Blo­co de Es­quer­da quer me­nos impostos, mais car­ga fis­cal, me­nos dí­vi­da, mais dé­fi­ce e, se der, Por­tu­gal cam­peão do Mun­do

Publico - Inimigo - - MILAGRES -

O mi­nis­tro das Fi­nan­ças con­tra­tou o ma­te­má­ti­co rus­so Gri­go­ri Pe­rel­man, ven­ce­dor da me­da­lha Fi­elds, em 2006 pa­ra ten­tar com­pa­ti­bi­li­zar as vá­ri­as exi­gên­ci­as or­ça­men­tais do Blo­co de Es­quer­da a tem­po do Or­ça­men­to do Es­ta­do pa­ra 2019. O exer­cí­cio, que é já co­nhe­ci­do no meio co­mo a Con­jec­tu­ra de Mor­tá­gua, de­ve­rá con­se­guir com­pa­ti­bi­li­zar as rei­vin­di­ca­ções de “me­nos impostos, mais car­ga fis­cal, me­nos dí­vi­da, mais dé­fi­ce e, se ain­da der, Por­tu­gal co­mo cam­peão do Mun­do”. Pe­rel­man já co­men­tou: “Já re­sol­vi equa­ções di­fe­ren­ci­ais mais com­ple­xas. O pro­ble­ma é es­ti­mar, a es­ta dis­tân­cia, a for­ma do Cris­ti­a­no Ronaldo no fim da tem­po­ra­da”.

De­pois da bicicleta, Ronaldo vai aba­lan­çar-se a fa­zer um tuk-tuk

Ronaldo não es­tá sa­tis­fei­to. De­pois da obra de arte de ter­ça-fei­ra, o cra­que por­tu­guês já avi­sou que a bicicleta sa­be-lhe a pou­co e ame­a­ça fa­zer um tuk-tuk na fi­nal da Cham­pi­ons des­te ano. “Fa­lei com a mãe­zi­nha e ela dis­se-me, com ra­zão, que bi­ci­cle­tas já hou­ve mui­tas na his­tó­ria do fu­te­bol. Até o Pe­lé mar­cou uma ao ale­mão, quan­do jo­gou na equi­pa do Stal­lo­ne e do Mi­cha­el Cai­ne. Ago­ra, tuk-tuk nun­ca se fez ne­nhum num es­tá­dio de fu­te­bol. Já fa­lei com o Mis­ter Zi­da­ne e ele deu-me o OK e de­pois pe­diu ao ad­jun­to pa­ra go­o­glar o que era um tuk-tuk. Va­mos nes­sa, pes­so­al”, pro­me­teu o mai­or jo­ga­dor da ac­tu­a­li­da­de (com ex­cep­ção de uma pe­que­na ja­ne­la es­pá­cio-tem­po­ral pa­ra Eder no pro­lon­ga­men­to da fi­nal de Pa­ris de 2016). MB

Por­tu­gue­ses pe­dem a Cen­te­no que trans­for­me dí­vi­das scais em re­pre­en­são es­cri­ta

A car­ga fis­cal au­men­tou pa­ra 37% do PIB e o es­for­ço fis­cal dos por­tu­gue­ses es­tá lon­ge de ter bai­xa­do nos úl­ti­mos anos. A mai­o­ria dos con­tri­buin­tes com dí­vi­das fis­cais já pe­diu a Cen­te­no que al­te­re o mo­de­lo de pe­na­li­za­ção fis­cal e que fa­ça ape­nas a ins­tau­ra­ção de um pro­ce­di­men­to dis­ci­pli­nar semelhante ao ins­tau­ra­do à em­pre­sa Cel­te­jo pe­lo Tri­bu­nal, “Cen­te­no, per­doa lá a coi­ma, a dí­vi­da, as cus­tas e os ju­ros e faz-me uma re­pre­en­são, pá. Uma cha­ma­da de aten­ção, um re­pa­ro pú­bli­co, um re­ca­di­nho na ca­der­ne­ta, es­cre­ve aí no Por­tal das Fi­nan­ças pa­ra to­dos ve­rem que eu sou um mau con­tri­buin­te que pra­ti­ca ir­re­gu­la­ri­da­des, mas não me obri­gues é a pa­gar por­que eu não te­nho di­nhei­ro. Ou is­so só é vá­li­do se eu for acu­sa­do de li­ber­tar ma­té­ria or­gâ­ni­ca de­po­si­ta­da sob a for­ma de se­di­men­tos no fun­do das al­bu­fei­ras?”, ques­ti­o­nou um con­tri­buin­te. JH

Es­ta­do deu 17 mil mi­lhões à banca mas fal­ta ver­ba pa­ra mei­os aé­re­os: in­cên­di­os se­rão com­ba­ti­dos com ex­tin­to­res das agên­ci­as ban­cá­ri­as

Des­de 2007 até ao ano pas­sa­do, os apoi­os do Es­ta­do à banca sig­ni­fi­ca­ram 9,1% do PIB no dé­fi­ce e 12,3% do PIB na dí­vi­da pú­bli­ca, diz o Ban­co de Por­tu­gal. Fo­ram 17 mil mi­lhões de euros que pa­ga­ram cri­mes atrás de cri­mes e que aju­dam a ex­pli­car as dí­vi­das da saú­de ou a fal­ta de gui­to pa­ra mei­os aé­re­os de com­ba­te a in­cên­di­os. “Na­da te­mam, que es­tou a re­sol­ver”, pro­me­teu o mi­nis­tro da Ad­mi­nis­tra­ção In­ter­na. “Co­mo de­mos uma for­tu­na à banca, foi as­si­na­do um pro­to­co­lo que per­mi­te aos bom­bei­ros re­cor­rer aos ex­tin­to­res e aos bal­des de água das agên­ci­as ban­cá­ri­as pa­ra com­ba­ter os fo­gos des­te Ve­rão. Se for ne­ces­sá­rio, a fi­nan­ça tam­bém em­pres­ta di­nhei­ro pa­ra comprar man­guei­ras com um ju­ro mui­to atrac­ti­vo de ape­nas 25%. É a ma­nei­ra de com­pen­sar os con­tri­buin­tes. Acho bo­ni­to”, diz Edu­ar­do Ca­bri­ta. MB

De­pu­ta­dos que passam os di­as a cha­ma­rem-se ‘au­tis­tas’ uns aos ou­tros ca­ram cho­ca­dos com a lin­gua­gem de Bruno de Car­va­lho no Par­la­men­to

A ida de Bruno de Car­va­lho e Luís Fi­li­pe Vi­ei­ra ao Par­la­men­to cho­cou os de­pu­ta­dos que passam os di­as, pe­lo me­nos de se­gun­da-fei­ra de­pois de al­mo­ço a quin­ta-fei­ra a meio da ma­nha, a cha­ma­rem-se “au­tis­tas” uns aos ou­tros, de­vi­do ao te­or de lin­gua­gem do pre­si­den­te do Spor­ting e de­mais re­pre­sen­tan­tes do fu­te­bol. Um de­pu­ta­do do PSD que acu­sa os de­pu­ta­dos do BE de “te­rem Par­kin­son co­mo aque­le ac­tor anão dos anos 80” nun­ca ti­nha ou­vi­do tan­tas as­nei­ras na vi­da, en­quan­to a re­fe­rên­cia ao “li­xo tó­xi­co” da co­mu­ni­ca­ção so­ci­al cho­cou a sen­si­bi­li­da­de de Fer­ro Ro­dri­gues que ape­nas cos­tu­ma “es­tar-se a c...” pa­ra o se­gre­do de jus­ti­ça e não pa­ra o quar­to po­der. Os de­pu­ta­dos so­ci­a­lis­tas sus­pi­ram de alí­vio quan­do per­ce­be­ram que os pre­si­den­tes do Spor­ting e Ben­fi­ca não ti­nham fei­to al­go ab­so­lu­ta­men­te ina­cei­tá­vel e iné­di­to na Ca­sa da De­mo­cra­cia co­mo fa­zer cor­nos aos opo­si­to­res. VE

Cos­ta diz que a Ge­rin­gon­ça foi o pri­mei­ro go­ver­no de sem­pre a aca­bar com a se­ca em Por­tu­gal

De­pois de ba­ter to­das as pro­e­zas eco­nó­mi­cas e fi­nan­cei­ras, a Ge­rin­gon­ça es­tá trans­for­ma­da no Cris­ti­a­no Ronaldo da me­te­o­ro­lo­gia. De­pois de dé­ca­das de dra­ma e das re­zas in­fru­tí­fe­ras de As­sun­ção Cris­tas quan­do era mi­nis­tra da Agri­cul­tu­ra, pe­la pri­mei­ra vez em qua­se 100 anos che­ga­mos ao mês de abril com uma si­tu­a­ção in­ve­já­vel ao ní­vel da plu­vi­o­si­da­de. O Ins­ti­tu­to Por­tu­guês do Mar e da At­mos­fe­ra in­for­mou que Por­tu­gal já não se en­con­tra em se­ca me­te­o­ro­ló­gi­ca e o Pri­mei­ro-Mi­nis­tro es­tá ra­di­an­te com mais um fei­to da Ge­rin­gon­ça. “Es­te foi o se­gun­do mês de Mar­ço mais chu­vo­so des­de 1931. E mes­mo as­sim não ti­ve­mos chei­as. No tem­po do Pas­sos Co­e­lho qua­se não cho­via e era só inun­da­ções. A Na­tu­re­za es­tá em har­mo­nia com a Ge­ri­gon­ça. Ti­ve­mos chu­va e frio quan­do foi pre­ci­so e ago­ra po­de­mos cur­tir um Ve­rão com ca­lor sem stress por­que es­tá tu­do con­tro­la­do. Ti­ve­mos as nos­sas de­sa­ven­ças, mas o cli­ma vol­tou a unir as es­quer­das. Deus ama a Ge­rin­gon­ça e não cas­ti­ga. Ge­rin­gon­ça

fo­re­ver”, sa­li­en­tou Cos­ta. JH

Fa­lha no si­te do Fis­co: re­em­bol­so do IRS dos por­tu­gue­ses en­con­tra­do na Cha­mus­ca

O ex­ces­si­vo nu­me­ro de con­tri­buin­tes que en­tre­ga­ram a de­cla­ra­ção do IRS lo­go no pri­mei­ro dia en­tu­piu o si­te do Fis­co, ten­do es­te ava­ri­a­do e os re­em­bol­sos de­sa­pa­re­ci­do, apa­re­cen­do es­ta ma­nhã nu­ma ma­la, por bai­xo de uma azi­nhei­ra, na Cha­mus­ca, jun­ta­men­te com uma ter­cei­ra ma­la ex­tra com re­em­bol­so de mi­lhões ao FMI. Os ha­bi­tan­tes da Cha­mus­ca fi­ca­ram po­rém com o re­em­bol­so dos res­tan­tes con­tri­buin­tes e re­cu­sam-se a de­vol­vê-lo, avi­san­do que, ca­so ten­tem re­cu­pe­rá-lo, irão de­fen­der-se com as me­tra­lha­do­ras, lan­ça-mís­seis e bom­bas su­jas que cos­tu­mam en­con­trar quan­do vão aos ma­tos da Cha­mus­ca pro­cu­rar es­par­gos sel­va­gens. Já as de­du­ções de Edu­ca­ção do IRS dos por­tu­gue­ses apa­re­ce­ram to­das mis­te­ri­o­sa­men­te na con­ta dos ad­mi­nis­tra­do­res das es­co­las do gru­po GPS. VE

Se­cre­tá­rio de Es­ta­do da Cul­tu­ra in­te­gra­do no Es­ta­do ao abri­go da re­gu­la­ri­za­ção de pre­cá­ri­os

Mi­guel Hon­ra­do es­tá a ser for­te­men­te ata­ca­do por cau­sa dos apoi­os à Cul­tu­ra mas já tem uma so­lu­ção pre­pa­ra­da pa­ra quan­do sair do Go­ver­no. “Ins­cre­vi-me no PREVPAP que es­tá a re­gu­la­ri­zar os pre­cá­ri­os do Es­ta­do e con­to con­se­guir um lu­gar­zi­nho no mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra ou, na pi­or das hi­pó­te­ses, co­mo as­sis­ten­te ope­ra­ci­o­nal num ins­ti­tu­to pú­bli­co”, dis­se o se­cre­tá­rio de Es­ta­do da Cul­tu­ra. Ao que o INIMIGO apu­rou, tam­bém Ma­nu­el Cal­dei­ra Ca­bral, Aze­re­do Lo­pes e Edu­ar­do Ca­bri­ta já es­tão ins­cri­tos. AP

Gru­po de te­a­tro mu­da de no­me pa­ra GPS pa­ra re­ce­ber apoi­os do Es­ta­do

Os re­sul­ta­dos pro­vi­só­ri­os das can­di­da­tu­ras ao apoio da Di­rec­ção-Ge­ral das Ar­tes pa­ra o pe­río­do 2018-2021 ge­ra­ram a in­dig­na­ção dos pro­fis­si­o­nais do sec­tor do te­a­tro. Vá­ri­as com­pa­nhi­as de re­no­me fo­ram ex­cluí­das, mas um gru­po deu um pas­so em fren­te pa­ra ten­tar so­bre­vi­ver. “Mu­dá­mos o no­me pa­ra GPS e al­te­rá­mos a ac­ti­vi­da­de nas fi­nan­ças pa­ra co­lé­gio e cor­reu bem. Ga­nhá­mos um con­tra­to de as­so­ci­a­ção. Nós só que­ría­mos al­gum pa­ra con­ti­nu­ar a fa­zer as nos­sas pe­ças e aguen­tar as des­pe­sas, não era pre­ci­so tan­to di­nhei­ro. Não te­mos es­pa­ço pa­ra guar­dar tan­ta mas­sa. A nos­sa sa­la de en­saio ago­ra pa­re­ce a ca­sa do Pre­si­den­te da Pe­tro­brás na no­va sé­rie da Net­flix so­bre o La­va Ja­to. A nos­sa pró­xi­ma pe­ça se­rá so­bre o Im­pé­rio Ro­ma­no e va­mos ter o Im­pe­ra­dor Ne­ro a quei­mar mi­lha­res de no­tas de 100 euros ver­da­dei­ras”, anun­ci­ou o di­rec­tor da com­pa­nha. JH

Pa­pa con rmou que o In­fer­no não exis­te, ape­sar da ac­tu­al di­rec­ção do PSD fa­zer pa­re­cer o con­trá­rio

O Pa­pa Fran­cis­co te­rá di­to ao ‘La Re­pub­bli­ca’ que o in­fer­no não exis­te e que foi só um faz de con­ta, que du­rou sé­cu­los, pa­ra obri­gar as cri­an­ças a comer a so­pa e ser­vir co­mo des­cul­pa pa­ra quei­mar pes­so­as vi­vas ou tor­tu­rar uns va­len­tes mi­lhões de in­di­ví­du­os ca­nho­tos. Ape­sar de o Va­ti­ca­no ne­gar a de­cla­ra­ção in­for­mal do pa­pa, O INIMIGO sa­be que Fran­cis­co acre­di­ta tan­to no in­fer­no co­mo no ca­ris­ma po­lí­ti­co de Eli­na Fra­ga e que a mo­ra­dia ge­mi­na­da do chi­fru­do é uma far­sa, ape­sar de a di­rec­ção de Rui Rio es­tar apos­ta­da em pro­var que o in­fer­no exis­te e que apre­cia dar ti­ros nos pés de ma­nhã, à tar­de, à noi­te e re­pe­te, re­pe­te e in­sis­te, in­sis­te. MB

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.