IFRRU já tem se­te con­tra­tos as­si­na­dos no va­lor de 13 mi­lhões

Publico - Imobiliario - - Atualidade - Ana Ta­va­res

Foi as­si­na­do um con­tra­to de fi­nan­ci­a­men­to com o San­tan­der Tot­ta no cen­tro de Fa­ro num in­ves­ti­men­to to­tal de 669 mil eu­ros pa­ra a re­a­bi­li­ta­ção in­te­gral de um edi­fí­cio pa­ra ha­bi­ta­ção em ar­ren­da­men­to. Se­gun­do Abel Mas­ca­re­nhas, pre­si­den­te do IFRRU 2020, es­te é o sé­ti­mo con­tra­to as­si­na­do. O pro­gra­ma tem um “pi­pe­li­ne” de in­ten­ções de in­ves­ti­men­to que já ul­tra­pas­sa os mil mi­lhões de eu­ros, que re­pre­sen­tam per­to de 400 in­ten­ções de in­ves­ti­men­to. 250 pa­re­ce­res po­si­ti­vos já fo­ram pas­sa­dos pe­los mu­ni­cí­pi­os.

Com uma do­ta­ção to­tal ini­ci­al de 1.400 mi­lhões de eu­ros, o IFRRU pre­ten­de “re­a­bi­li­tar pa­ra re­vi­ta­li­zar as nos­sas ci­da­des”, afir­mou Abel Mas­ca­re­nhas du­ran­te a 20ª Exe­cu­ti­ve Bre­ak­fast Ses­si­on or­ga­ni­za­da pe­la APPII no Ho­tel Ti­vo­li, em Lis­boa. Es­te apoio, con­si­de­ra, “é uma opor­tu­ni­da­de úni­ca que o país não po­de per­der”.

A par da divulgação do pro­je­to, o IFRRU 2020 tem vin­do a as­si­nar acor­dos de con­cre­ti­za­ção, co­mo um pro­to­co­lo com a União das Mi­se­ri­cór­di­as Por­tu­gue­sas as­si­na­do no ano pas­sa­do. Em bre­ve, anun­ci­ou Abel Mas­ca­re­nhas, “va­mos as­si­nar um pro­to­co­lo com a AICEP pa­ra cap­ta­ção de in­ves­ti­men­to es­tran­gei­ro, e um pro­to­co­lo com a APPII”, já que “os pro­mo­to­res é que vão di­na­mi­zar” o IFRRU 2020.

O IFRRU 2020 lan­çou um con­cur­so a ní­vel na­ci­o­nal pa­ra se­le­ci­o­nar os ban­cos que reu­ni­am as me­lho­res con­di­ções de fi­nan­ci­a­men­to pa­ra o efei­to. O San­tan­der Tot­ta, BPI e Mil­len­nium bcp são as úni­cas en­ti­da­des que in­te­gram es­te ins­tru­men­to.

Di­na Fer­rei­ra, vo­gal do Con­se­lho Di­re­ti­vo do IFRRU, presente na mes­ma oca­sião, ex­pli­cou que os em­prés­ti­mos “têm con­di­ções mais fa­vo­rá- veis que no mer­ca­do, com ma­tu­ri­da­des mais lon­gas do que o nor­mal”. Os pro­je­tos são con­tra­ta­dos em cer­ca de 50% de ca­pi­tais pú­bli­cos e 50% de ca­pi­tais pri­va­dos. As ta­xas de ju­ro e spre­ad po­dem ser de 0% na par­te Com uma do­ta­ção to­tal ini­ci­al de 1.400 mi­lhões de eu­ros, o IFRRU pre­ten­de “re­a­bi­li­tar pa­ra re­vi­ta­li­zar as nos­sas ci­da­des”, afir­mou Abel Mas­ca­re­nhas du­ran­te a 20ª Exe­cu­ti­ve Bre­ak­fast Ses­si­on de ca­pi­tal pú­bli­co “sem­pre que fa­la­mos de um pro­je­to to­tal­men­te ele­gí­vel aos fun­dos eu­ro­peus, que se­ja con­cre­ti­za­do de uma ARU, que te­nha si­do iden­ti­fi­ca­da pe­lo mu­ni­cí­pio”. As ta­xas de ju­ro po­dem, por is­so, re­pre­sen­tar me­ta­de das que se­ri­am con­tra­ta­das em con­di­ções normais de fi­nan­ci­a­men­to.

Por ou­tro la­do, o IFRRU não exi­ge co­mo co­la­te­ral ape­nas o imó­vel, ape­sar de ser “o pre­fe­ren­ci­al. É ne­go­ci­a­do ca­so a ca­so”, e tam­bém não é exi­gi­da per­cen­ta­gem mí­ni­ma de ca­pi­tal pró­prio.

São ele­gí­veis edi­fí­ci­os com mai­o­res ca­rên­ci­as de re­a­bi­li­ta­ção, com ida­de ou su­pe­ri­or a 30 anos ou com es­ta­do de con­ser­va­ção igual ou in­fe­ri­or a dois. Além das ARU, po­dem ser fei­tas in­ter­ven­ções em zo­nas in­dus­tri­ais aban­do­na­das, on­de po­de mes­mo ser apoi­a­da al­gu­ma cons­tru­ção no­va “pa­ra con­so­li­dar a ma­lha ur­ba­na”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.