So­ta­ven­to al­gar­vio ca­da vez mais pro­cu­ra­do pa­ra tu­ris­mo re­si­den­ci­al

A au­ten­ti­ci­da­de e tran­qui­li­da­de des­ta re­gião do Al­gar­ve, as­so­ci­a­da à qua­li­da­de das ca­sas, atra­em es­tran­gei­ros e por­tu­gue­ses. Ta­vi­ra, Olhão e Cas­tro Ma­rim des­ta­cam-se.

Publico - Imobiliario - - Oportunidades - Su­sa­na Cor­reia

O So­ta­ven­to, na zo­na mais ori­en­tal do Al­gar­ve, é ca­da vez mais pro­cu­ra­do por es­tran­gei­ros, e em es­pe­ci­al os se­ni­o­res, pa­ra tu­ris­mo re­si­den­ci­al, confirmam ope­ra­do­res de mer­ca­do ao Pú­bli­co Imo­bi­liá­rio. Fa­ce à “mo­vi­da” agi­ta­da do Bar­la­ven­to, es­ta re­gião é vis­ta co­mo “mais con­for­tá­vel e cal­ma” diz Sér­gio Vi­cen­te, só­cio-ge­ren­te da me­di­a­do­ra MVP. Os be­ne­fí­ci­os fis­cais pa­ra aposentados pre­vis­tos no Re­gi­me de Re­si­den­te Não Ha­bi­tu­al são um dos atra­ti­vos, mas a ques­tão da se­gu­ran­ça tam­bém é va­lo­ri­za­da. “Os ita­li­a­nos, por exem­plo, não ti­nham o Al­gar­ve co­mo des­ti­no, mas im­pul­si­o­na­dos por es­tes be­ne­fí­ci­os e pe­la cres­cen­te in­se­gu­ran­ça na Tur­quia, co­me­ça­ram a pro­cu­rar a re­gião pri­mei­ro pa­ra ar­ren­dar, e de­pois aca­bam por com­prar”, no­ta. Fran­ce­ses, su­e­cos, fin­lan­de­ses ou bel­gas tam­bém en­tram nes­ta lis­ta, além dos já tra­di­ci­o­nais bri­tâ­ni­cos. Acres­ce que se tra­ta de “um Al­gar­ve di­fe­ren­te”, on­de “as tra­di­ções e gas­tro­no­mia são fa­to­res mui­to ape­la­ti­vos”, bem co­mo o cli­ma ame­no, a ofer­ta de gol­fe, sol e prai­as. É uma re­gião “com con­di­ções tão bo­as co­mo as que en­con­tra­mos nou­tras zo­nas mais cen­trais do Al­gar­ve, mas com um cus­to-be­ne­fí­cio bas­tan­te mais in­te­res­san­te, so­bre­tu­do nu­ma pers­pe­ti­va de 2ª ha­bi­ta­ção”, afir­ma Car­los Nu­nes, Res­pon­sá­vel de Ven­das-Re­ta­lho Sul da Di­re­ção de Ne­gó­cio Imo­bi­liá­rio (DNI) do Mil­len­nium bcp.

A qua­li­da­de dos imó­veis e a in­te­gra­ção em re­sort/con­do­mí­nio são ou­tros atra­ti­vos, es­ta úl­ti­ma vis­ta co­mo “uma for­ma de pre­ser­var e va­lo­ri­zar o seu in­ves­ti­men­to. A per­ce­ção é que há mais ga­ran­ti­as de si­tu­a­ções tão sim­ples co­mo a ma­nu­ten­ção dos imó­veis, de es­pa­ços co­muns ou jar­dins es­ta­rem as­se­gu­ra­dos nes­te ti­po de em­pre­en­di­men­to”, ex­pli­ca. Além dis­so, “quem vem de fo­ra, pre­fe­re mui­tas ve­zes in­se­rir-se nu­ma pe­que­na co­mu­ni­da­de e si­mul­ta­ne­a­men­te ter uma sen­sa­ção de se­gu­ran­ça e con­for­to, só pos­sí­vel em re­sorts e pe­que­nos con­do­mí­ni­os”, diz Pe­dro San­tos, di­re­tor ge­ral da ERA Vi­la Re­al de Stº An­tó­nio, que as­si­na­la ain­da que “os pre­ços que te­mos em re­sorts são ain­da subs­tan­ci­al­men­te mais bai­xos que em qual­quer par­te do país ou até na Eu­ro­pa”. Por is­so, con­si­de­ra Mi­guel Di­as, ge­ren­te da Cen­tury 21 Pla­za, “a ren­ta­bi­li­da­de tam­bém é mais ele­va­da”.

Olhão, Ta­vi­ra e Cas­tro Ma­rim em des­ta­que

Ta­vi­ra e Olhão, mais di­nâ­mi­cos, e Vi­la Re­al de Stº An­tó­nio e Cas­tro Ma­rim, em cres­ci­men­to, têm- se des­ta­ca­do no mer­ca­do de tu­ris­mo re­si­den­ci­al do So­ta­ven­to, re­ve­la Car­los Nu­nes. Olhão tem “sen­ti­do mui­ta pro­cu­ra pa­ra tu­ris­mo re­si­den­ci­al e 2ª ha­bi­ta­ção, es­pe­ci­al­men­te por es­tran­gei­ros, que pro­cu­ram a sua au­ten­ti­ci­da­de”, con­fir­ma Pa­trí­cia Ca­ça­dor, ge­ren­te da ERA Olhão. As ca­sas cu­bis­tas tí­pi­cas des­ta ci­da­de des­per­tam gran­de in­te­res­se, as­sim co­mo a zo­na his­tó­ri­ca e ri­bei­ri­nha, pa­ra on­de es­tá pro­je­ta­da a ex­pan­são da Ma­ri­na. “Es­tá em gran­de ex­pan­são, es­ta zo­na” e es­se tem si­do tam­bém “um dos fa­to­res de atra­ção pa­ra o Vil­la­ge Ma­ri­na”, no­ta Sér­gio Vi­cen­te, cu­ja me­di­a­do­ra es­tá a co­mer­ci­a­li­zar (as­sim co­mo a ERA Olhão) apar­ta­men­tos nes­te em­pre­en­di­men­to de­ti­do pe­lo Ban­co jun­to à Ma­ri­na de Olhão. “Há uma pro­cu­ra mui­to in­ten­sa por es­te pro­du­to”, que se di­fe­ren­cia pe­la qua­li­da­de e pe­la pis­ci­na de to­po. Pa­ra Pa­trí­cia Ca­ça­dor, a “vis­ta es­plên­di­da” so­bre a Ria For­mo­sa tam­bém é um trun­fo des­te con­do­mí­nio, pro­cu­ra­do “por re­for­ma­dos es­tran­gei­ros que pre­ten­dem um apar­ta­men­to pa­ra pas­sar par­te do ano” e por “por­tu­gue­ses que pro­cu­ram 2ª ha­bi­ta­ção pa­ra o Ve­rão ou um bom in­ves­ti­men­to pa­ra alo­ja­men­to lo­cal”.

Es­ta du­pla pers­pe­ti­va de “usu­fruir e ti­rar ren­ta­bi­li­da­de” é um dos prin­ci­pais mo­ti­va­do­res pa­ra o cres­ci­men­to do mer­ca­do de tu­ris­mo re­si­den­ci­al no So­ta­ven­to, as­si­na­la Pe­dro San­tos, pa­ra quem “o en­qua­dra­men­to na­tu­ral e qua­li­da­de de vi­da que a zo­na ofe­re­ce são ím­pa­res e ca­ti­vam ca­da vez mais pes­so­as”. A ex­pe­ri­ên­cia tem si­do es­sa em Cas­tro Ma­rim, on­de a me­di­a­do­ra es­tá a co­mer­ci­a­li­zar imó­veis no Cas­tro Ma­rim Golf & Coun­try pa­ra o Mil­len­nium bcp. Es­te re­sort tem atraí­do “os aman­tes de gol­fe eu­ro­peus que pre­ten­dem um bom in­ves­ti­men­to nu­ma zo­na ex­ce­len­te pa­ra es­ta prá­ti­ca e os por­tu­gue­ses que pre­ten­dem ad­qui­rir um imó­vel pa­ra usu­fruir de uma in­fra­es­tru­tu­ra fan­tás­ti­ca e si­mul­ta­ne­a­men­te ren­ta­bi­li­zá-la com a ges­tão que o re­sort faz”, diz.

Ta­vi­ra tam­bém é pro­mis­so­ra, com “as ven­das de imó­veis a ofe­re­ce­rem re­tor­nos con­si­de­rá­veis aos po­ten­ci­ais in­ves­ti­do­res”, no­ta Mi­guel Di­as, que es­tá a co­mer­ci­a­li­zar dois em­pre­en­di­men­tos de re­fe­rên­cia na ci­da­de pa­ra o Mil­len­nium bcp que “são mui­to pro­cu­ra­dos por in­ves­ti­do­res pa­ra ren­ta­bi­li­zar”. O Con­ven­to das Ber­nar­das tem um ele­va­do po­ten­ci­al de ar­ren­da­men­to pe­lo fac­to de “ser um con­ven­to com 500 anos, re­no­va­do pe­lo tra­ço do ar­qui­te­to Sou­to Mou­ra, lo­ca­li­za­do no cen­tro da ci­da­de e jun­to ao Par­que Na­tu­ral da Ria For­mo­sa e Sa­li­nas”. Tam­bém o Lux Ta­vi­ra tem ti­do mui­ta ade­são. “Foi re­co­nhe­ci­do e dis­tin­gui­do pe­la cri­a­ti­vi­da­de, ino­va­ção e qua­li­da­de, além de ter uma ex­ce­len­te lo­ca­li­za­ção”. O pro­fis­si­o­nal acre­di­ta que a pro­cu­ra “vá au­men­tar nes­ta épo­ca do ano”, até por­que “mui­tos emi­gran­tes vêm pro­cu­rar ca­sa”. Car­los Nu­nes con­fir­ma que “no ca­so par­ti­cu­lar de Olhão e Ta­vi­ra, te­mos ven­di­do inú­me­ros imó­veis a emi­gran­tes que que­rem ter no Al­gar­ve e, nes­ta zo­na em par­ti­cu­lar, uma pro­pri­e­da­de que lhes per­mi­ta usu­fruir da re­gião com qua­li­da­de, pe­lo me­nos uma vez por ano e por al­tu­ra das su­as fé­ri­as de Ve­rão”, ter­mi­na.

TU­RIS­MO DO AL­GAR­VE /WWW.TURISMODOALGARVE.PT

Ta­vi­ra é uma das ci­da­des que mais tem atraí­do in­ves­ti­do­res pa­ra o So­ta­ven­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.