Me­di­das pre­ci­pi­ta­das

Publico - Imobiliario - - Opinião -

Em to­do o ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal exis­tem cer­ca de 70 mil uni­da­des de Alo­ja­men­to Lo­cal, um nú­me­ro que é con­si­de­rá­vel e, co­mo tal, te­rá de­cer­to um im­pac­to po­si­ti­vo na eco­no­mia das ci­da­des em que se in­se­re, pe­la di­nâ­mi­ca tu­rís­ti­ca que cria e pe­la con­se­quen­te ge­ra­ção de em­pre­go.

Ape­sar de o bur­bu­ri­nho so­bre es­te mer­ca­do ser re­la­ti­va­men­te re­cen­te, a ver­da­de é que é uma re­a­li­da­de que exis­te há mui­to em Por­tu­gal, so­bre­tu­do na re­gião do Al­gar­ve, on­de sem­pre hou­ve Alo­ja­men­to Lo­cal a co­e­xis­tir sau­da­vel­men­te com o sec­tor ho­te­lei­ro, dan­do res­pos­ta aos mais di­ver­sos ti­pos de pro­cu­ra exis­ten­tes.

O fac­to de es­te mer­ca­do se ter de­mo­cra­ti­za­do um pou­co por to­do o país, de­ve­ria ser mo­ti­vo de aplau­sos, pe­la es­ti­mu­lo eco­nó­mi­co que cria nas di­ver­sas re­giões e pe­lo em­pre­go que ge­ra. Não es­que­ça­mos que o Alo­ja­men­to Lo­cal foi e é um dos prin­ci­pais di­na­mi­za­do­res do sec­tor imobiliário na­ci­o­nal, ten­do si­do o mai­or res­pon­sá­vel pe­la re­a­bi­li­ta­ção dos cen­tros das nos­sas ci­da­des. Uma re­a­bi­li­ta­ção que fez com que es­tes imó­veis, que até en­tão es­ta­vam de­vo­lu­tos, se­jam ago­ra de­se­ja­dos por to­da a gen­te.

É ver­da­de que é di­fí­cil agra­dar a gre­gos e a troi­a­nos, so­bre­tu­do em Por­tu­gal em que há al­gu­ma men­ta­li­da­de ta­ca­nha que en­vol­ve de in­ve­ja o su­ces­so dos ou­tros, mas de­vía­mos pen­sar que sem­pre que al­guém es­tá, li­ci­ta­men­te, a ga­nhar di­nhei­ro, es­tá tam­bém a pro­mo­ver a di­na­mi­za­ção da eco­no­mia na­ci­o­nal e a con­tri­buir po­si­ti­va­men­te pa­ra a co­mu­ni­da­de.

Com­pre­en­do que com as ne­ces­si­da­des ha­bi­ta­ci­o­nais que sur­gem nas prin­ci­pais ci­da­des do País, o Alo­ja­men­to Lo­cal crie al­gum des­con­for­to, mas não se­ja­mos in­gé­nu­os: o fac­to de o pro­pri­e­tá­rio ser im­pe­di­do de dar se­gui­men­to ao seu ne­gó­cio, não sig­ni­fi­ca que o co­lo­que no mer­ca­do. En­quan­to o ar­ren­da­men­to não for um ne­gó­cio ten­ta­dor pa­ra quem ne­le in­ves­te, não ha­ve­rá uma apos­ta re­al nes­te mer­ca­do. Por­que o que es­ta­mos a fa­lar aqui é de ne­gó­ci­os. Ne­gó­ci­os que im­pli­cam in­ves­ti­men­to e con­se­quen­te re­tor­no.

As de­ci­sões que fo­ram to­ma­das pa­ra al­te­rar a le­gis­la­ção do mer­ca­do de Alo­ja­men­to Lo­cal fo­ram pre­ci­pi­ta­das, no­me­a­da­men­te no que diz res­pei­to à ques­tão dos con­dó­mi­nos que, ape­sar de não ser tão gra­ve co­mo a que ti­nha si­do ini­ci­al­men­te fa­la­da, não dei­xa de ser de­sa­gra­dá­vel de lhes dar um po­der ilu­só­rio que po­de­rá fa­cil­men­te ven­cer pe­lo can­sa­ço quem te­nha apos­ta­do nes­te mer­ca­do.

Es­tas me­di­das fo­ram pre­ci­pi­ta­das e to­ma­das olhan­do es­sen­ci­al­men­te pa­ra as re­a­li­da­des de Lis­boa e Por­to, que não são a re­a­li­da­de do res­to do País, on­de es­ta ati­vi­da­de es­tá (ou es­ta­va) a che­gar aos pou­cos, le­van­do-lhes tu­ris­mo e di­na­mi­zan­do as eco­no­mi­as de re­giões que bem pre­ci­sam des­ta di­nâ­mi­ca.

A mai­or ou me­nor re­le­vân­cia que es­tas me­di­das pos­sam ter, abar­cam já uma con­sequên­cia: o si­nal ne­ga­ti­vo que se dá a quem pos­sa que­rer in­ves­tir nes­te mer­ca­do, pe­la in­se­gu­ran­ça que trans­mi­te a quem ago­ra pen­sa­rá du­as ve­zes an­tes de apos­tar em Por­tu­gal.

E mais uma vez, ou­tros ga­nha­rão com os er­ros que aqui co­me­te­mos….

En­quan­to o ar­ren­da­men­to não for um ne­gó­cio ten­ta­dor pa­ra quem ne­le in­ves­te, não ha­ve­rá uma apos­ta re­al nes­te mer­ca­do. Por­que o que es­ta­mos a fa­lar aqui é de ne­gó­ci­os.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.