A me­di­a­ção não de­fi­ne pre­ços

Publico - Imobiliario - - Opinião - Luís Li­ma

Em Por­tu­gal, o ca­mi­nho pe­la cre­di­bi­li­za­ção do pa­pel do me­di­a­dor imo­bi­liá­rio é um ca­mi­nho que se con­ti­nua a per­cor­rer. Co­mo em to­das as pro­fis­sões, há bons e mais pro­fis­si­o­nais, mas no que a es­ta clas­se diz res­pei­to, creio que te­mos fei­to um tra­ba­lho con­dig­no pe­la de­fe­sa do sec­tor e do ri­gor que nos de­ve ca­ra­te­ri­zar.

A pro­fis­si­o­na­li­za­ção des­tes agen­tes é uma re­a­li­da­de ca­da vez mais es­ta­be­le­ci­da, no­tan­do-se por par­te des­tes pro­fis­si­o­nais uma pre­o­cu­pa­ção cres­cen­te em reu­nir mais e me­lho­res com­pe­tên­ci­as que lhes per­mi­tam as­sim pres­tar um ser­vi­ço ca­da vez mais com­ple­to.

En­tre di­ver­sos as­pe­tos, o me­di­a­dor imo­bi­liá­rio acon­se­lha os seus cli­en­tes so­bre di­ver­sos te­mas, en­tre os quais a es­co­lha da lo­ca­li­za­ção, di­men­são do imó­vel, qua­li­da­de de cons­tru­ção, con­di­ções do ati­vo, e in­for­ma­ção so­bre en­car­gos, se­gu­ros obri­ga­tó­ri­os, en­car­gos adi­ci­o­nais ou fis­ca­li­da­de apli­ca­da.

Ca­be a es­tes pro­fis­si­o­nais imo­bi­liá­ri­os sa­tis­fa­zer as ne­ces­si­da­des do seu cli­en­te e esclarece-lo so­bre quais­quer dú­vi­das que o mes­mo te­nha, ga­ran­tin­do os seus di­rei­tos e pro­te­ção.

Mas se há coi­sa que o me­di­a­dor imo­bi­liá­rio não faz, de to­do, é co­lo­car pre­ços nos ati­vos que me­deia. Po­de até acon­se­lhar os seus cli­en­tes que que­rem ven­der, fa­zen­do um es­tu­do de mer­ca­do e ava­li­an­do os pre­ços que se pra­ti­cam em imó­veis si­mi­la­res e com se­me­lhan­te lo­ca­li­za- ção, mas os pre­ços, es­ses, nun­ca é o me­di­a­dor que os es­ta­be­le­ce.

Tem ha­vi­do um cer­to dis­cur­so po­pu­lis­ta que in­sis­te em apon­tar as imo­bi­liá­ri­as co­mo as prin­ci­pais res­pon­sá­veis pe­los pre­ços que se es­tão a pra­ti­car, quan­do ape­nas lhe ca­be um pa­pel: o de me­di­ar os in­te­res­ses do seu cli­en­te, pro­mo­ven­do o me­lhor en­con­tro en­tre a ofer­ta e a pro­cu­ra. E nem sem­pre es­ta é uma ta­re­fa fá­cil, por­que a gran­de com­ple­xi­da­de das ven­das é fa­zer com que os po­ten­ci­ais com­pra­do­res com­pre­en­dam que, por ve­zes, têm ex­pe­ta­ti­vas de­ma­si­a­do al­tas, e que os ven­de­do­res per­ce­bam que, por ve­zes, a sua ca­sa não va­le tan­to qu­an­to gos­ta­ri­am.

O mer­ca­do imo­bi­liá­rio é um mer­ca­do de cer­ta for­ma abs­tra­to e por is­so di­fí­cil de cul­pa­bi­li­zar. E em pe­río­dos co­mo o que vi­ve­mos, em que a ofer­ta é es­cas­sa e os pre­ços nos cen­tros das ci­da­des es­tão lon­ge das ne­ces­si­da­des das fa­mí­li­as por­tu­gue­sas, há uma ne­ces­si­da­de ge­ne­ra­li­za­da de apon­tar o de­do a al­guém e en­tre­gar as cul­pas pe­lo que vai mal e de­sa­gra­da.

Mas es­ta di­a­bo­li­za­ção que se ten­ta fa­zer das imo­bi­liá­ri­as, pon­do em cau­sa a sua cre­di­bi­li­da­de, é uma cul­pa que não va­mos nem po­de­mos as­su­mir co­mo nos­sa. A nós, ca­be-nos fa­zer o nos­so tra­ba­lho da me­lhor for­ma, ri­gor e trans­pa­rên­cia.

Se as ca­sas que me­di­a­mos es­tão ca­ras, é por­que os pro­pri­e­tá­ri­os as­sim o de­fi­nem e, à par­ti­da, ter­se-ão ba­se­a­do no mer­ca­do que se vai de­ter­mi­nan­do pe­la cha­ma­da “lei da ofer­ta e da pro­cu­ra”, que exis­te no imo­bi­liá­rio co­mo exis­te em qual­quer ou­tro mer­ca­do.

Po­dem as­sim ten­tar apon­tar os de­dos pa­ra ou­tro cul­pa­do, por­que as cul­pas, não es­tão de­cer­to nas imo­bi­liá­ri­as.

Ca­be a es­tes pro­fis­si­o­nais imo­bi­liá­ri­os sa­tis­fa­zer as ne­ces­si­da­des do seu cli­en­te e esclarece-lo so­bre quais­quer dú­vi­das que o mes­mo te­nha, ga­ran­tin­do os seus di­rei­tos e pro­te­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.