O re­gres­so ao pas­sa­do

Publico - Imobiliario - - Opinião - Luís Li­ma

Odo­cu­men­to da No­va Ge­ra­ção de Po­lí­ti­cas de Ha­bi­ta­ção é uma ori­en­ta­ção es­tra­té­gi­ca pa­ra o Go­ver­no, que tem co­mo prioridade po­lí­ti­ca ga­ran­tir a to­dos o di­rei­to à ha­bi­ta­ção ade­qua­da em Por­tu­gal.

Es­te do­cu­men­to, que pre­vê, en­tre ou­tros ins­tru­men­tos, um con­jun­to de me­di­das de al­te­ra­ção do en­qua­dra­men­to fis­cal do mer­ca­do de ar­ren­da­men­to, tem o in­tui­to de fa­zer des­te mer­ca­do uma ver­da­dei­ra al­ter­na­ti­va ha­bi­ta­ci­o­nal, o que até en­tão não se tem ve­ri­fi­ca­do.

Os pro­ble­mas do mer­ca­do de ar­ren­da­men­to (que já têm dé­ca­das) acen­tu­am-se ago­ra com o mer­ca­do imo­bi­liá­rio em to­tal ebu­li­ção. De­pois da es­tag­na­ção a que se viu vo­ta­do no pe­río­do de cri­se eco­nó­mi­ca que aba­lou Por­tu­gal, es­ses di­as ne­gros es­tão ca­da vez mais dis­tan­tes e por ve­zes pa­re­cem até es­tar es­que­ci­dos. A re­to­ma fez- se de tal mo­do que ho­je é o pró­prio mer­ca­do a exi­gir mais stock imo­bi­liá­rio, quer pa­ra o mer­ca­do de com­pra e ven­da, quer pa­ra o mer­ca­do de ar­ren­da­men­to (em par­ti­cu­lar, nos gran­des cen­tros ur­ba­nos), pa­ra que se pos­sa dar uma res­pos­ta ade­qua­da às ne­ces­si­da­des da pro­cu­ra exis­ten­te.

E, co­mo sa­be­mos, a fal­ta de ati­vos no mer­ca­do, faz com que os preços pra­ti­ca­dos su­bam, es­tan­do, nes­te mo­men­to aci­ma do que se­ria de­se­já­vel e das possibilidades da gran­de mai­o­ria das fa­mí­li­as por­tu­gue­sas, di­fi­cul­tan­do o aces­so à ha­bi­ta­ção.

Por is­to, es­te do­cu­men­to apre­sen­ta­do pe­lo Go­ver­no pro­mo­ve al­te­ra­ções le­gis­la­ti­vas em ma­té­ria de ar­ren­da­men­to ur­ba­no, on­de se en­con­tram me­di­das cu­jo ob­je­ti­vo se­ria o de re­sol­ver as si­tu­a­ções de de­se­qui­lí­brio en­tre os di­rei­tos de se­nho­ri­os e in­qui­li­nos.

No en­tan­to, es­ta pro­pos­ta veio re­a­brir o rin­gue de bo­xe on­de se tra­va a lu­ta en­tre as du­as par­tes, uma lu­ta clás­si­ca que não se pre­vê quan­do pos­sa ter fim, de on­de nun- ca sai­rá ne­nhum ven­ce­dor, mas ape­nas per­de­do­res, que são os por­tu­gue­ses que pro­cu­ram e pre­ci­sam de uma ca­sa pa­ra vi­ver.

No con­tex­to que vi­ve­mos, o cen­tro do de­ba­te não po­de vol­tar as ser a cor­da que é pu­xa­da por pro­pri­e­tá­ri­os, de um la­do, e por in­qui­li­nos, do ou­tro, mas sim as me­di­das que po­de­rão tra­zer al­gum equi­lí­brio a um mer­ca­do que não es­tá a con­se­guir dar res­pos­ta à ga­ran­tia do aces­so à ha­bi­ta­ção.

O mer­ca­do de ar­ren­da­men­to não po­de nem de­ve ser um ce­ná­rio de lu­ta de clas­ses, e to­das as par­tes de­vem tra­ba­lhar no sen­ti­do de fa­zer com que es­te mer­ca­do fun­ci­o­ne ade­qua­da­men­te. O que es­tá ver­da­dei­ra­men­te em cau­sa é a ver­da­dei­ra di­na­mi­za­ção do mer­ca­do de ar­ren­da­men­to, atra­vés de me­di­das que pas­sam por in­cen­ti­vos fis­cais a quem pro­mo­va uma ofer­ta a preços aces­sí­veis, ou por dar ao Es­ta­do o di­rei­to de re­qui­si­tar tem­po­ra­ri­a­men­te (e me­di­an­te in­de­mi­ni­za­ção) ha­bi­ta­ções de­vo­lu­tas, o que faz to­do sen­ti­do num pe­río­do de es­cas­sez de ofer­ta e de ur­gên­cia ha­bi­ta­ci­o­nal.

Não se jus­ti­fi­ca que nos tem­pos que cor­rem con­ti­nue a exis­tir pa­tri­mó­nio de­vo­lu­to, em au­tên­ti­ca de­gra­da­ção, quan­do po­de­ria ser re­a­bi­li­ta­do e co­lo­ca­do no mer­ca­do, ao ser­vi­ço dos ci­da­dãos e das su­as ne­ces­si­da­des.

Es­tas ou­tras ques­tões, im­por­tan­tes sem dú­vi­da, per­ten­cem ao de­ba­te so­bre as fun­ções sociais do Es­ta­do que, num Es­ta­do de Di­rei­to co­mo o nos­so não po­dem ser trans­fe­ri­das pa­ra os pro­pri­e­tá­ri­os de imó­veis, nes­te di­rei­to que é o do aces­so à ha­bi­ta­ção.

Nos úl­ti­mos anos ten­tá­mos ca­mi­nhar no sen­ti­do de pro­mo­ver equi­lí­bri­os. Man­te­nha­mos es­te ca­mi­nho, e evi­te­mos o re­gres­so ao pas­sa­do cen­tran­do o de­ba­te em in­te­res­ses que não pro­mo­vem de for­ma al­gu­ma o bem co­mum.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.