Quin­ta da Abe­lhei­ra pro­cu­ra in­ves­ti­do­res pa­ra lhe dar no­va vi­da

A pro­pri­e­da­de, a ape­nas 20 km de Lis­boa, é uma das quin­tas que marca a his­tó­ria do con­ce­lho de Lou­res. Es­tá em ven­da por €8,75 mi­lhões e a sua no­va vi­da po­de pas­sar por tu­ris­mo, ha­bi­ta­ção ou até re­si­dên­ci­as se­ni­o­res.

Publico - Imobiliario - - Oportunidades - Su­sa­na Correia

A Quin­ta da Abe­lhei­ra, si­tu­a­da, em São Ju­lião do To­jal, no con­ce­lho de Lou­res, es­tá em pro­ces­so de ven­da, con­fir­mou o Mil­len­nium bcp, pro­pri­e­tá­rio do ati­vo. “A co­mer­ci­a­li­za­ção ati­va es­tá no seu iní­cio”, diz Ra­mi­ro Go­mes, Res­pon­sá­vel de Ven­das – Gran­des Imó­veis Sul da Di­re­ção de Ne­gó­cio Imo­bi­liá­rio des­te Ban­co. Nes­ta fa­se, “os in­ves­ti­do­res po­ten­ci­ais têm de­di­ca­do o seu tem­po a to­mar co­nhe­ci­men­to das ca­ra­te­rís­ti­cas do pro­du­to e a ana­li­sá-lo em por­me­nor”, diz, avan­çan­do que “se es­pe­ra atin­gir em bre­ve a fa­se se­guin­te da ne­go­ci­a­ção”.

A ver­sa­ti­li­da­de qu­an­to à “sua po­ten­ci­a­li­da­de edi­fi­ca­ti­va” jus­ti­fi­ca es­ta aná­li­se em de­ta­lhe e é tam­bém um dos fa­to­res dis­tin­ti­vos des­ta Quin­ta. “É um es­pa­ço com po­ten­ci­a­li­da­des di­ver­sas”, on­de “po­de­rão ser cons­truí­das mo­ra­di­as, quer iso­la­das quer em con­do­mí­nio, ho­tel ou re­si­dên­ci­as ge­riá­tri­cas”, e on­de a com­po­nen­te tu­rís­ti­ca po­de ser “mui­to ape­la­ti­va, por­que par­te das edi­fi­ca­ções exis­ten­tes são pa­tri­mó­nio clas­si­fi­ca­do, um fa­tor his­tó­ri­co e cul­tu­ral que po­de­rá ser po­si­ti­va­men­te ex­plo­ra­do”, no­ta Ra­mi­ro Go­mes.

Pa­ra Luís Sil­va, da Re­max Ti­me - Mar­group (que es­tá a co­mer­ci­a­li­zar o ati­vo), a no­va vi­da da Quin­ta da Abe­lhei­ra po­de­rá pas­sar por um pro­je­to imo­bi­liá­rio em qual­quer des­tas ver­ten­tes (re­si­den­ci­al, tu­rís­ti­ca ou pa­ra re­si­dên­ci­as se­ni­o­res), mas tem ain­da po­ten­ci­al pa­ra aco­mo­dar um “mix equi­li­bra­do” das três hi­pó­te­ses, “o que a tor­na­rá mais agra­dá­vel a quem a vai uti­li­zar e vi­ven­ci­ar”. Com es­te de­sen­vol­vi­men­to con­jun­to das vá­ri­as ver­ten­tes se­rá pos­sí­vel “ter uma mai­or atra­ti­vi­da­de e equi­lí­brio”, con­si­de­ra o me­di­a­dor. Por is­so, o ati­vo se­rá apresentado jun­to de players na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais que se as­su­mam co­mo es­pe­ci­a­lis­tas em qual­quer uma das três ver­ten­tes, bem co­mo a in­ves­ti­do­res mais ge­ne­ra­lis­tas que pos­sam de­sen­vol­ver um mas­ter­plan pa­ra a quin­ta.

Di­a­man­te em bru­to

Pa­ra Luís Sil­va, es­ta pro­pri­e­da­de “é um ver­da­dei­ro di­a­man­te em bru­to, à es­pe­ra de ser la­pi­da­do. É um imó­vel de ex­ce­ção, um da­que­les ati­vos que tor­na o nos­so país tão es­pe­ci­al e ape­te­cí­vel pa­ra in­ves­ti­do­res in­ter­na­ci­o­nais”, con­si­de­ra. Além da di­ver­si­da­de de pos­si­bi­li­da­des de de­sen­vol­vi­men­to que ad­mi­te, a sua di­men­são e a lo­ca­li­za­ção mui­to per­to de Lis­boa e a ain­da mais do Ae­ro­por­to, bem co­mo a his­tó­ria de al­gu­mas cons­tru­ções ali exis­ten­tes, dis­tin­guem a Quin­ta da Abe­lhei­ra. O imó­vel es­tá a cer­ca de 20 km de Lis­boa, pos­suin­do ex­ce­len­tes aces­si­bi­li­da­des, quer por via da Au­to­es­tra­da A9 quer pe­la Es­tra­da Na­ci­o­nal N115, com “aces­sos ro­do­viá­ri­os de ex­ce­len­te qua­li­da­de”, no­ta Luís Sil­va. A pro­pri­e­da­de es­ten­de-se por 462 mil m2, in­cluin­do 2.203 m2 de área co­ber­ta da com­po­nen­te ur­ba­na, em­bo­ra gran­de par­te das cons­tru­ções exis­ten­tes ca­re­çam de re­cons­tru­ção. En­tre as vá­ri­as edi­fi­ca­ções es­pa­lha­das pe­la Quin­ta da Abe­lhei­ra in­clui-se um pa­lá­cio clas­si­fi­ca­do co­mo Imó­vel de In­te­res­se Pú­bli­co. A pro­pri­e­da­de, que pos­sui cer­ca de 20 pon­tos de ex­plo­ra­ção de águas (co­mo fu­ros e po­ços, em­bo­ra al­guns de­sa­ti­va­dos), in­te­gra-se num am­bi­en­te ”cam­pes­tre, de na­tu­re­za e bem–es­tar”, nas pa­la­vras de Ra­mi­ro Go­mes, uma en­vol­vên­cia que po­de­rá po­ten­ci­ar tam­bém ou­tros in­te­res­ses de in­ves­ti­men­to, in­cluin­do va­lên­ci­as as­so­ci­a­das à ati­vi­da­de agrí­co­la, sen­do a com­po­nen­te rús­ti­ca com­pos­ta atu­al­men­te por cul­tu­ra ar­bo­ren­se de se­quei­ro, ma­to, oli­val, pas­to e hor­tas. É co­nhe­ci­do o in­te­res­se dos in­ves­ti­do­res por quin­tas nes­ta re­gião pa­ra ati­vi­da­des li­ga­das à pro­du­ção de vi­nhos e/ou ex­plo­ra­ção eques­tre, se­gun­do Luís Sil­va, que tem ex­pe­ri­ên­cia acu­mu­la­da na ven­da des­te ti­po de imó­vel. “A co­mer­ci­a­li­za­ção de quin­tas na zo­na tem si­do qua­se 100% fei­ta a in­ves­ti­do­res in­ter­na­ci­o­nais, que as pro­cu­ram pa­ra de­sen­vol­ver pro­je­tos tu­rís­ti­cos li­ga­dos à vi­nha e ao vi­nho ou aos ca­va­los”, diz o me­di­a­dor. A li­ga­ção à na­tu­re­za, mas a cur­ta dis­tân­cia de Lis­boa, po­de­rá tam­bém ser um trun­fo pa­ra um even­tu­al pro­je­to li­ga­do à saú­de e ao bem-es­tar di­re­ci­o­na­do pa­ra o seg­men­to sé­ni­or. “As re­si­dên­ci­as se­ni­o­res são, sem dú­vi­da, um dos ati­vos mais pro­cu­ra­dos por in­ves­ti­do­res atu­al­men­te, já que es­te ti­po de equi­pa­men­to e ser­vi­ços são mui­to pre­ten­di­dos por re­for­ma­dos es­tran­gei­ros que pre­ten­dem usu­fruir das bo­as qua­li­da­de de Por­tu­gal e da tran­qui­li­da­de das re­giões”, al­go que es­ta quin­ta con­ju­ga, com a van­ta­gem de es­tar per­to da ca­pi­tal.

Com to­dos es­tes ar­gu­men­tos a “mar­gem de re­tor­no po­ten­ci­al pa­ra o in­ves­ti­dor é bas­tan­te ele­va­da”, mes­mo “es­tan­do em pre­sen­ça de um in­ves­ti­men­to ele­va­do quer em mon­tan­te, quer em tem­po” diz Luís Sil­va. E por is­so, o ní­vel de in­te­res­se pe­la Quin­ta da Abe­lhei­ra “de­ve ser ele­va­do”, até ten­do em con­ta “a ex­pe­ri­ên­cia mui­to po­si­ti­va na ali­e­na­ção de ati­vos de gran­de di­men­são e com ca­pa­ci­da­des edi­fi­ca­ti­vas ele­va­das que te­mos ti­do nas ci­da­des de Lis­boa e Por­to e seus ar­re­do­res”, acres­cen­ta Ra­mi­ro Go­mes. A ex­pe­ta­ti­va é que a pro­pri­e­da­de se­ja ali­e­na­da até fi­nal do ano.

MIL­LEN­NIUM BCP

A Quin­ta da Abe­lhei­ra, em Lou­res, tem mais de 460 mil m²

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.