CDS-PP quer dei­xar de ser o ‘par­ti­do do tá­xi’ pa­ra ser o ‘par­ti­do do au­to­car­ro da Car­ris em ho­ra de pon­ta’

Publico - Inimigo - - O INIMIGO PÚBLICO -

A ambição de As­sun­ção Cris­tas não tem li­mi­tes. A lí­der do CDS-PP ga­ran­tiu ho­je ao IP que a agre­mi­a­ção vai dei­xar de ser co­nhec ida co­mo “o par­ti­do do tá­xi” ou “o par­ti­do do c ar­ri­nho-de-cho­que” co­mo che­gou a ser co­nhe­ci­do du­ran­te a li­de­ran­ça bi­cé­fa­la de Man uel Mon­tei­ro e Pa ulo Por­tas pa­ra tor­nar-se “o par­ti­do do au­to­car­ro da Car­ris em ho­ra de pon­ta” ou mes­mo, quan­do al­can­çar a mai­o­ria ab­so­lu­ta, “o par­ti­do da pa­ra­gem de au­to­car­ros em ho­ra de pon­ta num dia de gre­ve dos mo­to­ris­tas da Car­ris”, en­quan­to o PSD de Rui Rio, Pa­che­co Pe­rei­ra e Ma­nu­e­la Fer­rei­ra Lei­te pas­sa­rá a ser con­si­de­ra­do “o par­ti­do do ma­ta-ve­lhos”. Já Adol­fo Mes­qui­ta Nu­nes ex­pli­cou ao IP que, “Es­cre­ve­ram La­va-me Por­co na ja­ne­la do par­ti­do do tá­xi. Man­dei que não o apa­gas­sem, não era men­ti­ra, o vi­dro es­ta­va mes­mo to­do su­jo”. VE

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.