Cen­te­no não se re­cor­da de ter ven­di­do o No­vo Ban­co por ze­ro

Publico - Inimigo - - PRIMEIRA PÀGINA -

O Ca­ne­las a fa­zer es­co­la na al­ta nan­ça. O mi­nis­tro das Fi­nan­ças, que deu uma jo­e­lha­da em to­dos os con­tri­buin­tes, diz que não se lem­bra do que su­ce­deu na se­ma­na pas­sa­da. Má­rio Cen­te­no diz que não se re­cor­da de ter fei­to a ven­da do No­vo Ban­co à Lo­ne Star em con­di­ções rui­no­sas. “Foi o pa­ga aqui, ven­de ali. Foi uma con­fu­são. Bru­xe­las, Ban­co de Por­tu­gal, Cos­ta, Ge­rin­gon­ça, in­ves­ti­do­res, le­sa­dos. Tu­do ali ao mo­lho e eu sei lá o que é que acon­te­ceu”, as­su­me. O ca­mi- so­la 10 da Ge­rin­gon­ça foi cons­ti­tuí­do ar­gui­do, cou com ter­mo de iden­ti­da­de e re­si­dên­cia e es­tá proi­bi­do de fre­quen­tar re­cin­tos ban­cá­ri­os. Mais a frio, Cen­te­no ad­mi­te o er­ro, pe­de des­cul­pas a to­dos os con­tri­buin­tes, mas dei­xa crí­ti­cas aos res­pon­sá­veis da Ge­rin­gon­ça. “Os di­ri­gen­tes da Ge­rin­gon­ça não po­dem fa­lar as­sim tão mal de mim por­que nun­ca me dis­se­ram na ca­ra que es­ta­va dis­pen­sa­do, as­sim co­mo nun­ca me dis­se­ram que ti­ve cul­pa em tu­do o que se pas­sou com o No­vo Ban­co. Sou cul­pa­do e as­su­mo, ago­ra eles fa­zem-se de san­ti­nhos, ati­ra­ram tu­do pa­ra ci­ma de mim e que­ri­am man­dar-me pa­ra o Eu­ro­gru­po”, quei­xou-se o mi­nis­tro no Fa­ce­bo­ok. JH

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.