Marcelo ape­la a um ‘na­ci­o­na­lis­mo uni­ver­sal’ e a uma ‘glo­ba­li­za­ção pro­te­ci­o­nis­ta’

Publico - Inimigo - - TROPICALISMO -

O discurso de Marcelo Re­be­lo de Sou­sa du­ran­te o 25 de Abril, quan­do ape­lou a um “na­ci­o­na­lis­mo que se­ja uni­ver­sal” não caiu em sa­co ro­to. Hoje mes­mo, em de­cla­ra­ções ao IP, o Pre­si­den­te re­to­mou a li­nha de ra­ci­o­cí­nio e, a res­pei­to do Dia do Tra­ba­lha­dor que se avi­zi­nha, ape­lou aos “pro­le­tá­ri­os que se­jam bur­gue­ses nu­ma glo­ba­li­za­ção pro­te­ci­o­nis­ta, rei­vin­di­can­do os seus di­rei­tos pre­cá­ri­os que con­quis­ta­ram na re­vo­lu­ção so­ci­a­lis­ta da Fon­te Lu­mi­no­sa, quan­do se ma­ni­fes­tou a mai­o­ria si­len­ci­o­sa que era rui­do­sa e mi­no­ri­tá­ria”. O Pre­si­den­te ape­lou ain­da às ido­sas no­vi­ças do Bar­rei­ro pa­ra que be­bam gin­ji­nhas não al­coó­li­cas e ape­lou ain­da no­va­men­te à par­ti­ci­pa­ção dos jo­vens na po­lí­ti­ca, no­me­a­da­men­te ao vo­to fe­mi­ni­no das te­e­na­gers milf.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.