Imó­veis ina­ca­ba­dos são ca­da vez mais pro­cu­ra­dos e não ape­nas pa­ra ha­bi­ta­ção

Publico - Imobiliario - - Oportunidades -

Os imó­veis com cons­tru­ção ina­ca­ba­da são ca­da vez mais pro­cu­ra­dos por pro­mo­to­res e cons­tru­to­res, ates­tam vá­ri­os pro­fis­si­o­nais do mer­ca­do imo­bi­liá­rio. “Apro­vei­tar a on­da” num mer­ca­do on­de “a vir­tu­al au­sên­cia de cons­tru­ção e edi­fí­ci­os de ha­bi­ta­ção cri­ou uma es­cas­sez de ofer­ta, re­sul­tan­do num au­men­to ge­ne­ra­li­za­do dos pre­ços” é uma das mo­ti­va­ções des­ta pro­cu­ra, que se tem acen­tu­a­do nos dois úl­ti­mos anos, no­ta Agostinho Tei­xei­ra, da Re­al Ob­jec­ti­va. “Os ati­vos ina­ca­ba­dos são um pro­du­to cu­ja pro­cu­ra é re­cen­te, mas que tem au­men­ta­do nos úl­ti­mos me­ses”, acres­cen­ta Tel­mo Pi­na, da ERA La­me­go, que atri­buiu tam­bém es­ta di­nâ­mi­ca ao “fac­to de o cré­di­to à ha­bi­ta­ção ter dis­pa­ra­do no­va­men­te, cri­an­do uma ne­ces­si­da­de de ter pro­du­to no mer­ca­do, de uma for­ma rá­pi­da, pa­ra apro­vei­tar o atu­al con­tex­to”. É que “o pro­du­to ina­ca­ba­do per­mi­te, em mui­tos ca­sos, mai­or ra­pi­dez na exe­cu­ção de obra e, em ter­mos de li­cen­ci­a­men­to, que se tra­duz em ga­nhos de tem­po e de dis­po­ni­bi­li­za­ção do pro­du­to aca­ba­do no mer­ca­do”, des­ta­ca Ema­nu­el Po­ças, da Ar­ca­da Imo­bi­liá­ria (Stª Ma­ria da Fei­ra). Na ver­da­de, “al­guns imó­veis re­que­rem ape­nas al­gu­mas al­te­ra­ções aos usos ou até al­gu­mas al­te­ra­ções de pro­je­to, mas con­se­gue-se qua­se sem­pre mais rá­pi­do do que ini­ci­ar um no­vo pro­je­to a par­tir de um ter­re­no”, acres­cen­ta Nu­no Qui­té­rio, da Re­max Whi­te.

Nu­no Mar­çal, da Di­re­ção de Ne­gó­cio Imo­bi­liá­rio do Mil­len­nium bcp, si­tua o au­men­to da pro­cu­ra pa­ra es­te ti­po de ati­vos em 2015, es­pe­ci­al­men­te “pa­ra ha­bi­ta­ção uni­fa­mi­li­ar, tan­to por par­te de cli­en­te fi­nais co­mo de pe­que­nos cons­tru­to­res, que, des­de mo­do, di­mi­nuíam o ris­co fa­ce ao re­du­zi­do in­ves­ti­men­to e fal­ta de ofer­ta no­va”. A mai­or ra­pi­dez na cons­tru­ção e li­cen­ci­a­men­to, na co­lo­ca­ção de pro­du­to no mer­ca­do e no re­tor­no do in­ves­ti­men­to co­me­ça­ram tam­bém a im­pul­si­o­nar a pro­cu­ra por ina­ca­ba­dos des­ti­na­dos ao mer­ca­do de ha­bi­ta­ção mul­ti­fa­mi­li­ar e, ca­da vez mais, pa­ra seg­men­tos não re­si­den­ci­ais. “Os ina­ca­ba­dos não se li­mi­tam ao que é re­si­den­ci­al”, su­bli­nha Nu­no Mar­çal, dan­do exem­plos de ati­vos des­ti­na­dos a co­mér­cio, ser­vi­ços ou equi­pa­men­tos so­ci­ais que o Ban­co tem em ven­da atu­al­men­te nas zo­nas Nor­te e Cen­tro. Nu­no Qui­té­rio con­fir­ma que “se no pe­río­do da cri­se ape­nas as mo­ra­di­as ina­ca­ba­das ti­nham al­gu­ma pro­cu­ra, nes­tes dois úl­ti­mos anos, a pro­cu­ra tem si­do mui­to su­pe­ri­or quer no mer­ca­do de ha­bi­ta­ção quer no de co­mér­cio e in­dús­tria”.

Mo­der­ni­zar com su­ces­so

Não obs­tan­te as van­ta­gens in­con­tor­ná­veis em ter­mos de “ti­mings de con­clu­são, va­lor pe­di­do fa­ce ao cus­to atu­al de ter­re­nos e, em al­guns ca­sos, a dis­pen­sa ou re­du­ção em ta­xas de li­cen­ci­a­men­to, enu­me­ra Ema­nu­el Po­ças, um dos ris­cos que po­de­rá ad­vir de ati­vos ina­ca­ba­dos es­tá re­la­ci­o­na­do com a an­ti­gui­da­de ou de­sa­tu­a­li­za­ção dos pro­je­tos à pro­cu­ra atu­al, já que “fo­ram nos anos de cri­se que fi­ca­ram por con­cluir mui­tos pro­je­tos nas ci­da­des e seus pe­rí­me­tros ur­ba­nos”, co­men­ta Nu­no Qui­té­rio. Mas mes­mo nes­te ca­so, “mui­tas ve­zes, é fá­cil por via de pro­je­tos de al­te­ra­ções, não tão com­ple­xos co­mo pro­je­tos de raiz, dar um re­fresh e mo­der­ni­zar o já exis­ten­te. As pes­so­as são ho­je mui­to mais aber­tas a is­so do que no pas­sa­do e vê-se ho­je al­te­ra­ções in­crí­veis e mui­to bem con­se­gui­das no mer­ca­do e com su­ces­so de ven­das”, diz Ema­nu­el Po­ças. Além dis­so, “os po­ten­ci­ais com­pra­do­res são ge­ral­men­te pes­so­as do ra­mo, que co­nhe­cem a for­ma de re­sol­ver es­tas si­tu­a­ções (bu­ro­crá­ti­cas e téc­ni­cas) e nor­mal­men­te fa­zem re­fle­tir es­tes cus­tos de re­so­lu­ção nas pro­pos­tas de aqui­si­ção”, acres­cen­ta ain­da Tel­mo Pi­na. Ain­da a fa­vor des­te ti­po de ati­vos es­tá “o apoio na co­mer­ci­a­li­za­ção dos apar­ta­men­tos aca­ba­dos sob a for­ma de fi­nan­ci­a­men­to ao cli­en­te fi­nal, já que a mai­o­ria des­tes imó­veis são co­lo­ca­dos no mer­ca­do por en­ti­da­des ban­cá­ri­as”, diz Agostinho Tei­xei­ra, con­cluin­do tra­tar-se de “um be­ne­fi­cio al­ta­men­te va­lo­ri­za­do pe­lo mer­ca­do, tor­nan­do es­te pro­du­to mui­to mais atra­ti­vo”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.