Tin­der re­ve­la si­tu­a­ção iné­di­ta em que as pes­so­as co­me­ça­ram a con­ver­sar de­pois de um mat­ch

Publico - Inimigo - - MILAGRES -

A ofer­ta é mui­ta, o tem­po é es­cas­so e o de­do das pes­so­as ho­je em dia pa­re­ce es­tar bem mais trei­na­do pa­ra fa­zer swi­pe que pa­ra co­mu­ni­car com os ou­tros. Comer al­guém no Tin­der não pas­sa de mi­to ur­ba­no e mes­mo con­ver­sar com al­guém não pas­sa de uma mi­ra­gem. Mas um epi­só­dio iné­di­to ocor­ri­do na úl­ti­ma se­ma­na es­tá a sur­pre­en­der o mun­do in­tei­ro. “Fi­ze­mos Não es­ta­mos pre­pa­ra­dos psi­co­lo­gi­ca­men­te pa­ra li­dar com uma si­tu­a­ção em que al­guém de­mons­trou in­te­res­se por nós. É mui­ta pres­são de par­te a par­te. Deu-se o ha­bi­tu­al si­lên­cio se­pul­cral pós- Pas­sa­do uns di­as, ti­ve a co­ra­gem de que­brar o ge­lo por­que a fe­li­ci­da­de po­de es­tar ali e é pre­ci­so ar­ris­car um bo­ca­di­nho. “En­tão, tu­do bem?”. E ela res­pon­deu-me “Sim e tu?”. Sim, ela res­pon­deu-me. Foi má­gi­co. Eu fi­quei tão emo­ci­o­na­do que não con­se­gui dizer mais na­da. Mas tam­bém não era pre­ci­so. As pes­so­as não acre­di­tam quan­do eu di­go que ti­ve uma con­ver­sa no Tin­der de­pois de um mas eu te­nho o aqui no te­le­mó­vel e ju­ro que is­to não é uma montagem”, ga­ran­tiu o in­di­ví­duo. JH

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.