O es­ta­ci­o­na­men­to da Ma­don­na

Publico - Imobiliario - - Opinião - Luís Li­ma

Os jus­ti­cei­ros da in­ter­net re­vol­ta­ram-se uma vez mais com um fait-di­ver que ga­nhou di­rei­to a ser dis­cu­ti­do e de­ba­ti­do em qua­se to­dos os ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção na­ci­o­nais, ten­do es­ta in­sur­rei­ção ti­do hon­ras de che­gar até aos me­dia es­tran­gei­ros.

Uma vez mais, Ma­don­na no cen­tro das aten­ções. Mas, se nu­ma pri­mei­ra fa­se to­da a gen­te es­ta­va eu­fó­ri­ca com o fac­to de a can­to­ra ter es­co­lhi­do Lis­boa pa­ra vi­ver (com co­men­tá­ri­os so­bre on­de ia, on­de es­ta­va, com quem es­ta­va, o que fa­zia, o que co­mia, o que be­bia…), ago­ra já não se acha gra­ça ne­nhu­ma a que a rai­nha da pop ve­nha aqui pa­ra o nos­so País à bei­ra mal plan­ta­do ter be­ne­fí­ci­os que os de­mais ci­da­dãos não têm, co­mo es­ta­ci­o­na­men­to pa­ra os seus au­to­mó­veis.

A Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de Lis­boa ce­deu ( le­gal­men­te e con­tra­tu­al­men­te) um ter­re­no pa­ra o es­ta­ci­o­na­men­to da fro­ta automóvel da ar­tis­ta e co­mo tal a ta­ca­nhez por­tu­gue­sa não de­mo­rou a ocu­par as cai­xas de co­men­tá­ri­os das re­des so­ci­ais e jor­nais on­li­ne.

Por­que era o que mais fal­ta­va, a Ma­don­na tem mui­to di­nhei­ro e po­de bem pa­gar o seu es­ta­ci­o­na­men­to, por­que os de­mais ci­da­dãos têm que pa­gar pa­ra es­ta­ci­o­nar ou a EMEL dei­xa o en­ve­lo­pe no lim­pa­pa­ra-bri­sas…. En­fim, por­que sim e por­que não, co­mo é apa­ná­gio na­ci­o­nal.

Só que, por mui­to que nos cus­te ad­mi­tir e per­ce­ber, a ver­da­de é que não so­mos to­dos iguais. Ma­don­na é uma ar­tis­ta re­co­nhe­ci­da in­ter­na­ci­o­nal­men­te e trans­ver­sal a di­ver­sas ge­ra­ções. Mes­mo que até não se apre­cie e não se lhe co­nhe­ça as mú­si­cas, não ha­ve­rá mui­ta gen­te que não sai­ba quem ela é.

E, de en­tre cen­te­nas de paí­ses que exis­tem no mun­do, Ma­don­na es­co­lheu Por­tu­gal pa­ra vi­ver, o que pa­ra nós, é publicidade gra­tui­ta. No mun­do in­tei­ro. Ca­da vez que Ma­don­na re­fe­re Por­tu­gal ou pu­bli­ca uma foto sua no nos­so País, en­cai­xa­mos mi­lha­res, tal­vez mi­lhões de eu­ros. É pro­mo­ção grá­tis, que nos é da­da de ban­de­ja, por uma in­flu­en­ci­a­do­ra com pro­je­ção mun­di­al, que pro­mo­ve o Tu­ris­mo e con­se­quen­te­men­te o em­pre­go e a di­na­mi­za­ção da nos­sa economia.

Não pas­sa se­quer pe­la ca­be­ça dos jus­ti­cei­ros ci­ber­né­ti­cos o re­tor­no que a es­co­lha de Ma­don­na nos traz e que ul­tra­pas­sa lar­ga­men­te qual­quer ren­da que a can­to­ra pu­des­se pa­gar pa­ra es­ta­ci­o­nar os seus car­ros.

Aqui­lo que pa­ra to­dos de­via ser um pres­tí­gio, tor­nou-se um gran­de al­vo­ro­ço. Não des­me­re­cen­do as ne­ces­si­da­des de es­ta­ci­o­na­men­to que to­dos os por­tu­gue­ses (em par­ti­cu­lar os lis­bo­e­tas) te­rão e o va­lor que são obri­ga­dos a pa­gar pa­ra o po­der fa­zer, a ver­da­de é que ne­nhum de­les é Ma­don­na e não te­rá o ele­va­do im­pac­to eco­nó­mi­co que a ar­tis­ta tem.

Me­di­na não fez na­da de ex­tra­or­di­ná­rio. Quem vê e ouve o ala­ri­do fei­to á vol­ta des­te fait-di­vers, pen­sa­rá de­cer­to que nos fal­tam pro­ble­mas sé­ri­os pa­ra de­ba­ter.

E um des­ses pro­ble­mas, que tal­vez me­re­ces­se o nos­so de­ba­te e aten­ção, é a es­ta cer­ta in­ve­ja­zi­nha eter­na na­ci­o­nal, que se re­ve­la sem­pre que al­guém tem al­go que que a mai­o­ria não tem ou não po­de ter.

Não pas­sa se­quer pe­la ca­be­ça dos jus­ti­cei­ros ci­ber­né­ti­cos o re­tor­no que a es­co­lha de Ma­don­na nos traz e que ul­tra­pas­sa lar­ga­men­te qual­quer ren­da que a can­to­ra pu­des­se pa­gar pa­ra es­ta­ci­o­nar os seus car­ros

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.