Ta­xas dos al­va­rás de­vem ser re­vis­tas

Publico - Imobiliario - - Opinião -

OSe­tor da Cons­tru­ção tem co­nhe­ci­do uma tra­je­tó­ria de con­so­li­da­ção do te­ci­do em­pre­sa­ri­al, fru­to, em gran­de par­te do re­for­ço da ca­pa­ci­da­de de atra­ção do in­ves­ti­men­to pri­va­do, na­ci­o­nal e es­tran­gei­ro. Re­cor­do que, em 2017, o se­tor foi ca­paz de cri­ar, em ter­mos lí­qui­dos, 21.848 pos­tos de tra­ba­lho e o in­ves­ti­men­to em imo­bi­liá­rio na­ci­o­nal su­pe­rou 21,7 mil mi­lhões de eu­ros, dos quais 4,7 mil mi­lhões ti­ve­ram ori­gem no es­tran­gei­ro. Acres­ce, ain­da, um con­tri­bu­to de­ter­mi­nan­te pa­ra a in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção da eco­no­mia, com a fa­tu­ra­ção anu­al in­ter­na­ci­o­nal da fi­lei­ra a ul­tra­pas­sar os 10,1 mil mi­lhões de eu­ros.

Es­te tem si­do um es­for­ço mui­to sig­ni­fi­ca­ti­vo por par­te das em­pre­sas e dos em­pre­sá­ri­os do se­tor, que não po­de ser pos­to em cau­sa, so­bre­tu­do por ques­tões de or­dem ad­mi­nis­tra­ti­va, que tra­du­zin­do-se em cus­tos de con­tex­to ex­ces­si­vos, são, no atu­al mo­men­to in­com­por­tá­veis.

Quan­do o mer­ca­do ten­de a cres­cer e as em­pre­sas sen­tem a ne­ces­si­da­de de con­so­li­dar a sua po­si­ção, de­sig­na­da­men­te, ga­nhan­do ca­pa­ci­da­de pa­ra fa­zer fa­ce aos de­sa­fi­os, são con­fron­ta­das com a obri­ga­to­ri­e­da­de de pa­gar ta­xas, im­pos­tas pe­la Lei dos Al­va­rás de 2015, que as­cen­dem a va­lo­res ab­so­lu­ta­men­te in­jus­ti­fi­cá­veis. Re­cor­do que de acor­do com es­ta lei, as ta­xas se des­ti­nam a co­brir os en­car­gos com a ges­tão do res­pe­ti­vo sis­te­ma de con­tro­lo pré­vio, bem co­mo a su­per­vi­são, fis­ca­li­za­ção e a re­gu­la­ri­za­ção da ati­vi­da­de. Ora, fa­ce à re­a­li­da­de que as em­pre­sas en­fren­tam, é ma­ni­fes­ta que tem de exis­tir uma efe­ti­va cor­res­pon­dên­cia en­tre os en­car­gos es­ta­be­le­ci­dos e os ser­vi­ços que os mes­mos se des­ti­nam a su­por­tar.

Cus­tos des­pro­por­ci­o­na­dos co­mo as Ta­xas de­vi­das, de­sig­na­da­men­te, pe­la ele­va­ção das clas­ses dos al­va­rás ne­ces­sá­ri­os pa­ra as em­pre­sas exer­ce­rem a sua ati­vi­da­de, são uma re­a­li­da­de des­fa­sa­da e que se cons­ti­tui co­mo um ver­da­dei­ro en­tra­ve aos es­for­ços das em­pre­sas pa­ra se ajus­ta­rem aos de­sa­fi­os co­lo­ca­dos pe­lo mer­ca­do. O au­men­to das ta­xas de­ter­mi­na­do pe­lo Go­ver­no, com a en­tra­da em vi­gor da Por­ta­ria n.º 261-A/2015, de 27 de agos­to, não se jus­ti­fi­ca.

A nos­sa dis­cor­dân­cia em re­la­ção a mui­tos dos as­pe­tos que se en­con­tram con­sa­gra­dos na Lei dos Al­va­rás, é co­nhe­ci­da. Des­de lo­go por­que, ao in­vés do que se­ria exi­gí­vel, po­ten­cia a clan­des­ti­ni­da­de e, con­se­quen­te­men­te, a si­nis­tra­li­da­de la­bo­ral.

O va­lor das no­vas ta­xas ape­nas vem con­tri­buir pa­ra pôr em cau­sa a ati­vi­da­de das em­pre­sas, im­pon­do-lhes mais en­car­gos, num mo­men­to par­ti­cu­lar­men­te de­li­ca­do, ten­do em con­ta as di­fi­cul­da­des que en­fren­ta­ram nos úl­ti­mos anos. Re­cor­do que es­ti­vé­mos pe­ran­te a pi­or cri­se de que há re­gis­to no se­tor e, não obs­tan­te a re­cu­pe­ra­ção do in­ves­ti­men­to pri­va­do, o in­ves­ti­men­to pú­bli­co man­tém-se, ain­da, a ní­veis de há 30 anos.

Des­ta for­ma, quan­do se exi­gia ra­zo­a­bi­li­da­de por par­te do Go­ver­no, na de­fi­ni­ção dos cus­tos ad­mi­nis­tra­ti­vos a su­por­tar pe­las em­pre­sas, con­ti­nua a ve­ri­fi­car-se que a re­a­li­da­de é ou­tra. A jus­ti­ça e o equi­lí­brio são fa­to­res fun­da­men­tais pa­ra o nor­mal exer­cí­cio de qual­quer ati­vi­da­de eco­nó­mi­ca e não é por via da im­po­si­ção de mai­o­res en­car­gos que o tão de­se­ja­do e ne­ces­sá­rio cres­ci­men­to eco­nó­mi­co se­rá al­can­ça­do.

Ma­nu­el Reis Cam­pos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.