Que­re­mos mais ar­ren­da­men­to ou aca­bar com ele?

Ca­be ao Es­ta­do cri­ar sub­sí­di­os e po­lí­ti­cas so­ci­ais de ha­bi­ta­ção que pro­te­jam os que mais pre­ci­sam, e não trans­fe­rir es­sa sua res­pon­sa­bi­li­da­de pa­ra os pro­pri­e­tá­ri­os dos pré­di­os ur­ba­nos

Publico - Imobiliario - - Direito Imobiliário -

Pen­so que to­dos con­cor­dam que os mo­to­res de ar­ran­que da ati­vi­da­de imo­bi­liá­ria, após os anos de cri­se, fo­ram as au­to­ri­za­ções de re­si­dên­cia pa­ra in­ves­ti­men­to (ARI) mais co­nhe­ci­das por Vis­tos Gold, a re­for­ma do ar­ren­da­men­to ur­ba­no de 2012 e o alo­ja­men­to lo­cal. Em con­sequên­cia des­tes ins­tru­men­tos le­gais fo­ram re­a­bi­li­ta­dos inú­me­ros pré­di­os ur­ba­nos, no­me­a­da­men­te em Lis­boa e no Por­to, que pre­ci­sa­vam de obras pro­fun­das ou mes­mo de­mo­li­ção. O par­que ha­bi­ta­ci­o­nal das nos­sas ci­da­des e dos ho­je tão ba­da­la­dos cen­tros his­tó­ri­cos que es­ta­vam de­gra­da­dos e aban­do­na­dos es­tão ho­je em gran­de par­te re­a­bi­li­ta­dos. A re­for­ma de 2012 veio, as­sim, dar res­pos­ta aos prin­ci­pais pro­ble­mas do ar­ren­da­men­to ur­ba­no, de­sig­na­da­men­te no que se re­fe­re aos con­tra­tos com ren­das an­te­ri­o­res a 1990, à re­a­li­za­ção de obras de re­a­bi­li­ta­ção em imó­veis ar­ren­da­dos que um com­ple­xo e mo­ro­so pro­ce­di­men­to de des­pe­jo im­pe­dia.

No en­tan­to, os par­ti­dos da es­quer­da con­ti­nu­am a ata­car aque­las dis­po­si­ções le­gais e a que­rer que os pri­va­dos su­por­tem o cus­to das me­di­das de ca­ra­ter so­ci­al que são da úni­ca e ex­clu­si­va res­pon­sa­bi­li­da­de do Es­ta­do. Não é acei­tá­vel que se­jam os pri­va­dos a su­por­tar os cus­tos da sus­pen­são dos des­pe­jos das pes­so­as ido­sas ou de­fi­ci­en­tes. Pen­so que to­dos es­ta­mos de acor­do que é ne­ces­sá­rio pro­te­ger as pes­so­as mais fra­gi­li­za­das, mas não à cus­ta dos pri­va­dos. Ca­be ao Es­ta­do cri­ar sub­sí­di­os e po­lí­ti­cas so­ci­ais de ha­bi­ta­ção que pro­te­jam os que mais pre­ci­sam, e não trans­fe­rir es­sa sua res­pon­sa­bi­li­da­de pa­ra os pro­pri­e­tá­ri­os dos pré­di­os ur­ba­nos.

A ver­da­de é que se os pro­ces­sos de des­pe­jo fo­rem di­fi­cul­ta­dos, ou sus­pen­sos, co­mo pre­ten­dem al­guns, ou se os se­nho­ri­os fo­rem im­pe­di­dos de au­men­tar as ren­das, ca­da vez me- nos pro­pri­e­tá­ri­os vão co­lo­car os seus imó­veis no mer­ca­do de ar­ren­da­men­to de lon­ga du­ra­ção, e con­ti­nu­a­rão a op­tar pe­lo ar­ren­da­men­to de cur­ta du­ra­ção, alo­ja­men­to lo­cal, ou a não co­lo­car no mer­ca­do os seus imó­veis. Em­bo­ra o ar­ren­da­men­to de cur­ta du­ra­ção não se­ja ac­tu­al­men­te tão atrac­ti­vo fis­cal­men­te, co­mo era há uns anos atrás, e te­nha mais cus­tos com a pres­ta­ção de ser­vi­ços ine­ren­tes, a ver­da­de é que não tem os ris­cos do ar­ren­da­men­to de lon­ga du­ra­ção.

Não é com es­te ti­po de me­di­das que se vai con­se­guir di­na­mi­zar o mer­ca­do de ar­ren­da­men­to, mui­to pe­lo con­trá­rio. Com efei­to, se que­re­mos di­na­mi­zar o mer­ca­do de ar­ren­da­men­to ur­ba­no e con­ti­nu­ar a atrair in­ves­ti­do­res es­tran­gei­ros, al­gu­mas me­di­das tais co­mo, a cri­a­ção de in­cen­ti­vos fis­cais (10% de re­du­ção da ta­xa es­pe­ci­al de IRS é ma­ni­fes­ta­men­te in­su­fi­ci­en­te) ao ar­ren­da­men­to de lon­go pra­zo e a sim­pli­fi­ca­ção e ra­pi­dez na de­so­cu­pa­ção efe­ti­va do lo­cal ar­ren­da­do por in­cum­pri­men­to do ar­ren­da­tá­rio, de­sig­na­da­men­te nos ca­sos de fal­ta de pa­ga­men­to de ren­das, de ca­du­ci­da­de do con­tra­to pe­lo de­cur­so do pra­zo e de ces­sa­ção do con­tra­to por opo­si­ção à re­no­va­ção ou por de­nún­cia, são al­gu­mas das me­di­das que de­ve­ri­am ser im­ple­men­ta­das no cur­to pra­zo.

Fi­li­pa Aran­tes Pe­dro­so

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.