Por­tu­gal só não é um país per­fei­to por­que ain­da não ne­va no Na­tal

Publico - Inimigo - - TROPICALISMO - Por Marcelo Re­be­lo de Sou­sa

Por­tu­gue­ses e por­tu­gue­sas que ago­ra são es­bel­tos, ele­gan­tes, al­tos e sau­dá­veis, re­fe­ri no meu discurso do 25 de Abril que Por­tu­gal ain­da não é um país per­fei­to, mas eu e o An­tó­nio Cos­ta tra­ba­lha­mos to­dos os di­as pa­ra que se­ja. En­quan­to não te­nho de ir so­cor­rer al­guém atro­pe­la­do nu­ma pas­sa­dei­ra, per­mi­tam-me fa­zer o pon­to da si­tu­a­ção. Co­mo sa­bem, Por­tu­gal era, nos tem­pos do Pedro Pas­sos Co­e­lho, um in­fer­no dan­tes­co com­pa­ra­do ape­nas ao Ru­an­da no pi­co do ge­no­cí­dio, ao Cam­bo­ja du­ran­te a jun­ta mi­li­tar dos Kh­mer Ver­me­lhos ou ao Ben­fi­ca na al­tu­ra do Va­le e Azevedo, uma épo­ca de fel e lá­gri­mas quan­do as co­lhei­tas não cres­ci­am nos cam­pos e o lei­te não bro­ta­va dos sei­os das mães pa­ra ali­men­tar os be­bés. Hoje em dia tu­do mu­dou, mas, re­pi­to, Por­tu­gal con­ti­nua a não ser per­fei­to. Ain­da não ne­va no Na­tal, co­mo nos pos­tais e nos anún­ci­os da Co­caCo­la, mas o An­tó­nio Cos­ta vai apro­var uma lei no Par­la­men­to que per­mi­te aos por­tu­gue­ses mais des­fa­vo­re­ci­dos te­rem gra­ni­zo a ba­ter nas mar­qui­ses du­ran­te a Con­so­a­da. Por­tu­gal ain­da tem anal­fa­be­tis­mo, mas os se­cre­tá­ri­os de Es­ta­do e as­ses­so­res des­te Go­ver­no que in­ven­tam ha­bi­li­ta­ções aca­dé­mi­cas tu­do es­tão a fa­zer pa­ra al­te­rar es­ses in­di­ca­do­res. Por­tu­gal ain­da tem meia-dú­zia de de­sem­pre­ga­dos que re­cu­sam ofer­tas de em­pre­go pa­ra fa­ze­rem vo­lun­ta­ri­a­do e as­sim en­con­tra­rem o sen­ti­do da vi­da, mas o Go­ver­no, atra­vés do exem­plo do La­cer­da Ma­cha­do, si­na­li­zou que ne­nhum por­tu­guês com von­ta­de de tra­ba­lhar fi­ca­rá sem aju­da. Deus ain­da não tro­cou os ju­deus pe­los por­tu­gue­ses co­mo o Po­vo Es­co­lhi­do, mas a Isa­bel Mo­rei­ra tu­do es­tá a fa­zer pa­ra que es­sa e ou­tras mu­dan­ças ain­da mais ra­di­cais se­jam le­ga­li­za­das. Meus ami­gos e ami­gas, os por­tu­gue­ses po­dem ain­da não ser per­fei­tos, mas, pa­ra já, eu e o An­tó­nio Cos­ta so­mos. E ago­ra te­nho de ir a Be­ja acom­pa­nhar em di­rec­to o dra­má­ti­co ca­so de uma ado­les­cen­te vis­ga­ro­lha com ócu­los iguais aos da ir­mã Lú­cia que te­ve com um ata­que de ac­ne no ros­to, mas que eu e o Go­ver­no tu­do es­ta­mos a fa­zer pa­ra que, até ao fi­nal da le­gis­la­tu­ra, se­ja mais per­fei­ta que a Scar­lett Johans­son.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.