce­lho (de acor­do com a im­pren­sa lo­cal aquan­do da apre­sen­ta­ção des­te pla­no, exis­tem me­nos de 50 ca­mas), com a au­tar­quia a ter co­mo li­nha es­tra­té­gi­ca de ori­en­ta­ção pa­ra es­ta área, a “pro­mo­ção do ali­nha­men­to da ini­ci­a­ti­va pri­va­da pa­ra o turismo”, com vis­ta a in­cen­ti­var o au­men­to de ofer­ta de alo­ja­men­to.

A ex­plo­ra­ção agrí­co­la da Quin­ta é ou­tra ver­ten­te de in­te­res­se pa­ra os in­ves­ti­do­res. A pro­pri­e­da­de “tem po­ten­ci­al co­mer­ci­al pa­ra pas­ta­gem, ex­plo­ra­ção de oli­val, eu­ca­lip­tal, pinhal, po­mar di­ver­so, so­brei­ros e vi­nha”, des­ta­ca Ra­mi­ro Go­mes, re­ve­lan­do que a Quin­ta “tem his­tó­ri­co agrí­co­la e es­tá pre­pa­ra­da pa­ra a res­pe­ti­va ges­tão, com al­pen­dres, ar­ma­zéns e ade­ga, além de aces­so pa­ra má­qui­nas agrí­co­las e ani­mais”. Na pers­pe­ti­va des­te res­pon­sá­vel, ali­ar es­tes dois usos (agrí­co­la e tu­rís­ti­co) de­ve­rá “mes­mo ser o ti­po de pro­je­to que mais po­de­rá va­lo­ri­zar a pro­pri­e­da­de. Exis­tem ope­ra­do­res tu­rís­ti­cos a ex­plo­rar es­pa­ços idên­ti­cos em di­fe­ren­tes zo­nas do país e es­ta Quin­ta tem ar­gu­men­tos mais do que su­fi­ci­en­tes pa­ra ser­vir o mes­mo pro­pó­si­to”. Além dis­so, os “par­ti­cu­la­res que pre­ten­dam re­a­bi­li­tar a Quin­ta ou in­ves­ti­do­res com in­te­res­se na ex­plo­ra­ção co­mer­ci­al e agrí­co­la” es­tão en­tre os pú­bli­cos de mai­or po­ten­ci­al pa­ra a aqui­si­ção, re­fe­re es­te res­pon­sá­vel.

Quin­ta atrai es­tran­gei­ros

Em ven­da por um mi­lhão de eu­ros, a Quin­ta es­tá a ge­rar bas­tan­te in­te­res­se, avan­ça Ra­mi­ro Go­mes, re­ve­lan­do que “te­mos mes­mo ex­pe­ta­ti­va de a ven­der ain­da du­ran­te o pri­mei­ro se­mes­tre do ano”. O mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal tem si­do um dos que de­mons­tra mais in­te­res­se e pro­me­te ser bas­tan­te re­le­van­te, quer pa­ra uma compra mo­ti­va­da pe­la pers­pe­ti­va de in­ves­ti­men­to (pa­ra uso tu­rís­ti­co ou agrí­co­la) quer pe­la de ha­bi­ta­ção pró­pria. “Des­ta­ca­mos o mer­ca­do fran­cês ou nór­di­co, co­mo os de mai­or po­ten­ci­al en­tre os in­ter­na­ci­o­nais”, con­si­de­ra Ra­mi­ro Go­mes.

O gos­to pe­la na­tu­re­za, pe­la vi­da tran­qui­la do cam­po e pe­las ati­vi­da­des agrí­co­las são fa­to­res que atra­em os po­ten­ci­ais com­pra­do­res es­tran­gei­ros pa­ra es­ta pro­pri­e­da­de, de acor­do com es­te res­pon­sá­vel. Não obs­tan­te, “em es­pe­ci­al pa­ra uma pri­mei­ra ou se­gun­da re­si­dên­cia e, quem sa­be, as­so­ci­ar-lhe ex­plo­ra­ção tu­rís­ti­ca, os ti­tu­la­res de pro­pri­e­da­des na re­gião ou par­ti­cu­la­res que pro­cu­ram a es­pe­ci­fi­ci­da­de e en­can­to da Quin­ta es­tão tam­bém com tan­to ou mais in­te­res­se”. E no ca­so da ex­plo­ra­ção agrí­co­la, são tam­bém “os pro­pri­e­tá­ri­os de terras lo­cais e re­gi­o­nais, ou com pro­pri­e­da­des con­tí­guas, que en­ten­dem o ne­gó­cio, as su­as ver­ten­tes e po­ten­ci­a­li­da­des” que mais se po­dem in­te­res­sar pe­lo ati­vo, ter­mi­na Ra­mi­ro Go­mes.

C­MA­RA MU­NI­CI­PAL DO SAR­DO­AL MIL­LEN­NIUM BCP

A Quin­ta do Va­le da Lou­sa po­de­rá ser uma im­por­tan­te ân­co­ra tu­rís­ti­ca e eco­nó­mi­ca pa­ra o Sar­do­al

O Sar­do­al quer po­si­ci­o­nar-se co­mo uma re­fe­rên­cia no turismo não só do Mé­dio Te­jo, co­mo de to­do o país. Lo­ca­li­za­ção, his­tó­ria, pa­tri­mó­nio re­li­gi­o­so, cul­tu­ra e na­tu­re­za são al­guns trun­fos da cha­ma­da Vi­la Jardim do Ri­ba­te­jo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.