Vi­la­mou­ra: Lo­te­a­men­to da Quin­ta do Mor­ga­di­nho em ven­da por €91 mi­lhões

A ur­ba­ni­za­ção pre­vê a cons­tru­ção de 700 fo­gos e si­tua-se na pres­ti­gi­a­da zo­na do Al­gar­ve co­nhe­ci­da co­mo “Tri­ân­gu­lo Dou­ra­do”. O potencial de su­ces­so do pro­du­to fi­nal é um dos atra­ti­vos na cap­ta­ção de in­ves­ti­do­res

Publico - Imobiliario - - Oportunidades - Su­sa­na Correia

Ainda que “tu­do de­pen­da do pro­je­to a exe­cu­tar e da es­tra­té­gia do pro­mo­tor”, diz Ra­mi­ro Go­mes (Res­pon­sá­vel de Ven­das – Gran­des Imó­veis Sul da Di­re­ção de Negócio Imo­bi­liá­rio do Mil­len­nium bcp), o lo­te­a­men­to da Quin­ta do Mor­ga­di­nho, si­tu­a­do a ape­nas 5 mi­nu­tos de Vi­la­mou­ra e in­te­gra­do no Vi­la­mou­ra Golf & Gar­den Re­sort, po­de­rá ge­rar um vo­lu­me to­tal de ven­das na or­dem dos €400 mi­lhões, pe­las es­ti­ma­ti­vas de Pau­lo Gray (Prin­ci­pal, Ma­na­ging Di­rec­tor) e Ber­nar­do Sousa Men­des (Di­rec­tor Re­al Es­ta­te), da StormHar­bour, em­pre­sa que es­tá a co­mer­ci­a­li­zar es­te ati­vo. Is­to “num ce­ná­rio de desenvolvimento e ven­da de to­das as uni­da­des e da to­ta­li­da­de da ca­pa­ci­da­de de cons­tru­ção”, di­zem os re­pre­sen­tan­tes des­ta em­pre­sa, que es­ti­mam ainda “um ho­ri­zon­te de 6 a 8 anos pa­ra a to­ta­li­da­de das ven­das a re­ta­lho do pro­du­to fi­nal”.

Pro­pri­e­da­de do Fun­do de Investimento Imo­bi­liá­rio Oceâ­ni­co II, ge­ri­do e ad­mi­nis­tra­do pe­la In­ter­fun­dos – Ges­tão de Fun­dos Imo­bi­liá­ri­os do gru­po Mil­le­nium bcp, es­te lo­te­a­men­to de 67 ha pa­ra o desenvolvimento de 700 fo­gos es­tá em ven­da por €91 mi­lhões, com o ob­je­ti­vo de ser co­lo­ca­do jun­to de ape­nas um in­ves­ti­dor/pro­mo­tor, so­bre­tu­do players “ins­ti­tu­ci­o­nais com a ca­pa­ci­da­de e per­fil pa­ra o desenvolvimento de pro­je­tos tu­rís­ti­cos de ground-up de­ve­lop­ment”, no­ta a StormHar­bour. A ca­pa­ci­da­de fi­nan­cei­ra, a ex­pe­ri­ên­cia no ra­mo imo­bi­liá­rio (es­pe­ci­al­men­te na pro­mo­ção), a tolerância ao ris­co pa­ra pro­je­tos tu­rís­ti­cos de gran­de es­ca­la com desenvolvimento, a ca­pa­ci­da­de de cri­ar va­lor, a pro­cu­ra de ren­ta­bi­li­da­de atra­vés da pro­mo­ção e a ape­tên­cia pa­ra cri­ar par­ce­ri­as lo­cais ao nível ope­ra­ci­o­nal são as­pe­tos do per­fil de in­ves­ti­dor com mai­or potencial pa­ra es­ta aqui­si­ção. Mas tam­bém “uma vi­são a mé­dio ou lon­go pra­zo, pois são ex­pe­tá­veis pra­zos alar­ga­dos pa­ra a con­clu­são do pro­je­to, ven­da e, con­se­quen­te­men­te, pa­ra o re­tor­no do investimento”, no­ta ainda Ra­mi­ro Go­mes, apon­tan­do ainda a ”vo­ca­ção in­ter­na­ci­o­nal do in­ves­ti­dor”.

Per­mi­tin­do uma área bruta de cons­tru­ção de 114.740 m2, o ter­re­no con­tem­pla 116 lo­tes, dos quais 113 pa­ra uso re­si­den­ci­al, in­cluin­do con­do­mí­ni­os re­si­den­ci­ais, edi­fí­ci­os mul­ti­fa­mi­li­a­res, mo­ra­di­as em ban­da, iso­la­das e ge­mi­na­das. Acres­cem ainda 3 lo­tes pa­ra comércio, ser­vi­ços e equi­pa­men­tos. Os es­pa­ços ver­des, que ocu­pam cer­ca de 188 mil m2, tam­bém têm um pe­so im­por­tan­te no fu­tu­ro em­pre­en­di­men­to.

A acei­ta­ção do pro­du­to fi­nal da­qui re­sul­tan­te de­ve­rá ser “mui­to boa, da­da a fal­ta de pro­du­to no­vo in­te­gra­do num re­sort ou de­sen­vol­vi­do sob es­te con­cei­to na zo­na do Tri­ân­gu­lo Dou­ra­do e do Al­gar­ve, em ge­ral,” no­ta a em­pre­sa co­mer­ci­a­li­za­do­ra. Mas tam­bém a con­so­li­da­ção do des­ti­no Vi­la­mou­ra e a sua lo­ca­li­za­ção pri­vi­le­gi­a­da jo­gam a fa­vor do em­pre­en­di­men­to. “A cen­tra­li­da­de na re­gião, a pro­xi­mi­da­de da A2, do ae­ro­por­to, da Via do In­fan­te, as con- di­ções na­tu­rais e en­tre­te­ni­men­to de qua­li­da­de na zo­na, de­ve­rão ser ân­co­ras for­tes pa­ra a atra­ção de com­pra­do­res pa­ra a ha­bi­ta­ção que aqui for pro­je­ta­da”, diz Ra­mi­ro Go­mes. A se­gun­da re­si­dên­cia de­ve­rá ser o prin­ci­pal mer­ca­do pa­ra es­te pro­je­to, cu­ja es­ca­la “per­mi­ti­rá uma seg­men­ta­ção in­ter­na em ter­mos de ga­ma e de tar­get”. Em ge­ral, “ve­mos o pro­du­to re­si­den­ci­al da Quin­ta do Mor­ga­di­nho co­mo de ga­ma mé­dia-al­ta, co­mo um de­sign di­fe­ren­ci­a­dor da en­vol­ven­te, a um preço com­pe­ti­ti­vo, com gran­de potencial de li­ga­ção ao mer­ca­do de gol­fe e a uma mar­ca ho­te­lei­ra“, diz a StormHar­bour. A pro­xi­mi­da­de às prai­as de Vi­la­mou­ra e Va­le do Lo­bo/Quin­ta do La­goa, além da com­ple­men­ta­ri­da­de fa­ce a ou­tros pro­je­tos pre­vis­tos pa­ra Vi­la­mou­ra, evi­den­ci­am igual­men­te es­te em­pre­en­di­men­to jun­to ao potencial com­pra­dor fi­nal, on­de se des­ta­cam os es­tran­gei­ros que pro­cu­ram o Al­gar­ve co­mo des­ti­no tu­rís­ti­co ou de re­for­ma, ou os que são mo­ti­va­dos pe­la ob­ten­ção do Gol­den Vi­sa ou do Es­ta­tu­to de Residente Não Ha­bi­tu­al, bem co­mo os por­tu­gue­ses, “que pro­cu­ram ca­da vez mais pro­du­to imo­bi­liá­rio pa­ra ren­ta­bi­li­da­de”.

A fa­se de desenvolvimento em que a ur­ba­ni­za­ção se en­con­tra é ou­tro trun­fo jun­to dos in­ves­ti­do­res. “Nes­te mo­men­to, há um nú­me­ro mui­to re­du­zi­do de pro­je­tos tu­rís­ti­cos com qua­li­da­de, es­ca­la e lo­ca­li­za­ção, que es­te­jam nes­te es­tá­dio de li­cen­ci­a­men­to, ou se­ja, que te­nham o pro­je­to de lo­te­a­men­to e gran­de par­te das in­fra­es­tru­tu­ras já con­cluí­das”, di­zem os res­pon­sá­veis da StormHar­bour. Tal traz “van­ta­gens ób­vi­as no tem­po ne­ces­sá­rio à con­clu­são do pro­je­to, e, por is­so, con­di­ções mui­to van­ta­jo­sas pa­ra o re­tor­no do investimento”, con­clui Ra­mi­ro Go­mes, que es­pe­ra que a ven­da des­te ati­vo es­te­ja con­cluí­da du­ran­te es­te ano.

MIL­LEN­NIUM BCP

O lo­te­a­men­to da Quin­ta do Mor­ga­di­nho pre­ten­de atrair um in­ves­ti­dor pa­ra de­sen­vol­ver o pro­je­to imo­bi­liá­rio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.