Mo­da de en­cer­rar con­tas do ‘Fa­ce­bo­ok’ se­gue a mo­da dos anos 80 de anu­lar a subs­cri­ção das re­vis­tas do ‘Re­a­der’s Di­gest’

Publico - Inimigo - - MILAGRES -

A mo­da que to­mou con­ta das es­tre­las que de­ci­di­ram apa­gar a con­ta do “Fa­ce­bo­ok” imi­ta a lou­cu­ra que in­va­diu os ri­cos e fa­mo­sos em 1984 quan­do, após uma Pi­a­da da Ca­ser­na con­si­de­ra­da ofen­si­va e mais uma re­por­ta­gem de su­pe­ra­ção e so­bre­vi­vên­cia so­bre um ve­le­ja­dor nor­te-ame­ri­ca­no qual­quer que fi­cou à de­ri­va no meio de tu­ba­rões du­ran­te 32 anos, mi­lha­res de subs­cri­to­res da re­vis­ta da “Re­a­der’s Di­gest” can­ce­la­ram as as­si­na­tu­ras. O mes­mo pas­sou-se al­guns anos de­pois quan­do mi­lha­res de lei­to­res can­ce­la­ram as as­si­na­tu­ras do jor­nal “24 Ho­ras” que, após ter fei­to anún­ci­os com tro­ca­di­lhos com “as bo­las” do se­du­tor jo­ga­dor spor­tin­guis­ta Da­ni, exa­ge­rou e pu­bli­cou um anún­cio de du­as pá­gi­nas so­bre “os tre­mo­ços” do Eu­sé­bio. Mo­da semelhante su­ce­deu quan­do su­bi­ta­men­te mi­lha­res de por­tu­gue­ses boi­co­ta­ram o uso do “Jor­nal de Le­tras” pa­ra en­ro­lar abas de ba­ca­lhau. VE mé­di­cos. Mas a mai­or sus­pei­ta co­me­çou de­vi­do à sua ca­li­gra­fia. “Mui­to es­tra­nho. Uma le­tra to­da bo­ni­ti­nha, não ti­nha na­da da­que­les ra­bis­cos ha­bi­tu­ais dos mé­di­cos. Ve­ja lá que qual­quer pes­soa co­mum e não ape­nas o far­ma­cêu­ti­co era ca­paz de de­ci­frar ca­da le­tra à pri­mei­ra sem ab­so­lu­ta­men­te ne­nhum es­for­ço. Is­to nun­ca acon­te­ceu ja­mais em tem­po al­gum. Pois es­tá cla­ro que es­ta­mos na pre­sen­ça de um char­la­tão”, ad­mi­tiu um pa­ci­en­te. JH

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.