A fal­ta de protecção cons­ti­tu­ci­o­nal dos pro­pri­e­tá­ri­os

Publico - Imobiliario - - Atualidade -

Te­mos as­sis­ti­do nos úl­ti­mos tem­pos a um ata­que sem pre­ce­den­tes aos di­rei­tos cons­ti­tu­ci­o­nais dos pro­pri­e­tá­ri­os. Es­pe­rar-se-ia, pe­lo me­nos, que o Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal ti­ves­se opor­tu­ni­da­de de se pro­nun­ci­ar so­bre o as­sun­to em fis­ca­li­za­ção pre­ven­ti­va da cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de das leis. Su­ce­de, po­rém, que o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, que ju­rou fa­zer cum­prir a cons­ti­tui­ção, não man­dou até ago­ra e con­ti­nua a não man­dar um úni­co di­plo­ma pa­ra fis­ca­li­za­ção pre­ven­ti­va da cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de. Pe­la pri­mei­ra vez des­de a en­tra­da em vi­gor da cons­ti­tui­ção de 1976, a fis­ca­li­za­ção pre­ven­ti­va da cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de de­sa­pa­re­ceu do nos­so sis­te­ma ju­rí­di­co, o que dei­xa o go­ver­no e o par­la­men­to de mãos com­ple­ta­men­te li­vres pa­ra ar­ra­sar os di­rei­tos dos pro­pri­e­tá­ri­os.

É cla­ra­men­te in­cons­ti­tu­ci­o­nal o di­plo­ma que de­cre­ta a sus­pen­são de to­das as de­nún­ci­as dos con­tra­tos de ar­ren­da­men­to e dos pró­pri­os pro­ces­sos de des­pe­jo em cur­so no ca­so de os in­qui­li­nos te­rem mais de 65 anos e ocu­pa­rem o imó­vel há quin­ze anos. Tra­ta-se de con­tra­tos que as par­tes qui­se­ram que fos­sem tem­po­rá­ri­os, e que con­ti­nu­am a ser tem­po­rá­ri­os em fa­ce da lei vi­gen­te, mas que o di­plo­ma proí­be uma das par­tes de os de­nun­ci­ar no fim do pra­zo que foi es­ti­pu­la­do. Os pro­pri­e­tá­ri­os vêem as­sim ser-lhes le­sa­do não ape­nas o seu di­rei­to de pro­pri­e­da­de, mas tam­bém re­ti­ra­do o seu di­rei­to de aces­so aos tri­bu­nais, qu­an­do a lei que pre­sen­te­men­te vi­go­ra lhes per­mi­te pôr ter­mo ao con­tra­to no fim do pra­zo es­ti­pu­la­do.

Ape­sar dis­so, o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca pro­mul­gou o di­plo­ma, di­zen­do que “olhan­do à ex­pe­ri­ên­cia ju­rí­di­ca pas­sa­da, su­ces­si­vos re­gi­mes le­gais so­bre es­ta ma­té­ria aca­ba­ram por não ser con­si­de­ra­dos vi­o­la­do­res dos prin­cí­pi­os apli­cá­veis da Cons­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca”. O pro­ble­ma é que nun­ca hou­ve um di­plo­ma se­me­lhan­te a es­te du­ran­te a vi­gên­cia da ac­tu­al Cons­ti­tui­ção. Na ver­da­de, me­di­das com es­te ra­di­ca­lis­mo só exis­ti­ram no nos­so país nos tem­pos de Vas­co Gon­çal- ves, que igual­men­te de­cre­tou em 1975 uma sus­pen­são das de­nún­ci­as de con­tra­tos de ar­ren­da­men­to e dos pro­ces­sos de des­pe­jo. É por is­so na­tu­ral que di­plo­mas se­me­lhan­tes nun­ca te­nham si­do con­si­de­ra­dos vi­o­la­do­res dos prin­cí­pi­os cons­ti­tu­ci­o­nais, uma vez que nes­se tem­po não ha­via prin­cí­pi­os cons­ti­tu­ci­o­nais, nem Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal que pu­des­se con­tro­lar a cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de das leis. É por is­so uma pe­na que a inac­ção do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca es­te­ja a ati­rar Por­tu­gal de re­gres­so a es­ses tris­tes tem­pos.

Quan­to às ra­zões so­ci­ais que o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca in­vo­ca, é ma­ni­fes­to que não com­pe­te ao Es­ta­do fa­zer se­gu­ran­ça so­ci­al à cus­ta de imó­veis de ci­da­dãos pri­va­dos. A afec­ta­ção dos imó­veis pri­va­dos a fins de se­gu­ran­ça so­ci­al cons­ti­tui uma ver­da­dei­ra ex­pro­pri­a­ção, a qual nos ter­mos cons­ti­tu­ci­o­nais não se po­de fa­zer sem in­dem­ni­za­ção.

Me­di­das de protecção dos in­qui­li­nos co­mo es­tas já fo­ram con­si­de­ra­das pe­lo Tri­bu­nal Eu­ro­peu dos Di­rei­tos do Ho­mem no ca­so Hut­ten-Czaps­ka v. Po­land co­mo vi­o­la­do­ras dos di­rei­tos fun­da­men­tais dos pro­pri­e­tá­ri­os. De­ve­ri­am por is­so os ór­gãos de so­be­ra­nia por­tu­gue­ses se­guir es­sa in­di­ca­ção e não aten­tar con­tra a pro­pri­e­da­de co­mo di­rei­to fun­da­men­tal.

In­fe­liz­men­te, no en­tan­to, não é is­so o que su­ce­de. Em Por­tu­gal os di­rei­tos cons­ti­tu­ci­o­nais dos pro­pri­e­tá­ri­os po­dem ser fa­cil­men­te le­sa­dos sem que ne­nhum ór­gão de so­be­ra­nia, nem par­la­men­to, nem go­ver­no, nem pre­si­den­te, nem se­quer os tri­bu­nais — aos qu­ais lhe é ago­ra proi­bi­do o aces­so — os ve­nha pro­te­ger. É uma si­tu­a­ção que de­ve­ria cau­sar pre­o­cu­pa­ção a to­dos os por­tu­gue­ses, uma vez que, se ho­je ata­cam os pro­pri­e­tá­ri­os, sem que nin­guém os pro­te­ja, ama­nhã vi­rão ata­car ou­tros ci­da­dãos, até che­ga­rem a to­da e qual­quer pes­soa, e nes­sa al­tu­ra, co­mo no cé­le­bre po­e­ma de Mar­tin Ni­emöl­ler, já não res­ta­rá nin­guém pa­ra os de­fen­der.

Pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Lis­bo­nen­se de Pro­pri­e­tá­ri­os

Luís Me­ne­zes Lei­tão

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.